domingo, 30 de abril de 2006

Sonhei

Eu tive um sonho estranho, noite dessas.
Não lembro direito, mas uns homens fortemente armados tentavam assaltar os apartamentos do prédio onde moro. Era tudo tão real, que a agonia me acordou.

Quando tenho sonhos assim, tão reais, e consigo acordar, fico aliviada!
Mas preciso despertar mesmo. Levantar, beber uma água, comer um chocolate (solução para todos os males...), fazer alguma coisa que, realmente, me desperte, porque se não fizer assim, quando volto a dormir o sonho continua do exato lugar em que parou. E é horrível, porque é quase impossível acordar uma segunda vez.

Então, ontem, quando acordei no meio daquele sonho horroroso, tratei de sentar na cama, e aproveitei pra ficar lembrando de umas coisas engraçadas que têm acontecido na minha vida (como, por exemplo, uma pessoa que insiste em ligar pro meu celular perguntando, aos berros, se é da "Funerária Santa Teresinha"). Fiquei rindo dessas coisas, fiz uma série bem legal de alongamento e deitei de novo.
Dormi feito um anjo. Na paz de Deus.

E só acordei quando o sol bateu na janela do meu quarto.

Harley Davidson

 
Algumas, re-al-men-te, são muuuuito lindas...

Mais uma idéia

S. acaba de me dar mais uma idéia pras minhas sandálias e sapatos: retratinho, no lugar da etiqueta.
Hummmm.... muuuuuito boa!
Assim que eu combinar com o meu salário, vou colocar tudo em prática!

Poemas e canções

Na mesinha da sala, perto do sofá. Está lá. Com aqueles olhos de quem diz tudo sem nem mesmo pronunciar uma única palavra. Mas, para nossa maior felicidade, ainda se fez poeta! Pois como se não bastassem aqueles lindos olhos a nos dizer tudo, ainda escreve poemas e canções. É, praticamente, uma perfeição!
"Hoje eu arrasei
Na casa de espelhos
Espalho os meus rostos
E finjo que finjo que finjo
Que não sei"

(trecho de "a mais bonita", de chico buarque de hollanda)

Você já pensou nisso?

Comunidade, no orkut:
Liberdade para anões de jardim
hohohoho!!!

Neném

Lembrei de outra música do Boca Livre que eu gostava gosto muito:
"Se você quer
Pode sentar no meu colinho, neném
Eu sou santinho
Juro pela minha avó

Que eu ía só cobrir você
Com mil beijinhos
E dizer baixinho
Eu tenho estado tão só

Mas se você desse um sorriso engraçadinho, neném
Eu te puxava com jeitinho
Pra mim

E começava
A te fazer carinho, neném
Devagarinho
Pra não ter mais fim

Devagarinho
Pra não ter mais fim"


Não é tão bonitinha?

Chinelinhos

 

Meus sapatinhos

A. esteve aqui em casa, outro dia. Ficou assustado com o espaço reservado para sapatos, no meu guarda-roupa. É normal. Já acostumei com a cara de "óooooo!", das pessoas.
Estão todos guardados em caixas, devidamente etiquetadas com a necessária identificação. "Óooooo!", de novo.

Mas as caixas não são todas iguais, e deveriam ser. Eu não havia me tocado que tudo ficará mais "clean" e ainda mais organizado, se as caixas forem todas do mesmo tamanho e modelo. Precisou o A. me dizer isso (foi de brincadeira, mas eu levei a sério!).

De lá pra cá, não tenho mais sossego. É incrível!
E enquanto eu não comprar as tais caixinhas (D. já cuidou de descobrir, pra mim, onde tem), não vou ficar em paz. Preciso providenciar grana suficiente pra isso.
É uma questão de prazer, mesmo, sabe?
Alguém diria que é um desperdício de dinheiro. Mas não é. É organização. E beleza, é verdade. Então, tá. Prazer, beleza e organização.
E tudo tem um preço. Acho justo.

sábado, 29 de abril de 2006

The red shoes

 
She said "just take off my red shoes
Put them on and your dream'll come true..."

Curiosidade - quando não mata, engorda

Algumas vezes o ser humano (e a "serumana" também - como disse a
Naya, outro dia) é desnecessariamente curioso. Procura até o que não quer encontrar.
Termina achando.
Não porque existe; mas porque criou, na própria imaginação.
Depois não sabe o que fazer.
É aí que entra aquele comentário que gera risos (não sei por que), toda vez que eu faço: "isso é mais informação do que você precisa!"

Sábado à tarde.

 
Telefones desligados.
Hora do soninho das tardes de sábado.
Até mais tarde.
Beeeem mais tarde.

Saudades de você

Minha mãe chorou, hoje, com a gravação do Anderson.
"Esse menino era como um filho, pra mim... eu tô chorando de saudade", foram as poucas palavras que ela conseguiu dizer, entre lágrimas...

Nunca subestime a marca que você deixa nas pessoas.
Boas ou más recordações ficam para sempre.
Eu gosto da saudade que sinto dele.
Mesmo que a saudade me faça chorar.

sexta-feira, 28 de abril de 2006

Marie Claire


Hoje, mais cedo, eu estava no salão, fazendo a unha. Gosto de lá porque é um salão que não tem "Caras" (que revista mais sem propósito!). Lá tem "Marie Claire", que, pelo menos, tem algum conteúdo.
E então, sabe o que eu li na revista? Fiquei pasma! Fiquei bege!!
Perguntaram a diversas mulheres o que elas preferiam: engordar 15 quilos ou ter o salário reduzido em 30%.
Acredite: mais da metade das mulheres (52%) respondeu que preferia diminuir o salário! E olha que são 30% !!!!
Caramba!

Pois é... Tá na Marie Claire deste mês.

Reintegração de posse

Reintegração de posse é sempre um tema que mexe com os sentimentos. A gente é levado a pensar que se há uma pessoa física (e tem sempre família, no meio) e uma pessoa jurídica envolvidas, a razão deve estar com a pessoa física. Aquela coisa da hipossuficiência. Mas, nada a ver. Estou às voltas com esse tema. Plena sexta-feira.

Sol de verão

É outono, mas é como se fosse um sol de verão queimando no peito...

Bonbonnière

Minha bonbonnière tava assim, ó.
E eu, enlouquecida.
Aí, ontem, não resisti. E comprei todos os chocolates do mundo, pra abastecê-la.
Imagine mais um final de semana sem chocolate... Eu ficaria insuportável!

quinta-feira, 27 de abril de 2006

Viva voz

Vou ouvir o "Viva Voz" agora, no carro.
Lembro do que, uma vez, a R. contou.
Final de ano. Brincadeira de amigo oculto. Para enrolar um pouco na hora de revelar, ela disse algo do tipo: "meu amigo oculto é um músico; um músico fantástico; excelente compositor; toca piano muitíssimo bem" (e até aí nada! porque E. e J. empatavam em todos esses quesitos).
Aí, ela arrematou: "e canta muuuuito!"
Foi péssimo, porque, contrario sensu, ela estava a dizer que J. não cantava assim tão bem...
Terminou ficando engraçado, sem ressentimentos, todos grandes amigos até hoje, e eu nunca esqueci essa história.

E quem conhece E. e J., ama os dois. Eu, por exemplo.
E também prefiro o E., como cantor, porque além de tudo sou parcial, tendenciosa, todas essas coisas. Mas J. é tão querido, que eu também passaria uma noite inteira ouvindo-o cantar...

