terça-feira, 24 de março de 2015

Magra pensando magro

A gente estava conversando, outro dia, um grupo de amigas, e de repente, assim no meio de um papo sobre comer doces e tal, quando eu falava que aquelas tortas e doces elaborados que vendem nas padarias e docerias da vida não me atraem, e que um "bolo de bolo", ou um bolo de laranja, fofinho, sem cobertura, sem recheio, faz muito mais a minha cabeça, minha amiga L. me diz bem bonitinha: isso é porque você é uma magra que pensa magro.
Ah, gente!  Eu me senti!!

Uns dias depois eu me senti de novo - me senti gorda, porque quase comi um bolo inteiro, de milho, em casa. Era um bolo, caseiro, de milho com milharina, leite de coco, leite condensado... e eu precisava querer comer todo??

Como eu seria uma espécie de magra pensando gordo, decidi dividir com a vizinha; mas, por uma daquelas coincidências que só os deuses gourmet saberiam explicar, a vizinha também estava fazendo bolo, naquela tarde. Então, na verdade, eu não dei uma parte do meu bolo pra ela; nós trocamos quadradinhos. E no final das contas... em dois ou três dias eu comi um tabuleiro inteiro de bolo, de milho com milharina e de chocolate.

Se L. me visse, retiraria suas palavras...

Tá me condenando?? Pegue seu liquidificador e mãos à obra porque eu vou passar a receita, pra você. Acredite: vale a pena, essa gordice!!


Bolo de milho com milharina - liquidificador
Ingredientes
1 lata de leite condensado 
1 lata de milho com a água
1 vidro de leite de coco
1 xícara (chá) de óleo
1 xícara (chá) de açúcar (eu uso 2/3 xic. de açúcar e 1CS de mel)
10 colheres (sopa) de milharina (quando não tenho milharina suficiente, como já aconteceu uma vez, completo com maisena, tipo 8 CS de milharina e 2 de maisena)
1 colher (chá) fermento em pó
4 ovos


Como fazer
Bata todos os ingredientes no liquidificador. (Deixe para colocar o fermento no final; aprendi que mesmo no liquidificador a gente não deve colocar o fermento pra bater desde o começo, e há uma explicação química pra isso, mas não vem ao caso, no meio de uma receita...) [na verdade, eu é que não sei explicar direito, mesmo. Ahahaha!!]
Coloque em forma untada e polvilhada e leve ao forno pré-aquecido (180°C) por, aproximadamente, 45 minutos, ou até que esteja assada.


quinta-feira, 5 de março de 2015

Horários alterados

Há algumas semanas não durmo o tanto que preciso e o que durmo é bem menos do que gostaria.
Ter horas de sono em atraso me quebra. Assim como a sensação de fome...
Como rola no comercial, você não é você quando 'tá com fome. Nem com sono, é claro...
Espero dormir, neste fim de semana, sem pressa de acordar. E depois, comer uma coisas bem gostosas!

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

"Dia branco" ou dia cinza?

"Se você vier pro que der e vier
Comigo
Eu te prometo o sol
Se hoje o sol sair..."

E as cariocas gritam: "Nãaaaaaaaaaaaaaaaaaao!!! Eu só quero a chuva!! E que você a faça cair."
Isso sim seria uma prova de amor.

Gente, que calor é esse desde as sete horas da madrugada??? Afff!


quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Casca de melancia

A melancia, realmente, tá podendo! Depois de ser incluída no cardápio da Bela Gil para um churrasco vegetariano, agora vem num salpicão!! Olha isso!!

SALPICÃO DE CASCA DE MELANCIA
Ingredientes
5 xícaras (chá) de cascas de melancia ralada

Sal a gosto
300g de peito de frango desfiado
1 e ½ xícara (chá) de salsão picado
¼ xícara (chá) de cebola picada
2 colheres (sopa) de salsa picada
Suco de 1 limão
½ xícara (chá) de iogurte natural

Modo de Preparo
Ferva as cascas em água e sal até ficarem macias. Reserve. Depois de frio, misture com os demais ingredientes. Leve à geladeira por 1 hora e sirva.