Ópera de Arame

Estou meio fissurada nessa coisa de luz, desde ontem, percebe?

Imposto de Renda

Não bastasse deixar para a última hora, estou fazendo o meu, do meu pai, da minha tia e da minha irmã...
Tsssss....
Muita pressa nessa hora!

Isso pega??

Mau humor não me contagia; nem implicância.
Bom humor eu adoro.
Tô de bem com a vida!
Ganhei presente, hoje.
(risos)
É engraçado, isso. Porque se você pensa que tinha quinze coisas pra fazer e vem alguém e leva nove, só sobram seis pra você. Matemática da tranqüilidade.
É por isso que eu gosto de competência, bom humor, boa vontade, final de semana sem trabalho!

Luz

Ai, ai, ai...
Essa coisa de ter luz própria é mesmo tão legal!!!

Hoje tem "Boca Livre" no Canecão

"Boca Livre" - um som que eu gosto muuuuito!!
Gosto das harmonias criadas, das vozes, dos arranjos, dos instrumentos tocados.
Gosto deles.
Zé Renato está de volta! E vem gravação nova no meio do ano. Só notícia boa!
Tive um namorado que só gostava de pagode, até conhecer o Boca Livre.
Hohohoho!!!
Ele me deve essa.

Será que vão cantar "Cruzada", hoje?
"Não sei andar sozinho
Por essas ruas
Sei do perigo que nos rodeia
Pelos caminhos
Não há sinal de sol
Mas tudo me acalma no seu olhar"

quarta-feira, 26 de abril de 2006

Grandes presentes

 
22h44min - E não é que está chovendo?

Cheiro de terra molhada

Sinto cheiro de terra molhada.
São dez e meia da noite. Vem chuva por aí...

Já é noite...

Sete horas da noite.
Ainda no trabalho...


Gosto do horário de verão, porque mesmo quando saio tarde, daqui, ainda vejo o sol.
Lá fora, hoje, já é noite. E noite escura.
Então vou procurar as estrelas. Porque elas também têm luz própria e eu adoro essa coisa de ter luz própria!!

Histórias de amor - V

Ela olhou-o nos olhos, como quem não foge de nada.
Ele encarou-a por horas a fio.
E anoiteceu.
Ela continuava sem medo.
Ele estava impressionado.

no words

 

Sobre ética e decência pessoal

Acho que não se fala muito, nas Universidades, sobre ética, probidade, honradez.

Algumas grades curriculares até incluem uma disciplina chamada "ética", ou "deontologia", mas nem ali a questão da decência pessoal é discutida; fica-se mais no campo da ética profissional, e pouco se fala acerca de valores como honestidade e dignidade moral.

Tive um professor, de Direito Penal, que deixou uma grande marca na minha vida. Em todos os seus ensinamentos ressaltava a importância da decência. E nos dizia, constantemente: "não se deixem corromper". Lembro que dava um exemplo do cotidiano - se num acidente de trânsito você for chamado, e, ao chegar, o responsável pela lavratura do Registro de Ocorrência chamar você num canto e oferecer uma pequena alteração benéfica, no RO, capaz de "facilitar" as coisas para o seu cliente, "não se venda", ele dizia; "absolutamente!" Apenas diga-lhe: "Senhor, faça o seu trabalho; eu farei o meu."

Além disso, sempre terminava suas aulas com um poema - os bons criminalistas têm uma sensibilidade capaz de impressionar!

M., meu grande mestre, não se cansava de nos dizer coisas a respeito da honestidade e da decência.

Acho que pais e professores deveriam se preocupar um pouco mais com essas coisas...

Minhas latinhas

 
Sem elas eu não sou ninguém...

terça-feira, 25 de abril de 2006

Princípio de Pareto

O Princípio de Pareto foi criado lá pelo Séc. XIX por um economista italiano chamado Vilfredo (alguns chamam-no de Alfredo) Pareto.

Analisando a sociedade, ele chegou à conclusão de que grande parte da riqueza se encontrava nas mãos de um número demasiadamente reduzido de pessoas.
Após concluir que esse princípio se aplicava em muitas áreas da vida diária, estabeleceu o chamado "método de análise de Pareto", também conhecido como 20-80%, que significa que um pequeno número de causas (geralmente 20%) é responsável pela maioria dos problemas (geralmente 80%).

Deve haver alguma pequena variação nesse percentual (dizem que algo em torno de 14% a 24% representa esses 20% da regra geral), mas o método está comprovadíssimo.

Ouvi falar no "Princípio de Pareto" quando fazia minha graduação em Administração Escolar. E lembrei disso hoje, quando me deparei com alguém que falava, falava, falava, perto de mim. Porque pensei: nossa... 20% do que ele está dizendo já são responsáveis por 80% dessa minha agonia para vê-lo parar de falar!

E agora à noite me detive mais um pouco no Princípio de Pareto.
É legal, ficar pensando nisso. Porque aí você conclui que 20% do que você diz são responsáveis por 80% das reações que você causa nas pessoas (e entende que é preciso moderar as palavras). 20% do que você come são responsáveis por 80% das suas doenças (e compreende, enfim!, que é preciso equilíbrio até na alimentação). 20% do que você cria na própria mente são responsáveis por 80% dos seus problemas (e decide que é melhor pensar em coisas boas, porque 20% disso serão responsáveis por fazer você ser, realmente, um cara feliz)...
E se a gente ficar aqui parado, viajando, vai descobrir tantas outras idéias do tipo 20-80%!!
Experimente.

Mania

 
Toda noite, antes de dormir...

É assim

Eu acho que é mais ou menos assim:
quando alguém chato faz uma coisa legal, fica uma coisa legal, mas chata;
quando alguém muito legal faz uma coisa chata, fica uma coisa até legalzinha;
quando alguém lindo faz uma coisa feia, a coisa feia fica feia mesmo;
quando alguém bonito faz uma coisa legal, imagine!, fica uma coisa praticamente maravilhosa;
agora, basta alguém fazer uma coisa qualquer que te encante, e você fica assim, de boca aberta!

segunda-feira, 24 de abril de 2006

Pausa para lembrar... e só volto amanhã

Ontem consegui comprar uma gravação antiga, com o Anderson, que eu não tinha.
É o tipo de coisa que eterniza ainda mais alguém.

18h35min
Anoiteceu.
Pausa para lembrar.

Memórias

Minha memória visual é boa. Nem sempre lembro de onde conheço alguém, mas geralmente não esqueço que conheço. Praticamente nenhum rosto me escapa à memória!
Acho que entram também no campo da memória visual as letras de música. Porque, geralmente, quando preciso aprender uma nova, escrevo primeiro a letra, ou me fixo na partitura, e, depois de cantar lendo algumas vezes, as palavras jamais se perdem. Nunca mais. Lembro de letras inteiras, de músicas já tão esquecidas por todos, que isso chega a ser piada, aqui com os amigos e a família. Sou a memória viva até das músicas que E. compôs no início de sua carreira de músico. Até eu me surpreendo...

Mas acho que a memória olfativa é a que tenho mais aguçada. Vivo com o cheiro das pessoas/coisas que gosto na minha memória. Eu era criança e meu pai estava trabalhando; eu buscava na memória o cheiro de suas camisas e lembrava dele. Era como se já tivesse chegado em casa, de volta.