Obs.: Você pode substituir o frango por atum (de lata, mesmo). Também dá certo.
E pra variar pode trocar a casca da melancia pela do melão. Funcona também.

Esta e outras receitas com cascas de frutas você AQUI.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Quantas horas tem o dia, afinal?

E acontece que às vezes o dia, que tem 24 horas, se encolhe num canto e fica miudinho, miudinho...

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Praia

Praia. A gente vai de um jeito e sempre volta melhor do que foi.

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Blog amado, amado blog.

Gosto da ideia de não ter desativado este blog.
Há alguns meses venho com a sensação de que os (meus) dias do Facebook estão meio contados. Talvez uma particular ideia de que aquilo está se tornando chato e repetitivo, cada vez mais com assuntos fora dos meus interesses - lamentações, críticas a tudo e a todos, até agressões, diretas e indiretas, fotos de cada segundo da (des)interessante vida alheia - não que sejam vidas desinteressantes, exatamente, mas é que não me interessa, realmente, acompanhar cada detalhe da vida de cada um daqueles tantos amigos que às vezes (o que é pior) você aceitou apenas por uma espécie de gentileza.

Com isto, comecei a pensar que talvez os blogs saiam daquele estado geral de inação em que se encontram - todas as pessoas legais que eu acompanhava, quase todas, abandonaram suas deliciosas escritas... Mas reparei que algumas estão voltando também... A Cris, a Lilica... E outras estão começando, como o pessoal do EntãoServe.

Aqui a gente tem liberdade maior pra escrever, e até sente vontade de ler o que outros escrevem! Aqui vem quem quer ler - embora sempre apareça alguém só pra bisbilhotar, é verdade (rs). Mas e daí??

As visitas, aqui, são mais intimistas, mais pessoais. Fiz grandes e queridos amigos, aqui neste lugar, recebi curiosos, e uma única vez fui agredida num dos meus posts, num comentário que mereceu ser despublicado. Um balanço fantástico para quem começou um blog numa espécie de fuga durante as horas de trabalho, e que se surpreendeu ao perceber que não falava sozinha!

Dos amigos que fiz, não me desfiz. Amigos no Rio, em São Paulo e em suas cidades, em Goiânia, Brasília, Lisboa, Porto, Carcavelos, Carvide... Alguns abracei pessoalmente; de outros, eu continuo no aguardo do dia em que haverá um abraço "na vida real".

Gosto da ideia de não ter desativado este blog.
Gosto, eu mesma, de reler escritos antigos, reviver emoções, rir de mim... e até já chorei lendo coisas do passado que ficaram aqui registradas.

Embora não consiga, ainda, restabelecer a rotina de escrever todos os dias e até várias vezes no mesmo dia, coisas que já fiz em outros tempos, saber que ainda posso abrir as páginas do mesmo livro e escrever novos capítulos da história me faz bem. Muito bem.

Por isso volto, aos poucos mas sempre, amado blog...
Por isso fico.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Alimentando o corpo e a alma, não necessariamente nessa ordem.

Em 2006 eu comecei a escrever umas coisas por aqui e assim, meio que por acaso, as pessoas foram chegando, ficando... e de repente estávamos construindo relações de amizade. Sobre essas amizades e sobre os encontros que aconteceram em pizzarias, cafés, pontos turísticos, praias, shoppings e até mesmo nas humildes residências da gente eu conto em outros dias. Hoje quero falar de uma coisa que eu comi, de uma escultura que vi e da livraria que conheci em Portugal, na época em que também encontrei, pela primeira vez, a "CCC" (esse lance da querida Custódia faz parte das outras histórias, e, aliás, é encantador).