Tenho bem guardado, também, o cheirinho de banho tomado, da minha mãe, e do "pó de arroz" que costumava usar ("Promessa"). Basta invocar a memória olfativa e eu a trago pra perto de mim, rapidinho.

Guardo o cheiro das crianças, também, e isso me reporta a cenas de momentos vividos juntos, entre risos, brincadeiras e carinhos.

Vivo também, na memória, com o cheiro dos namorados que tive; o cheiro do meu quarto quando eu saio do banho; o da roupa lavada pela minha mãe; o cheiro do bolo que ela fazia para as noites de sexta-feira; o do shampoo de maçã verde, da L'Oréal, que minha irmã usava quando eu era criança. Guardo o cheiro do meu irmão me abraçando; o da minha cunhada, caminhando pela rua, em Toronto; o cheiro das mangas que meu tio trouxe, uma vez, do Nordeste, numa caixa de madeira...
E volta e meia esses cheiros me invadem, assim, do nada!
É tão bom!

Caillou

 
Estes são os amiguinhos do V. e da L.
Desenho divertido e educativo.

Boicote à Nestlé

Alguns ficaram pasmos com a informação, o que fez rolar vários comentários, lá no "Jogo do Currículo 2", da MW.

Eu já boicoto a Nestlé há uns dois anos. Só sinto falta, mesmo, é da Farinha Láctea, que eu a-do-ro!, e é, inarredavelmente, a melhor do mercado, em sabor. Mas sabor não é tudo. Ética é fundamental. E a Nestlé, definitivamente, não tem.

Substituí todos os produtos que eu comprava (tipo: Nescau, chocolates, creme de leite, leite condensado, coisas da Maggi etc.) por outros de marcas diferentes, e não tenho sentido a-me-nor-fal-ta! Quanto à Farinha Láctea, tentei outras marcas mas não gostei. Então, abri mão e não consumo mais o produto. Não foi tão simples, admito; mas é necessário um certo sacrifício, quando se está tratando de "boicote".

Não compro nenhum produto Nestlé por conta da destruição das fontes de águas de São Lourenço. E não estou sozinha. Aí ao lado deixei alguns endereços, para você ler um pouco mais a respeito do boicote que rola em 20 países do mundo!, especialmente por conta da alimentação infantil fabricada pela empresa suíça, sendo que em relação à desmedida exploração comercial e desmineralização das águas de São Lourenço o boicote já atravessou as fronteiras do Brasil.

Leia mais!

(tem até comunidade no "orkut!")

Poesia numa hora dessas? (parte VI)

"Deus nos livre do requerimento em três vias,
do protocolo, das fotografias 3x4,
da ficha de chamada, da espera na fila e
de descobrir que não é aqui,
é no outro guichê.
Deus nos livre do outro guichê."
(Veríssimo)

Ainda sobre casamentos

Cantar Vinicius e Tom Jobim é sempre bacana e dá uma certa emoção até na gente, porque nem sempre a noiva escolhe as melhores músicas; e quando isso acontece, rola mesmo uma certa magia no ar. Com Vinicius e Tom é impossível errar.
Então, imagine a troca das alianças com "Eu não existo sem você"...

"Assim como o oceano só é belo com o luar
Assim como a canção só tem razão se se cantar
Assim como uma nuvem só acontece se chover
Assim como o poeta só é grande se sofrer
Assim como viver sem ter amor não é viver
Não há você sem mim e eu não existo sem você."

Rio, sol e SP

Calor de Rio de Janeiro num domingo de abril em São Paulo não é assim uma coisa tão comum. E quando acontece, é claro que eu tenho de estar por lá.
Final de semana show!!!

sábado, 22 de abril de 2006

Para G. e H.

 

Casamentos

Há duas possibilidades de você me encontrar numa cerimônia de casamento:
a) se os noivos forem (muito) amigos meus; pelo menos um deles.
b) se eu for convidada "profissionalmente".
Porque não é o tipo de festa que me anima...

Esta semana, G. e H. se casaram. Taí! Esse era um casamento que eu gostaria de ter ído (opção "a").
Ela trabalhou comigo e, desde então, temos um grande carinho mútuo.
Com ele, eu estudei na mesma sala, por uns oito anos. Era divertido e me fazia rir de suas piadas - quanto mais sem-graça, mais eu ria...
Onde quer que nos encontremos, eu, G. e H., o sorriso e os abraços são sempre tão sinceros e afetuosos!
Pois não consegui estar lá, no casório. Trabalho e trânsito me impediram, e eu fiquei triste, com isso; afinal, foram quase dez anos de espera por esse momento.

E então, hoje, estarei em outra cerimônia de casamento. Opção "b", agora.
E como não é aquele evento para o qual você se arruma porque vai encontrar amigos e se divertir, vou tratar de descansar e dormir um pouco, para estar bem, quando chegar a hora. É preciso um certo preparo, quando a opção é a "b".

Histórias de amor - IV

Ela ligava.
Ele atendia.
Ela fazia juras de amor.
Ele a ouvia.
Ela esperava.
Ele chegava.
Trazia-lhe chocolates.
Ela se derretia.

Final de semana

Está praticamente tudo planejado para que meu domingo seja um dia muito muuuuuito legal!

sexta-feira, 21 de abril de 2006

Sobre crianças, alegria, e mar

Por volta das dez e pouco da manhã, e de repente, chegam cerca de doze crianças, na praia, acompanhadas de um só adulto. Até agora não sei se eram de alguma escolinha de futebol, se eram de algum instituto, mas sei que não eram todos irmãos, assim, de sangue. Havia loirinhos, negros, morenos, mulatinhos, todos de short, todos sorridentes. A idade devia variar entre 8 e 15 anos, talvez.

Chegaram soltos, leves, mas organizados, numa boa, e naturalmente, porque não havia ninguém exigindo isso deles. Via-se que estavam animados, sorridentes, curtindo. Conversavam animadamente.
Arrumaram as bicicletas uma ao lado da outra, na areia, e saíram correndo pro mar, sem jogar areia em ninguém, mas correndo, saltando, impressionantemente felizes.
Ali eu já achei que aquela cena já fazia valer o meu dia!

O adulto que as acompanhava, um rapaz, talvez de uns 28/30 anos, alto, negro, cara de boa gente, ficou ali em pé, ao lado das bicicletas, enquanto as crianças se divertiam no mar. Ele apenas olhava, cuidando de longe, atento. Sem cara de mau, tinha um certo ar protetor. Achei isso tão bacana!

Achei curioso, também, ele não ter dado nenhuma instrução, antes que os meninos se dispersassem. Canso de ver os pais gritando com os filhos, na praia, ou mesmo advertindo-os, carinhosamente, para que tenham cuidado no mar, para que não joguem areia em ninguém, para que não briguem, não fiquem pedindo pra comprar as coisas etc. etc. Mas o rapaz não deu nenhuma ordem e eles todos sabiam exatamente como fazer, para ter u'a manhã divertida, na praia.

Uma coisa que acho legal é que no Recreio as pessoas são mais gentis que em outras praias. É, eu acho mesmo. Fico pensando que se essas crianças chegassem em Ipanema, por exemplo, pelo menos "meia dúzia de 20 ou 30 pessoas" já estaria olhando torto, segurando suas bolsas, fazendo cara feia, mesmo. Já vi cenas assim, exatamente em Ipanema, uma praia tão charmosa, e que só devia ter gente com charme no trato pessoal também. Mas...