Eu havia explorado só um pouco de Lisboa, mas estava em grupo e o roteiro nos levava para o Porto já no terceiro dia da viagem. Num passeio do tipo "citytour" vi uma escultura que despertou meu interesse, não apenas pela obra, mas pela localização também. Amor de Perdição estava ali, na calçada da Cadeia, e era uma referência ao romance de Camilo Castelo Branco, escritor português. Mas isso eu só descobri mais tarde. 

O "citytour" continuou pelas ruas do Porto, mas naquele mesmo dia voltei a pé, ao mesmo lugar, para entender um pouco mais aquilo tudo. Tribunal da Relação, Cadeia da Relação... E foi nessa hora que vi o nome da escultura: Amor de Perdição. Um casal abraçado, numa cena de amor, um Tribunal e uma Cadeia compondo o cenário. Que história era aquela? Ninguém pra contar...

Fui caminhando pelas ruas e seguindo para a Livraria mais charmosa do Porto. A Livraria Lello, na Rua das Carmelitas. Encantada com o visual, eu me entreguei, num primeiro momento, à sensação incrível de estar ali. Um edifício neogótico da arquitetura da cidade, com uma decoração encantadora, e escadarias meio mágicas, sei lá... tapete vermelho, uma iluminação vibrante, livros, livros, muitos livros, a lembrança do Real Gabinete Português de Leitura, no Rio de Janeiro... E só depois de recuperar a respiração comecei a folhear exemplares e a escolher o que eu levaria na bagagem. 


Separei Fernando Pessoa, é claro.
Um livro ilustrado ("Message"), com 44 poemas, edição em inglês, idioma em que o escritor foi educado na infância. Um livro lindo, uma obra reconhecida hoje como "fundamental da poesia portuguesa", escolhida para dar de presente àqueles dois pedacinhos de mim que foram morar no Canadá já faz quase oito anos...
Seria perfeito se quando estivéssemos em lugares tão legais pudéssemos teletransportar para lá nossos queridos, pra estarem com a gente. Eu levaria meus três sobrinhos, meus irmãos, seus respectivos "partners", meus pais, meus amigos... Acho que fecharíamos a livraria por umas horas, porque não caberia mais ninguém além de todos nós.


Achei por lá, nas estantes, "A alma não é pequena" - um livrinho com 100 poemas portugueses para SMS, que também coloquei na sacola. Divertido e doce, algumas vezes de gosto amargo, traz coisas do tipo: "Não trago nada e não acharei nada. / Tenho o cansaço antecipado do que não acharei, / E a saudade que sinto não é nem do passado nem do futuro...", trecho de um texto escrito por Álvaro de Campos num livro abandonado em viagem. O livro tinha tudo a ver, muito embora meu celular se recuse a entregar os SMS que eu envio. Mas em tempos de WhatsApp já não me aborreço com isso.

De repente, numa das prateleiras, vejo a bela edição de um livro que eu não conhecia e então as peças do quebra-cabeça, suspeitei, começavam a se juntar...


C. Castelo Branco não me pareceu ser um escritor do tipo "unanimidade", em Portugal, quando mais tarde conversei com alguns patrícios. Mas eu estava ali de turista e fiquei curiosa! A escultura que levava o nome de seu romance estava localizada em frente à Cadeia da Relação. Huuuummmm... a homenagem deveria guardar alguma relação com isso (... com seu perdão pelo jogo de palavras).

Uma rápida leitura da nota do editor e comecei a entender a história...
"O romance Amor de Perdição (a obra-prima de Camilo Castelo Branco) foi escrito na Cadeia da Relação do Porto (no edifício onde actualmente está instalado o Centro Português de Fotografia), para onde entrara em 1 de Outubro de 1860, por ser acusado no processo de um crime de adultério com D. Ana Plácido, movido pelo comerciante Manuel Pinheiro Alves, marido da referida senhora. O romance foi inspirado na trágica vida de um seu tio, Simão António Botelho, que dera entrada naquela mesma cadeia 55 anos antes, em 12 de Março de 1805. Ali folheou Camilo o livro das entradas no cárcere e das saídas para o degredo, onde facilmente descobriu o registo (sic) de seu tio. 'Escrevi o romance em quinze dias, os mais atormentados de minha vida. Tão horrorizada tenho deles a memória, que nunca mais abrirei o Amor de Perdição,...' (...)".

O manuscrito desse livro, diz o Editor (Augusto Pinto, Editora MEL), ainda pode ser "apreciado" no Brasil, no Real Gabinete Português!!!, e na página 7 da edição que eu trouxe há uma reprodução da página 196 do "precioso manuscrito". Hora de programar uma nova visita ao Real Gabinete. 

Já de volta ao Rio de Janeiro, descobri que Amor de Perdição virou novela em Portugal e até no Brasil, nos anos 60, transmitida, aqui, pela TV Cultura. 

Do romance, extraio estas poucas palavras, pra servir de "aperitivo" a quem não acompanhou a novela (ahahaha!!) e ficou curioso com a história:

"Não era muito que Tadeu de Albuquerque fosse enganado em coisas de amor e coração de mulher, cujas variantes são tantas e tão caprichosas, que eu não sei se alguma máxima pode ser-nos guia, a não ser esta: 'Em cada mulher, quatro mulheres incompreensíveis, pensando alternadamente como se hão de desmentir umas às outras'."

Depois de um bom tempo andando por entre tantos livros, com a alma alimentada, e curtindo muito toda aquela experiência, carregando na sacola meus três livros novos saí direto para o Café Majestic. Agora era o corpo que precisava de combustível. E a melhor rabanada do mundo me esperava... Sim. Eu sei o que estou dizendo: a melhor rabanada do mundo!
Meninos, eu fui. Fui, vi e comi!


#ficaadica

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Não quero falar de fim de ano

Espalhadas por aí mensagens de Happy New Year, e mil coisas boas como desejos a quem se quer bem. Tudo, passado o Natal, tem ares de Ano Novo. Gente correndo para comprar roupas desta ou daquela cor, fazendo dieta de cinco dias, antes que chegue o 31 de dezembro, pra então cair dentro das gordices de novo. 
Portanto, meus queridos, é cair no lugar comum falar de Ano Novo, resoluções, retrospectiva, e blá, blá, blá. 
Hoje eu queria falar de preguiça, porque hoje, francamente!, eu fui a preguiçosa mais patricinha do mundo. E a mais feliz!
Um dia inteiro, só pra comer salada, fazer as unhas e ficar de bobeira.
Não porque não houvesse nada pra fazer - quem me dera! - mas porque me achei no direito sagrado de reverenciar o ócio.

Tá lá no Priberam:
ócio 

s. m.

1. Vagar.

2. Folga.

3. Repouso.
4. Preguiça, mandriice.
5. Falta de trabalho.
6. Ocupação agradável em momentos de folga.

Tirando a "falta de trabalho", porque eu tenho um escritório inteiro pra organizar, um cesto cheio de roupas pra lavar, negociações pra fazer e sei lá mais o que, todas essas definições traduzem direitinho a minha jornada do dia 29 de dezembro de 2014.

Ao contrário do mundo inteiro, que tirou o dia pra correr daqui e dali, trocando presentes de Natal, indo ao mercado fazer compras para a Ceia de Ano Novo, arrumando a casa e fazendo tantas coisas importantes, eu só fiz três coisas importantes hoje: comi, dormi, e cuidei de mim.
E quer saber? Que dia produtivo!!





terça-feira, 19 de agosto de 2014

Trânsito, no Rio?

Chegar em casa antes das oito da noite, depois de ter trabalhado no Centro da cidade e ido ao dentista na zona oeste, ou seja, depois de atravessar esta cidade, que é um canteiro de obras de norte a sul, e de leste a oeste, é motivo para comemoração!! 
Acho até que eu vou pra rua, fazer isso... :)))

terça-feira, 12 de agosto de 2014

O dia em que ela nasceu...