Pois bem, a criançada (graças a Deus) estava no Recreio dos Bandeirantes, Posto 9. E se divertia tanto, que era capaz de causar inveja em muita gente!

Cerca de uma hora, uma hora e meia depois, os meninos já estavam indo embora. Na verdade, quando eu olhei - e as bicicletas estavam perto de mim - já nem vi mais ninguém. Foram tão discretos, na hora de ir, que eu nem percebi...

Mas a alegria que irradiaram ficou na praia até a tardinha.

Feriadão

 
Bom dia sol!!!, bom dia, dia!!!
Esse é o meu canto, hoje.
"Au revoir"!

quinta-feira, 20 de abril de 2006

Chá das dez e das duas

Aqui dentro a temperatura deve estar a 21º.
Pra mim é como se estivéssemos no pólo norte. Eu não tenho uma relação muito boa com o frio. E a não ser que eu use luvas, de nada adiantam casacos, porque meus dedos ficam (con)gelados!
É por isso que por volta das dez da manhã e de duas e meia da tarde, quando passa "o carrinho da copa", eu fico tão feliz!
Um chá de erva-doce sempre cai bem.

Casa Loma

 
Esta é a Casa Loma. Um castelo belíssimo, no Canadá.
Depois eu conto a história disso.

Que furo...

Ontem cometi uma gafe, daquelas que são divertidas só porque se trata de um amigo.
Do contrário, era fria!
Ainda bem que V. tem bom humor. E eu também.

O sol voltou!!!

 
E as flores, na varanda, estão viradas pra ele.

quarta-feira, 19 de abril de 2006

Que me desculpem os senhores advogados, mas não é sempre que encontramos algum de vocês assim tão simpático e gentil.

Pois hoje recebemos dois exemplares dessa raridade! Ponto pra vocês.
Um deles, estagiário - e esse deveria valer o dobro dos pontos, porque, às vezes, os estagiários conseguem superar o mais antigo dos causídicos, no quesito "dono da verdade".

Z. não gostou muito do que chamaria de "excesso de gentileza" de nossa parte, mesmo sabendo que era uma espécie de retribuição. (Puro ciúme!) Mas o que vale é que a tarde ficou agradável, depois de percebermos o encanto deles com nossa presteza e com a rapidez dos procedimentos.

Somos competentes e ágeis (uêbaaaa!!!). O que se há de fazer? - além de sorrir, em agradecimento?

Os homens são de Marte

"Os Homens são de Marte... e é pra lá que eu vou!" é o nome de uma peça que ficou um tempão em cartaz no Teatro Vannucci (nem sei se ainda está por lá).
Um sucesso.
Olha a frase:
"Agora, bastou ser educado comigo que eu apaixono!"
hohoho!!

Logo de manhã...

Hoje acordei com uma imensa saudade de V. e L.
Todos os dias, quando venho do francês, passo em frente à casa em que moravam, e isso me traz lembranças boas. Lembro dos sorrisos, das brincadeiras no chão da sala, com "Hot Wheels", das gargalhadas do V., dos sorrisinhos e abraços da L., com aqueles olhinhos que brilham.
Hoje acordei com essa saudade tão grande!
Porque a minha bebéia e o meu "menino" (ele não é mais bebê; é um menino, como me disse), são dois pedacinhos de mim que foram passear em outra cidade...

terça-feira, 18 de abril de 2006

 

"O Caderno"

Hoje eu estava ouvindo "O Caderno", do Toquinho, no trajeto Centro-Barra.
Caramba... Por que essa música sempre me faz derreter??
Ela é tão doce, tão menina!
Fico lembrando daqueles diários, caderninhos que todas nós tínhamos. Onde escrevíamos do beijo roubado, da paixão secreta, do amor platônico. Onde anotávamos os maiores segredos do mundo, e colávamos embalagem de chocolate, bilhete do cinema, papelzinho de bala...
Seguiam a gente o tempo todo, em casa e na escola, e guardavam as mais preciosas lembranças.
Ainda acho lindos aqueles versos:
"Sou eu que vou ser seu amigo
Vou lhe dar abrigo
Se você quiser
Quando surgirem seus primeiros raios de mulher".

Que coisa mais linda... "quando surgirem seus primeiros raios de mulher..."

Histórias de amor - III

Ele passava-lhe os dedos por entre os cabelos.
Ela sorria, docemente.
Ele pensava que ela era um presente de Deus.
E ela não se queixava.

Sobre chuva, agenda e liminares.

Esse tempo chuvoso tira um pouco as minhas energias. Sei lá, os olhos apertam um pouquinho, a musculatura fica levemente alterada, enfim, em palavras mais claras: dá uma preguiça...
Minha agenda está cheia de coisas, hoje. Mas não consigo "ticar" nada. Estou por conta de liminares, desde cedo. E tudo o que estava na agenda vai ficando pra daqui a pouco.
E já é quase meio-dia!

Dedicatória

 

segunda-feira, 17 de abril de 2006

Quase oito horas

Agora, se me dão licença... Jack Malone e Danny já estão chegando.

Cruzada

"Não há sinal de sol
mas tudo me acalma no seu olhar..."

(Tavinho Moura e Márcio Borges)

Chove lá fora. Nenhum sinal de sol o dia inteiro...

 

Poesia numa hora dessas? (parte V)

"Deus nos livre dos bêbados que confidenciam.
Deus nos livre das mulheres que miam.
Deus nos livre de um dia acordar de ressaca,
sair da cama e descobrir que estamos
no palco do Teatro Municipal lotado."

Veríssimo

Histórias de amor - II

Ele ía ao mercado e trazia-lhe flores.
Ela ía à pracinha e comprava-lhe pipocas.
Eles se amavam com essa simplicidade.
E da janela olhavam o sol se pôr.

Trinta dias

 
"... é só tristeza e a melancolia que não sai de mim,
não sai de mim, não sai..."


Faz trinta dias...
Ainda choro, só de pensar.
Mas tenho me alimentado com a certeza do reencontro.
Penso nas músicas que ele compôs nos últimos meses.
Penso na criança que era.
Choro mas já consigo sorrir, com as boas lembranças que me deixou.

Deus te guarde para o dia em que nada mais nos há de separar.
O dia em que todas as flores terão cor.
E nossos olhos brilharão de alegria.
De uma vez por todas!
Amigos para sempre.
Por enquanto, fica essa saudade.

domingo, 16 de abril de 2006

Páscoa

 
Páscoa - todos irmãos

A oração de Jesus
"...Guarda Teus filhos com amor
Guarda, são todos Meus irmãos
Que tenham Teu favor
Que sejam sempre um
Como Tu és em Mim e Eu em Ti
Também sejam um, em nós."

Orkut

O orkut já me trouxe gente que se havia soltado há muitos anos da minha rede!
Esta semana encontrei a I., que estudou da 1ª à 8ª série comigo.
Foi um dos encontros mais bacanas, que eu tive, por conta desse "yakult".
É também, às vezes, um meio mais prático que os e-mails! Como pode??? Pois é.
Você declina dos convites e justifica algum furo, ali mesmo na tela, e tem certeza de que o outro vai receber (o outro e todos os outros do mundo, é verdade! quanta falta de privacidade!).
Até agradecer presentes e chocolates você pode fazer por meio do orkut, quando não consegue ligar nem aparecer. Dá pra pedir, também, como fiz com o "cara-de-pau" do C., que só aparece pra levar embora minhas jujubas...
É divertido, esse brinquedinho.