Hoje ela completaria 78 anos (ou 76, pela Certidão), e era tão jovem, quando se foi, há quase dois anos... Parecia uma menina, na alegria de viver e com o motorzinho que tinha nas pernas. Ela me amava incondicional e incontestavelmente. E eu me pego sentindo a sua falta, vendo-a em rostos e corpos, com que cruzo nas ruas, lembrando de suas falas e risos em situações cotidianas e em momentos especiais...

Ela se foi depois de vencer cada uma das lutas que travou, em sua batalha contra um câncer que desafiou suas forças... até que, sem desistir, não resistiu.

E ao final de sua vida, como S. Paulo, ela pôde dizer: "Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé. Agora me está reservada a coroa da justiça, que o Senhor, justo Juiz, me dará naquele dia..."

Saudades eternas, Tia V. ... Minha tiazinha querida, minha segunda mãe.
RIP

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

E Robin Williams se foi...

‘Oh Captain, my Captain!’
Sinto uma dor estranha, uma espécie de tristeza por tudo isso...
A mensagem de sua primeira aula foi a inesquecível “Tornem suas vidas extraordinárias”, e o "Carpe Diem" era o recado diário, daquele professor de Literatura que, para além da ficção, nos contagiou para nunca mais ser esquecido...
“Vejam os rostos do passado, a semelhança com os jovens alunos atuais, o mesmo corte de cabelo, os mesmos sonhos, invencíveis como vocês! Tudo é maravilhoso. Acham que foram destinados a fazer coisas grandiosas, como muitos de vocês. Os olhos deles estão cheios de esperança, como vocês. Eles esperam ser tarde demais para fazer uma parte do que são capazes? Porque, rapazes, esses jovens atualmente estão mortos”
Carpe Diem! Tornem suas vidas extraordinárias!
RIP Robin Williams

"Todos temos uma grande necessidade de aceitação. Mas você deve acreditar que suas crenças são únicas, são suas, mesmo que os outros as achem estranhas, raras. Apesar do gado dizer: '- Isso é muuuuuuuuito ruim!'
Robert Frost disse: '- Duas estradas divergiam numa floresta e eu peguei a menos andada.' Isso fez uma grande diferença.
Quero que encontrem seu próprio jeito de andar. Agora. Seu próprio jeito de caminhar, andar. Em qualquer direção. O que você quiser. Cavalheiros, o pátio é de vocês. Não precisam interpretar. Façam para si mesmos."
"- Sr. Dalton? Vamos acompanhar?"
"- Estou exercitando o direito de não caminhar." - respondeu o Sr. Dalton.
"- Obrigado Sr. Dalton. Você acaba de ilustrar a idéia. Nadando contra a corrente."

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Que bagunça! É pau, é pedra, mas nem de longe é o fim do caminho!

Blog largado desde o meio da Copa (a melhor Copa de todos os tempos, marcada, ironicamente, por um tal de 7x1); vida pessoal dando cambalhotas, e a cada virada uma sonora risada - porque me recuso a chorar mesmo quando não existe outra opção. 

Quando tudo parece dar certo, nem sempre é isso; quando tudo falha, é hora de exercitar aquela parada da fé. 🎶🎶 "Fé na vida, fé, fé homem, fé no que virá. Nós podemos tudo, nós podemos mais. Vamos lá fazer o que será."🎶🎶
Fé em Deus, acima de tudo, porque o grande lance é este: "Viva a sua fé. E quando tudo falhar, ela o fará viver!".
Quinta-feira à noite. Dia de festa. Porque em menos de um minuto, quando tudo parecia perdido, a alegria veio de onde menos se esperava. Essa é a magia da vida. Acredite!


quinta-feira, 17 de julho de 2014

#VoltaPodolski

A dura realidade do Pós-Copa.
Acabou o milho, acabou a pipoca.
Flamengo muito bem, obrigada, no Campeonato Brasileiro; basta virar a tabela de cabeça pra baixo.
Acho que vou continuar falando sobre a Copa... porque nem mesmo aquele 7x1 foi capaz de nos deixar  na 20ª posição.
Valha-me!!

terça-feira, 8 de julho de 2014

Da série COPA DO MUNDO - 3ª edição (parte 16)

É muita gente falando a mesma coisa e não há como negar: esta é a Copa mais emocionante da história de todas as Copas

Você vai ver, se voltar e pensar nos jogos, que talvez uns três ou quatro tenham sido jogos mornos, sem muita emoção. Os do Japão, por exemplo, que decepcionou um bocado. Mas o que são três ou quatro no meio de 64 jogos??? Nadica de nada. Nadica! Jogos com emoção até o último minuto dos acréscimos, até o último segundo da prorrogação, até o último pênalti batido. Muita emoção. Já chamam, por aí, de "A Copa das Copas", e não são os brasileiros (mas também não devem ser os argentinos, "of course"! rs).

Estamos agora na reta final. Eu achei que poderia registrar aqui, com resenhas diárias de todos os jogos, mas foi uma Copa tão emocionante que eu mal pude parar pra escrever.

Hoje temos a primeira partida das semifinais, e aqui estão quatro das grandes feras do futebol mundial - Brasil, Alemanha, Holanda e Argentina. Brasil e Alemanha se enfrentam hoje e a piada que não pode faltar é que eu estou dividida, porque, para além de pesar, nessa hora, o lance do maridinho alemão, os caras vão jogar com a camisa rubronegra, e eu acho que vou me confundir.

O lado triste é que Neymar e seu sonho de criança foram interrompidos na última partida, contra a Colômbia, por conta de uma joelhada nas costas, que lhe rendeu uma fratura numa das vértebras. Zúñiga, o nome do mocinho, que pra galera virou bandido.

Agora, mais que nunca, é na raça, Brasil. Amarra o amor na chuteira, que a garra da torcida inteira vai junto com você, BRASIL !!


sábado, 5 de julho de 2014

Feliz Sábado!

Sábado. Dia mundial da alegria.

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Da série COPA DO MUNDO - 3ª edição (parte 15)

Quando a Copa vira zueira.

Marcadores:


domingo, 29 de junho de 2014

Da série COPA DO MUNDO - 3ª edição (parte 14)

Nos estádios ainda se canta o velho e já cansado  ♫♪ "Eu sou brasileiro, com muito orgulho, com muito amor..." ♪♫ e, vamos combinar, a emoção não rola como deveria. Eu sei que a música mais gostosa desta Copa é de uma instituição bancária, e a gente não quer ficar fazendo propaganda pra banco a essa altura do campeonato, mas fazer o que, se eles tiveram uma excelente sacada??

Em 1985 (eu não sabia o ano de cabeça mas fui pesquisar) também um banco, o Nacional, lançou u'a música linda que até hoje, no Natal, a gente canta. E ninguém morre por conta disso... Tudo bem que a letra do novo hit é grande, mas o brasileiro já cantou de cor Pra Frente Brasil, o Hino de 1970, decorou e não parou de cantar a maravilhosa Voa, canarinho, voa, de 1982, na voz de Junior, o "Capacete"... 

Enfim, se a gente se libertar das amarras, vai fazer soar nos estádios a gostosa música que foi pra TV como comercial do Banco Itaú mas que entrou na veia, e o resto que se exploda!
"MOSTRA TUA FORÇA, BRASIL!!"
Admita: A música é muito gostosa!! E o que faz valer ainda mais a pena: é do Jairzinho, gente!!!!



MOSTRA TUA FORÇA, BRASIL!