Além de tudo

Acho que além de desconcentrada, estou verborrágica, hoje...
Não é mesmo, A.?

Quase meio-dia

Vou pro almoço de Páscoa.

Chocolates

S. me mandou trufas de chocolate, ontem.
Derretem na boca.
Estou me controlando pra não comer tudo de uma vez.
Fechei em 3 vezes, sem com juros.

O Rei

Toca Roberto Carlos em algum apartamento vizinho.
Definitivamente não é o tipo de música que eu ouviria, num domingo.

Domingo difícil

 
Estou com dificuldade de concentração. (Já se percebeu...)
Os processos estão me olhando, eu folheio os autos. Não sai muita coisa. A "nova" Lei de Falências me atrapalha - preciso estudar. Conselhos Regionais também me chateiam, hoje. São mesmo típicas Autarquias Federais? Com todas as prerrogativas?
Há jurispurdência e juris(im)prudência a respeito.
Também tem o francês, ali me esperando.
E o sol chamando.
A imagem das ondas do mar vêm toda hora, e eu me agonio porque não estou lá, pra ver de perto. Mas hoje é domingo e eu estou de plantão, aquela coisa de "horas de sobreaviso". Horas que não acabam mais...
M. comentou comigo, ontem, que quando estiver judicando vai acolher os pedidos de pagamento de horas de sobreaviso, porque também se sentiu numa jaula, nestes últimos 4 dias. Concordo.

Coisa de domingo

Por que será que aos domingos tenho vontade de ouvir Vander Lee?
Será que sou do tipo que ele canta que é "uma espécie em extinção"??

Na porta da geladeira

 

Poesia numa hora dessas? (parte IV)

"Deus nos livre da doença, da miséria,
do escapamento radioativo e das pessoas que
cutucam e dizem 'Hein? Hein?'."

(Veríssimo)

Histórias de amor - I

Ele lembrou-a:
- Prometeste que me aguardarias pelo tempo que fosse preciso.
Ela contou os anos.
E foi-se embora.

Remédios caseiros

A dor de cabeça de ontem passou.
Dengo, repouso e chocolates curam praticamente todos os males.

sábado, 15 de abril de 2006

Dor de cabeça

Dor de cabeça. Muita dor de cabeça.
Vou almoçar e dormir um pouco. Geralmente resolve.
Um doce e um dengo também ajudam.

sexta-feira, 14 de abril de 2006

Anotação na agenda de 1991


SOCORRAM-ME SUBI NO ÔNIBUS EM MARROCOS
Anderson 5/01/91


(Brincando de ler de trás pra frente, letra por letra)
Mais um momento da minha saudade do Anderson...

Páscoa

O sacrifício e a morte de Jesus foram, incontestavelmente, por amor à humanidade. Impossível não retribuir.
Feliz Páscoa!!
 
No meu currículo devia constar: já colhi amoras no pé e comi embaixo da árvore. 

Feriado ou dia normal???

Essa expectativa não é legal... A gente termina não curtindo o dia de folga, porque pensa na mão-de-obra que vai dar estar na praia, por exemplo, e o telefone tocar; você tem de sair correndo pra casa, tomar banho, se arrumar, pegar o carro e chegar no trabalho, sabendo que, desde a hora em que o telefone tocou as pessoas já estão lá, esperando você. É desconfortável.
Aí, preferi ficar em casa, hoje, e aproveitei pra adiantar logo o que tenho de aprontar até terça-feira. Pelo menos rola uma sensação de que não foi um dia perdido.
E não foi mesmo!!

Poesia numa horas dessas? (parte III)

"Deus nos livre da ira, da soberba, da gula,
da luxúria, da avareza, da inveja, da preguiça e
desta mania de limpar o ouvido
com uma tampa de caneta Bic."
(Veríssimo)

Filosofia do Direito

"A experiência jurídica representa a especificação de uma forma de tutela ou de garantia social do que é valioso. E se dissermos que nada é tão valioso como a possibilidade de realizar livremente novos bens valiosos, compreenderemos que o problema da liberdade se põe no âmago da experiência do direito, como de toda a experiência ética, pela razão fundamental de ser a liberdade a raiz mesma do espírito."

(Trecho da obra de Miguel Reale - imortal que, num contra-senso, morreu hoje, aos 95 anos)

quinta-feira, 13 de abril de 2006

Hoje é noite de lua cheia; amanhã, mesmo que uns não queiram, será de outros que esperam...


Amanhã (Guilherme Arantes)

"Amanhã a luminosidade,
alheia a qualquer vontade
Há de imperar
Amanhã está toda esperança
por menor que pareça
Existe, e é p'ra vicejar
Amanhã, apesar de hoje,
será a estrada que surge
P'ra se trilhar
Amanhã, mesmo que uns não queiram
será de outros que esperam
Ver o dia raiar..."

(foto de Ricardo Duarte)
 

Pelo menos

Ao menos eu passei o dia na praia, ontem...

 
Plantão agitado, hoje. E parece que amanhã não vai ser diferente...
Pior é estar de plantão até domingo e passar o feriadão inteiro com medo do telefone tocar e ser acionada pra vir...
Mantenha sempre alguma coisa bonita à vista; nem que seja uma flor num copo de geléia.

 
"I may not win but I can be strong..."

quarta-feira, 12 de abril de 2006

Flinstones Family

 
Essa família também era divertida!!
Tenho muito orgulho do meu pai, por diversas razões.
Sempre o admirei, por exemplo, como profissional. Indiscutivelmente querido por todos, mantém até hoje as amizades que fez ao longo dos anos de trabalho. Honestidade, retidão de caráter e confiabilidade, são características incontestáveis.

Coisas da infância, que me lembram meu pai e a vida da gente:

1) jogos do Flamengo, na TV (aliás, no jogo de hoje, até agora o placar tá nos 5x1, pra gente. Acabo de ligar pra ele, pra comentar. A alegria é indisfarçável! Sempre foi assim!);

2) festas de Natal na Remmington - inesquecíveis!;

3) as montanhas em frente à casa dos meus pais - porque a gente sempre escalava, aos domingos; passava o dia lá em cima, com lanche que minha mãe fazia, e brincadeiras num riachinho que corria;

4) caminhar pela casa em cima dos pés dele;

5) as músicas que compunha num idioma próprio e que até hoje cantamos;

6) cabelo penteado pra frente, de franjinha, depois do banho, só pra gente rir;

7) ele cantando "Ô coisinha tão bonitinha do pai", pra mim;

8) dia de pagamento, porque ele fazia desenhos, figuras, enfeites, pirâmides, leques, disposições malucas e criativas, com todo o dinheiro, em cima da mesa;

9) o tchauzinho, da esquina, quando saía pra trabalhar;

10) servir damasco pra gente, repetindo sem parar: "frutas ácidas, meus filhos, frutas ácidas!";

11) ele cantando Geraldo Vandré - "Pra não dizer que não falei das flores";

12) ele nos dizendo que só era mesmo necessário haver uma vaga nos concursos públicos, porque não poderíamos mesmo ocupar mais de uma! - para nos incentivar à preparação para os exames (sempre deu certo!).