Vamos soltar o grito do peito
Deixar o coração no jeito
Que aí vem mais uma emoção

Vamos torcer e jogar todos juntos
Mostrar novamente pro mundo
Como se faz um campeão

Pois só a gente tem as cinco estrelas na alma verde amarela
E só a gente sabe emocionar cantando o hino "a cappella"
(PÁTRIA AMADA, BRASIL)

Mostra tua força Brasil
E amarra o amor na chuteira
Que a garra da torcida inteira
Vai junto com você Brasil

Mostra tua força Brasil
E faz da nação sua bandeira
Que a paixão da massa inteira
Vai junto com você Brasil

Mostra tua força Brasil
E amarra o amor na chuteira
Que a garra da torcida inteira
Vai junto com você Brasil

sábado, 28 de junho de 2014

Da série COPA DO MUNDO - 3ª edição (parte 13)

Oitavas de final. 
Mineirão.
Brasil x Chile.

Aplausos para o Chile.
A seleção do Chile, talvez a melhor de toda a história do futebol chileno, não apenas jogou bem; defendeu bem, fez bonito, botou pressão pra cima do Brasil e quase arrancou uma vitória no finalizinho da prorrogação. E quase acaba ali o sonho de 200 milhões de brasileiros. Que sufoco!

Amamos o futebol e curtimos a festa da Copa quando ela acontece em qualquer lugar do mundo. Imagina a sensação, vivida por muitos de nós pela primeira vez, de sediar uma Copa do Mundo e "correr o risco" de ser HEXA em casa!!
Um jogo emocionante, que terminou nos pênaltis, numa sequência de cobranças que testou a saúde e o coração de todos os brasileiros. 

Júlio César é meu querido - e continuaria sendo ainda que não tivesse feito um defesaço no segundo tempo e duas defesas espetaculares nos pênaltis - e foi ovacionado pela galera presente no estádio. Sua entrevista após o jogo arrancou lágrimas dos meus olhos e confesso que foi difícil parar de chorar... Meu coração rubronegro ficou orgulhoso!
Uma vitória sofrida, nos pênaltis, e decidida apenas na décima cobrança. 
Devo anotar que Sanchez é um tremendo jogador, mas é bem metidinho e exibido. Foi perfeito o Julio ter barrado o seu gol!




Enfim, o Brasil continua participando da festa e subiu o quarto degrau. Temos outros três, ainda, até que chegue o momento mais esperado, de beijar a taça.

E enquanto isso, em homenagem aos chatos de galocha, que ficavam com aquele papo de "Copa comprada", a imagem que começou a circular:





quinta-feira, 26 de junho de 2014

Da série COPA DO MUNDO - 3ª edição (parte 12)

De lá pra cá, ou seja, da vitória do "Tile" sobre a Espanha, aconteceu muita coisa no mundo do futebol, mais especificamente nesta Copa do Mundo, que está se revelando aquilo que sempre sonhamos: festa de alegria, congraçamento, dias de sol, nublados, e de chuva - agradando a gregos e troianos... um sucesso!

Enquanto isso, nos gramados, temos tido voos espetaculares, como o do Van Persie, mordidas no ombro (Suaréz, do Uruguay), Argentina tomando sufoco do Irã e da Nigéria, e Messi carregando o time inteiro nas costas; Itália voltando pra casa, Inglaterra se despedindo antes das oitavas, Espanha tomando um sacode atrás do outro, e a Costa Rica se classificando, no chamado "grupo da morte". Alta média de gols por partida, festa nos estádios, em um dos estádios uma comidinha estragada na conta da FIFA (ê, FIFA, ê... Cadê o tal "padrão FIFA"??), u'as manifestações aqui, outras ali, e uns delinquentes se fingindo de manifestantes dando um pouco de trabalho aos policiais. E o saldo, até agora, pode-se ver, é altamente positivo!

O trabalho, nos dias em que estou de casa, flui normalmente. Com intervalos intrajornada um pouco maiores, é claro, com cerca de DUAS HORAS CADA, para que eu possa acompanhar devidamente os shows de bola. Justo. Muito justo. Justíssimo. Em outros dias o intervalo é maior, para que eu possa me dirigir à Fan Fest, em Copacabana, porque, afinal, ninguém é de ferro. Nada mais justo, também.