Enfim, tantas coisas agradáveis marcaram nossa infância e ainda nos fazem bem!
Que beleza!
Vida, saúde e sabedoria, meu pai!

Um bosque de outono

 
Robert Frost, num dos seus poemas: “Duas trilhas bifurcavam num bosque de outono, e eu, viajante solitário, triste por não poder andar por ambos, por longo tempo lá fiquei olhando até onde desapareciam na folhagem. Duas trilhas num bosque bifurcavam e eu – eu fui pela menos pisada, e isso fez toda a diferença”.

Projeto +Vida - América do Sul

A CBN e a Rádio Tupi, no Rio, têm divulgado o Projeto.
A idéia é que a gente participe desta "Páscoa revolucionária", amando de forma prática: doando vida.

A esta hora (18h50min), o cadastro já conta com 42911 doadores cadastrados, só no Brasil!

Cadastre-se!
De 1 a 16 de abril.
Hebe Camargo, no sábado dia 15, vai entrevistar o coordenador do Projeto. Por volta das 21h45min, no SBT.
E tenha uma Páscoa ainda mais feliz!

terça-feira, 11 de abril de 2006

Courtney Cox

 
A "Monica Geller-Bing", de Friends.

Comentário de final de expediente

"A semana começou ontem e hoje já é sexta-feira!"
Uêeeba!!!!

(Lei n. 5.010/66, Art.62, II)

Jujubas, vendedores, e sinal de trânsito

 
Eu sempre compro jujuba do moço que vende no sinal, quando estou indo pro trabalho.
Ele é de uma simpatia incrível! Simpático e respeitador. Sempre sorridente, usa um jaleco no qual deseja que tenhamos um bom dia e que Deus nos abençoe na nossa viagem.
Quando não está no sinal é porque está vendendo outras coisas na feira - foi o que me disse, quando eu falei que fico preocupada se não o vejo por ali.
Invariavelmente aperta minha mão, cumprimentando-me. Agradece "a força", recolhe as jujubas não vendidas para os outros motoristas, e volta pra conversar comigo e perguntar se tudo vai bem.
No Natal, distribuiu cartõezinhos pra gente. Mesmo pra quem não comprou nada durante o ano...
É um trabalhador.
Quando não tenho dinheiro trocado, compro mesmo assim e pago no dia seguinte. Ele diz que eu sou "de casa", e pronto.
Fico feliz em poder andar de vidro aberto, naquele sinal. E por sempre ganhar um "bom dia" tão sincero.

Um homem que percebe o perfume de uma mulher e, sussurrando, a deixa saber disso, sabe, definitivamente, encantá-la. E é preciso uma certa dose de brilho no olhar, nessa hora. Porque então...

Riso incontrolável

Sabe quando a gente começa a rir e não consegue parar? Ouvi dizer que nessa hora, se a gente pensar na vogal 'u', tudo se resolve.
Ah, tá! Dá próxima vez vou testar.
Novo comercial da Marisa. Du Moscovis.
(suspiros)
E pensar que ele sentava na arquibancada do Maraca, pertinho de mim, gritando MEEEEENGOOOOO!!!!

segunda-feira, 10 de abril de 2006

Sorriso escondido

 

Miau

Algumas mulheres deveriam ganhar prêmios todos os dias. Só por serem bacanas. Mesmo as mulheres que miam... (segundo Veríssimo, dessas Deus nos deveria livrar!)
Conheço uma delas. Doce, amável, guerreira, sempre presente, boa ouvinte, parceira. E mia.
Isso tudo é que faz dela alguma coisa, assim, especial. Eu lhe daria um prêmio todo dia! Especialmente pelas idéias que só ela tem! Ôoooo!
O que me vale é que bom humor é contagiante!

domingo, 9 de abril de 2006

 
18h10min - Fiquei tranqüilamente sentada na varanda, para que pudesse me despedir do sol...

"Poesia numa hora dessas?" (parte II)

"Deus nos livre da autoridade competente,
que com a incompetente ainda há diálogo." (Veríssimo)

No elevador

Já experimentou entrar no elevador, ficar de costas pra porta, olhar nos olhos de todo mundo e dizer: "não seria legal se o elevador quebrasse e a gente pudesse ficar aqui se conhecendo?" ????

Nunca pensou nisso? Ah...
Experimentaaaa! Experimentaaaa!
(na próxima parada, pelo menos metade do pessoal vai cair fora! repara só.)
Uma irritação tão recíproca, que foi melhor desligar o telefone.
Há quase três dias não falo com minha amiga. A mais querida, mais presente, a mais confidente há muitos anos.
Minha irmã já dizia que eu e A. vamos ficar velhinhas, sentadas num banco de praça, uma discutindo com a outra.
Hahahaha! Nós temos certeza disso!

Répétez, s'il vous plaît

Vou repetir, porque acordei pensando nisso.
Há duas coisas inegociáveis: princípios e confiança.

sábado, 8 de abril de 2006

Isso é outono!

 
Alguém me fez pensar nas folhas de outono, agora à tarde.
Lembrei, então de Leo Buscaglia, Educador, italiano, que dava aulas na Universidade da Califórnia do Sul, de uma disciplina chamada "Amor"(!) Muitas vezes reunia os alunos na sala de sua própria casa.
Em seu jardim, caíam as folhas das árvores; e como ele adorava folhas no chão, não se preocupava em retirá-las.
Havia uma vizinha, no entanto, que se queixava. E até se oferecia para retirá-las.
Leo não compreendia isso. Como poderiam incomodá-la tanto, suas folhas???
Até que teve uma idéia, para manter-se feliz e não mais agoniar a vizinha: chamou seus alunos e então recolheram as folhas, dispondo-as no chão de sua sala.
Sentaram-se, todos, em cima das folhas, e continuaram a estudar.
O barulho, o frescor e a alegria das folhas de outono agora estavam ali, em perfeita harmonia. E ninguém mais se queixou.

"Poesia numa hora dessas?"

"Deus nos livre da burrice dos outros,
que a nossa até que é simpática."
(Veríssimo)

Hohoho!!!
 

Nem tudo mudou

Hoje em dia nao chegam mais cartas pelo Correio;
chegam e-mails.

Ninguém telefona, quase, pra dizer que não vai ou não pôde ir;
passa um torpedo.

Há poucos álbuns de fotografias;
é tudo na tela do computador, um tal de "fotolog"/"flickr"...

Ainda bem que ainda não substituíram o toque na campainha de casa.

Abrir a porta pros amigos é algo tão simbólico, além de real...!

Sábado de manhã

Hummmm... vamos pensar: tem sensação mais agradável do aquela de sair, num sábado de manhã, ver o sol, velocípedes, crianças com bichinhos de estimação na rua, brincando, e já na esquina ouvir alguém te desejar "Bom dia!", com um sorriso no rosto?
É praticamente u'a manhã perfeita!

sexta-feira, 7 de abril de 2006

 
E então eu ouvi assim:
"eu sei que você tá muito triste... pode contar comigo; toma meu telefone... pode ligar pro que precisar."
Às vezes, o apoio, a compreensão, a cumplicidade, vêm de um jeito surpreendente!
Era sábado de manhã, eu ainda chorava muito, pela tristeza da notícia da manhã anterior, e foram as primeiras palavras que fizeram sentido na minha vida, logo depois que perdi meu amigo.

"Ó, tenha um bom fim de semana!"