Hoje tem Alemanha e EUA. E eu só tenho a dizer que espero, sinceramente, que Ballack-meu-bem tenha motivos para sorrir, ao final.
P.S. Já combinamos e eles vão usar o manto sagrado. Entrarão em campo com a camisa rubronegra.



quarta-feira, 25 de junho de 2014

Da série COPA DO MUNDO - 3ª edição (parte 11)

Era uma tarde bonita e a festa na rua já anunciava que seria uma noite incrível.
Minha admiração pelo povo chileno era maior que minha fascinação pelos espanhois. E eu já havia decidido que naquela tarde, mesmo que significasse um adeus à Espanha, na Copa do Mundo, eu torceria pelos sul-americanos. Sim, até porque, mundialmente, o futebol europeu é sempre aclamado e tal, enquanto os sul-americanos, tadinhos... os primos pobres, tadinhos...
Pois é. E foi assim. Um sul-americano mandou um europeu de volta pra casa. E isso tem sempre um gostinho especial, já que a gente fica sempre triste quando ouve que o futebol europeu é isso, aquilo, aquilo outro, e vê nossos jogadores indo embora pro continente europeu jogar a bola que nós tanto curtimos...
Não bastasse, não foi qualquer seleção... Foi a Espanha!
"Chi chi chi Le le le Viva Chile!!"


sábado, 21 de junho de 2014

Feliz Sábado!!!


Apesar do frio que você sentiu ontem, na tarde mais geladinha de 2014, o inverno começa, oficialmente, neste sábado, 21 de junho, às 7h51, horário de Brasília.
Tenha um sábado quentinho e feliz. Não confie em meias e cobertores. Faça o bem a alguém, aqueça algum coração, leve alimento a quem precisa. Você vai esquentar o seu dia e terá um sábado feliz!!

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Sem hipocrisia...

Eu gosto, sim, de feriados. Seja lá a que título for, se é feriado eu curto. Poxa, eu trabalho pra caramba, gasto muito a minha mente, dias comuns trabalho às vezes até onze horas da noite, e não vou ficar ansiosa pra curtir um feriado?
Não aguento esse pessoal que diz que feriado é um absurdo, e fica de bobeira na folga igual a quem assume que curte. Vá arrumar um serviço, então! Eu, hein! #prontofalei

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Espera aí fora.

Eu estava voltando da padaria e uma senhorinha sai da farmácia. Ela se abaixa e pega de volta, do chão, naquele degrauzinho entre a calçada e o piso das lojas, o cigarro que havia deixado ali antes de entrar. 
Sim! A ponta do cigarro estava pra fora do degrau e o outro lado, aquele que ela em seguida colocou de novo na boca, estava apoiado no chão, no chão onde a gente pisa. 
Pegou o cigarro de volta, colocou na boca e seguiu seu caminho. 
Oi??

Das coisas que me fazem levantar da cama

Rio de Janeiro. Copa do Mundo. Dia nublado. Feriado. Chove lá fora.
Só mesmo um sonho pra me fazer levantar da cama.
Sorte que a padaria é a dois quarteirões de casa... Dá pra ir e voltar sem perder o sono.
Caminha quentinha, minha querida, eu volto já.


quarta-feira, 18 de junho de 2014

Da série COPA DO MUNDO - 3ª edição (parte 10)

Foi uma quarta-feira de grandes emoções. Volto depois pra contar.


Marcadores:


terça-feira, 17 de junho de 2014

Shhhhhhhhhh...

"Às vezes incomodamos mais com o nosso silêncio, do que com a nossa impertinência."

Li isso há anos, naquela revistinha "Seleções - Reader's Digest". Nunca mais esqueci.
Às vezes sinto um incômodo; a lembrança forte dessa verdade.