Tem coisa mais gostosa do que chegar cansada, numa sexta-feira à noite, depois de um dia daqueles, no trabalho, e ouvir: "Ó, tenha um bom fim de semana!", do gari da sua rua?? Tem???
Os melhores desejos nem sempre vêm embrulhadinhos pra presente...
Estou fazendo um doce. Mousse de pêssego.
Vou levar pra A. e R., e pras crianças. Pra que eles não esqueçam que ainda há coisas doces, na vida...

"Toda verdade é provisória"

Quando fiz minha Pós, há uns seis anos, me especializei em Psicopedagogia. Dentre tantas coisas interessantíssimas, estudávamos também as idéias de Emília Ferreiro, psicolingüista argentina, que revolucionou a alfabetização, já em 1970, ao explicar como as crianças aprendem. Além de tudo, E.F. fez Doutorado, tendo como orientador Jean Piaget. (uau!!)

"Toda verdade é provisória", tem a ver com a idéia de que todo conhecimento é relativo; há uma incapacidade da inteligência humana de atingir o absoluto. Todo o processo de aprendizagem está sempre em construção (daí o termo "construtivismo").

"... A minha contribuição foi encontrar uma explicação segundo a qual, por trás da mão que pega o lápis,
dos olhos que olham, dos ouvidos que escutam,
há uma criança que pensa"
(Emília Ferreiro)

Como se estivéssemos lendo "Le Petit Prince", vamos imaginar que isso pode se aplicar aos adultos também...

Hoje é sexta-feira

 
Como diria o Sardenberg, "hoje é sexta-feira; semana praticamente encerrada!"
Bacana, isso!
O saldo é bom, desde segunda. É fundamental ter em mente que "tudo vale a pena, se a alma não é pequena." (Fernando Pessoa)

quinta-feira, 6 de abril de 2006

Amigos

 
É legal descobrir pessoas.
Conhecer as gentes; cultivar amizades.
Manter os amigos que a gente faz, pela vida, é como cuidar de um jardim. É preciso carinho, cuidado e atenção.
Hoje, V. fez aniversário. E como a gente nunca pode perder a oportunidade de dizer o quanto alguém é especial, liguei cedinho não só pra dar "parabéns!", mas pra reforçar, com palavras e carinho, essa idéia de "ser especial".

Concurso de bolos

G. deu uma idéia fantástica, hoje, lá no trabalho.
Vamos fazer um concurso de bolos, às terças-feiras. Meninos e meninas concorrendo. Todos têm que trazer; cada um no seu dia. Vale até bolo de caixinha, porque há certas gentes que nunca nem bateram uma clara em neve!
A gente nem sabe as regras, direito. Nem discutimos o prêmio. É que o que se quer, mesmo, é comer um bolinho, toda terça, que é dia de muito trabalho por lá. Só não vale comprar nem pedir pra mãe fazer! (Pfff! eu tava contando com isso!!)

José Saramago

"Se não sais de ti, não chegas a saber quem és... é necessário sair da ilha para ver a ilha, ...não nos vemos se não nos saímos de nós, Se não saímos de nós próprios, queres tu dizer, Não é a mesma coisa."

(Trecho de "O Conto da Ilha Desconhecida")

Sessão dupla, a partir desta segunda-feira, no Cinemaison. Às 18h e às 20h.
Teatro Maison de France.

quarta-feira, 5 de abril de 2006

Aos meus queridos amigos A., R., e filhas:
não fomos criados para isso; por isso sentimos tanto. Nada que se diga, nada que se escreva, é suficiente para aplacar a dor; mas é sempre bom saber que os amigos têm ombros e braços, para nos acolher nessas horas. Estou aqui.
Esta noite vai passar; e vai nascer, então, um dia lindo, que nunca poderá nos separar.
Sinto muito, mais essa perda...

Downtown

Eu costumava dizer que ele tinha o cangote mais bonito do meio jurídico, e a pele mais linda e dourada da JT.
Fazia meses que eu não o via. Até hoje.
Av. Almirante Barroso. Centro do Rio. Saiu do táxi na minha frente e deu de cara comigo. Sorrisos pra todos os lados, beijinhos e abraços. Constatei: H. continua tudo aquilo!

Tem gente que sabe

Lembra quando comentei, outro dia, sobre uma frase do tipo "pode confiar em mim" e o impacto que isso me causa?
Pois é... me diz agora se tem sensação mais gostosa: você passa um e-mail dizendo assim: "preciso falar com você" - só isso - e, em menos de 30 segundos, chega a resposta, assim mesmo, quase imediatamente, dizendo: "pode falar"... e deixa o número do telefone vermelho.
Nada melhor. Nada!
Tem gente que sabe despertar confiança.
 

Carequinha - despedida

"De um circo eu sou um palhaço
No rosto levo este traço
Para alegrar a multidão
Mas é tudo fantasia
É falsa a minha alegria
É tudo, tudo ilusão...
Ninguém sabe que em meu rosto
A tinta encobre um desgosto
Que vive a me atormentar
E pela luz da ribalta
Meu coração sente a falta
De quem não me soube amar"


Carequinha me fez rir e brincar muuuuito, na minha infância.
Mas esta, a última música do seu disco, sempre me fazia chorar. Eu imaginava a tristeza do palhaço.
Morreu hoje. Aos 90 anos, ainda fazia rir, crianças e adultos.
Acho que tocou o coração das pessoas.
Sua vida fez sentido.
 

terça-feira, 4 de abril de 2006

Era tudo o que eu queria...

Foi mais ou menos assim: cheguei, e mal ela apontou na porta, abriu um sorriso lindo, bracinhos abertos, e com olhinhos de quem pede um colo veio me abraçar.
Dei o colo, ganhei beijo, abracei, tudo ao mesmo tempo. E ela ficou ali, coladinha, me abraçando e sorrindo de leve, cabecinha deitada no meu ombro, por quase dez minutos, quietinha... A mãe, que conhece um filho de trás pra frente, me disse baixinho: "é assim que ela faz quando tá com saudade..."
L. ainda não tem dois anos, mas já sabe que o corpo fala. E que um abraço, assim, apertadinho, faz a gente ganhar a noite!

Maria, Maria

Ai... queria tanto saber de cor a letra de "Maria, Maria", do Milton!
Só sei uns pedaços. Que chato!
O marido, que era viajante, liga para casa para saber notícias, e sua filha atende:
- Oi, filha, como você está? - pergunta ele.
- Bem, papai.
- E sua mãe, cadê?
- A mamãe está lá em cima com o tio João.
- Tio João??? Mas você não tem nenhum tio João.
Então, na hora, ele percebe... e fala:
- Filha, vai lá e fala para a mamãe que o papai encostou o carro aqui na frente de casa!
- Tudo bem, papai. Eu já volto.
E depois de alguns minutos ela volta.
- Já disse, papai!
- E o que aconteceu, filha?
- A mamãe levantou correndo, escorregou no tapete e morreu, e o tio João foi pular na piscina para sair pelos fundos e esqueceu que o senhor tinha esvaziado a piscina e morreu!
- Nossa!!! Piscina!??? (silêncio...) Aí é do número 3555-3145?
- Não, diz a menina!
- Ah! Desculpe foi engano!

Emenda n.45

Dia 7 vou fazer um curso sobre "Reparos de danos moral e material decorrentes de acidente de trabalho", na Academia Brasileira de Letras. Vai ser tipo intensivão. Dia inteiro. Mas é um tema interessante, especialmente depois da Emenda n.45.
E agora vou parar de falar de trabalho, porque ninguém é de ferro. E quem tá aqui veio pra se distrair um pouco... ;o)

Almoço

Terça-feira é sempre um dia corrido, no trabalho. Às vezes nem almoço.
Mas hoje...
Minha mãe diria assim: "lavou a burra!", pra significar que comi pra caramba!!!
Tem gente que não gosta, mas eu adorei: couve-flor, abóbora, chuchu, alface, tomate, purê de batatas, um grelhado, cenoura.
Muuuuuito bom!

segunda-feira, 3 de abril de 2006

Promessa

Sabe aquela caixinha, que chamam de "pequenas promessas"? Pois é, não tenho nenhuma aqui... Então resolvi pegar "na fonte", direto.
Achei esta:
"Enfrente cada problema que aparecer, e se você temer a Deus pode esperar que Ele vai abençoá-lo." (Eclesiastes 7:18 - Versão: Bíblia Viva)

Gravata apertada / glaucoma

Ouvi na CBN, outro dia, que gravata apertada aumenta o risco de glaucoma, nos homens. O colarinho precisa permitir a passagem de um dedo de forma folgada, sabia?

A pesquisa concluiu que gravata apertada aumenta a pressão intraocular em até 70% das pessoas! E o aumento da pressão intraocular induz ao glaucoma, que, por sua vez, pode levar à cegueira.

O teste foi feito com 40 homens - 20 que já sofriam de glaucoma e 20 que não apresentavam nenhuma doença ocular. Os homens tiveram a pressão calculada em três situações: sem-gravata, com gravata corretamente ajustada, e com gravata apertada por três minutos.
Com a gravata apertada por 3 minutos, a pressão intraocular subiu 60% nos portadores de glaucoma, e mais de 70% nos demais. E a diferença (60% x 70%) é justificada, porque aqueles já se encontravam em tratamento da doença.

É claro que há outros fatores de risco, como idade acima de 40 anos, histórico da doença na família, diabetes e hipertensão arterial. Mas cuidar do nó da gravata passou, agora, a ser mais uma preocupação pros meninos de terno...

Amigos

A gente, às vezes, descobre uns amigos, assim, do nada, né?
Acho que no fundo, no fundo, estamos todos ligados. Sabe aquele lance de conhecer alguém porque é amigo de alguém que é teu amigo? Pois é. Conheci o P. assim. Uma corrente (totalmente virtual, porque ninguém ainda se viu pessoalmente), me levou até ele, ou o trouxe a mim, não importa.
As coisas que mais fazem sentido na vida às vezes parecem totalmente "non-sense"; grandes amigos pela internet é uma delas. Mas é assim que eu sinto. Como se já nos conhecêssemos faz tempo!
O que mais admiro nele? A alma, que abraça os amigos e que se comove com as mazelas sociais; o espírito guerreiro, de quem atravessa a cidade, estradas, buracos, enchentes e poeira, pra levar saúde a quem precisa, mesmo sem as devidas condições de trabalho; e o doce nome da sua profissão: "médico de família".

Hoje tem!!

 
E tá quase na hora.

Opera

Gosto muito mais de ver meu blog no Opera do que no Internet Explorer, sabia?
Quem quiser baixar, nem precisa desinstalar o IE. Você pode ter os dois, sem problemas. E vale!

domingo, 2 de abril de 2006

Madureira X Botafogo

... e o Madureira não podia ter feito pelo menos um golzinho???
O Botafogo saiu se sentindo... Como se pudesse!

Esse seu olhar, quando encontra o meu...

 
Falar nele, lembrei daquele dia na praia. Ele correndo, com monitor de freqüência cardíaca no peito, sunguinha preta, ombros largos, pernão, morenaço, pleno verão. Eu deitada, lendo. Foi uma troca de olhares, assim, sem disfarce. E os olhinhos de cá e de lá foram indo, indo, indo, até que se perderam, porque quem corre tem que olhar pra frente e quem lê tem que olhar pro livro (se bem que eu nem me importaria de largar a leitura...)
Tudo bem que ele já tinha me esquecido antes de chegar na Reserva; mas eu...
Agora me diga: o Recreio é ou não é a minha praia???

Cadê meu CD?????

Perdi meu CD do Vander Lee.
Já revirei a casa toda! Devo ter emprestado e não sei a quem (como sempre...).
Hoje é domingo e eu queria tanto ouvir "Subindo a ladeira"... A Elza Soares brinca e eu morro de rir.
"...sorriso de Marcos Palmeira" é tudo!

Se eu fosse...

Se eu fosse um mês, eu seria... dezembro
Se eu fosse um dia da semana, eu seria... quinta-feira
Se eu fosse uma hora do dia, seria... dez da manhã
Se eu fosse um planeta, seria... Saturno
Se eu fosse uma direção, seria... Norte
Se eu fosse um móvel, seria... um recamiê
Se eu fosse uma figura histórica, seria... Jesus, o Cristo
Se eu fosse um líquido, seria... um licor
Se eu fosse uma pedra, seria... ametista
Se eu fosse uma árvore, seria... mangueira
Se eu fosse uma flor, seria... um girassol
Se eu fosse um clima, seria... quente
Se eu fosse um instrumento musical, seria... violino
Se eu fosse um elemento, seria... fogo
Se eu fosse uma cor, seria... azul
Se eu fosse um bicho, seria... pantera
Se eu fosse um som, seria... o das ondas do mar
Se eu fosse uma música, seria... "Tarde em Itapoã"
Se eu fosse um estilo musical, seria... bossa nova
Se eu fosse um sentimento, seria... paz
Se eu fosse um livro, seria... um relicário
Se eu fosse uma comida, seria... pudim de leite condensado
Se eu fosse um lugar, seria... o mar
Se eu fosse um gosto, seria... agridoce
Se eu fosse um cheiro, seria... aquele que levanta da terra assim que começa a chover
Se eu fosse uma palavra, seria... paciência
Se eu fosse um verbo, seria... perdoar
Se eu fosse um objeto, seria... um porta-retratos
Se eu fosse um livro, seria escrito por... Leo Buscaglia
Se eu fosse uma parte do corpo, seria... a coluna vertebral
Se eu fosse uma expressão facial, seria... um sorriso
Se eu fosse um personagem de desenho animado, seria... Penélope
Se eu fosse um filme... "Sociedade dos Poetas Mortos"
Se eu fosse uma forma, seria... elipse
Se eu fosse um número, seria... 7
Se eu fosse uma estação, seria... Verão
Se eu fosse uma frase, seria.... "Não há bem que sempre dure nem mal que nunca se acabe..."

E você??
O que seria, se fosse...

sábado, 1 de abril de 2006

Álbum de família

Ouvi histórias tristes e lindas, hoje à tarde.
Tia V. resolveu abrir o álbum de família e me contou histórias encantadoras das minhas avós, da minha bisa e da minha tataravó.
Soube que minha tataravó, órfã aos 10 anos de idade, casou-se aos 12. Imagine...!
Mas o casamento deu certo, ela teve filhos, netos, e, de certo modo, pode-se dizer que foi feliz.
"Há duas maneiras de viver a vida: Uma, é como se nada fosse milagre. A outra, como se tudo fosse milagre."