segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Umas palavras, para além das imagens

Volto aqui porque, de repente, percebo que este blog está se tornando um pouco álbum de fotografias...
Confesso que tenho andado escrevendo muito, por trabalho - o que me faz perder um pouco a vontade de escrever por prazer. Isso é lastimável, porque os pensamentos continuam voando, a ideia de escrever sobre as coisas que vejo e que sinto continua viva, mas aquele bichinho da preguiça toma conta do meu corpo inteiro, e pronto. Não produzo nada, por aqui.

Hoje, mesmo, fui ao dentista. Acordei cedo e encarei o trânsito que me fez gastar uma hora e dez em um trecho de 15km. E vi tanta coisa sobre a qual eu queria escrever...

Quase chegando, ainda parada num sinal de trânsito, notei as árvores do Bosque da Barra. Naquele mesmo instante pensei em escrever este post. Não exatamente este. Eu queria escrever um post bacana, falando do sofrimento daquela vegetação, num sol que pouco depois das nove da manhã (horário de verão - o que significa tratar-se de oito e alguma coisa) já queimava em 32ºC.

Fiquei pensando no descaso das autoridades públicas...

Entre dezembro do ano passado e janeiro deste 2011, passei alguns dias no Canadá. Lá é inverno, nessa época do ano, e é incrível você passar pelas rodovias e encontrar as árvores enroladinhas em pano, como proteção contra a neve e o sal. Você sabe que eles usam sal para derreter a neve das estradas; e acontece que, se estiver ventando, o sal cai no chão mas também se espalha e atinge as árvores, o que não é saudável.

Você consegue imaginar uma Prefeitura preocupada com o frio que as árvores podem sentir? Um Governo que cuide das árvores porque sabe da importância disso? É claro que um Governo que cuida de árvores é um Governo que cuida, também, de suas crianças, dos pais delas, um Governo que cuida de seus doentes, que se preocupa com educação...

"A neve é uma realidade, lá!", você vai dizer. "Então, faz parte da cultura deles. Eles têm, realmente, de desenvolver mecanismos de proteção para tudo e para todos". Você vai dizer também que é por isso que os pontos de ônibus são "casinhas de vidro", com portinha de entrada, porque é preciso proteção contra o vento e contra a neve, no inverno... E eu vou concordar com tudo isso.

Mas aí eu pergunto: e nós? O sol de 40 graus não é a nossa realidade? O calor, o céu sem uma nuvem sequer, a ausência da brisa já às seis horas da manhã não é da nossa cultura?? E por que não se desenvolvem mecanismos de proteção?

Havia uma dezena de árvores queimadas, no Bosque da Barra, hoje de manhã. Eu vi. Que agonia... Centenas, milhares de folhas ressequidas, quebradas, árvores literalmente morrendo de calor. As folhas não estão mais verdes. Não é o caso de dizer que têm um tom alaranjado... não. Elas estão marrons. Queimadas. Você sente o calor que aquelas árvores estão sentindo, só de olhar pra elas. Estão morrendo de sede. Não chove há dias, no Rio. Não há um sistema de irrigação. Elas estão secas. Sedentas. Morrendo.

Segundo a Wikipédia, o "Bosque da Barra, oficialmente Parque Arruda Câmara, é um parque de 50 hectares situado na Barra da Tijuca, zona Oeste do município do Rio de Janeiro, no Brasil.
Uma das áreas verdes mais visitadas da região, conta com uma ampla estrutura de lazer, que contempla, às margens de um grande lago, trechos arborizados, alamedas, quadras de vôlei, campos de futebol, grandes gramados, playgrounds e churrasqueiras de pedra. Trata-se, portanto, de compartimento ecológico inscrito em uma região bastante urbanizada.
Na reserva, onde subsistem características originais de restinga com áreas arenosas, brejos e várzeas, podem ser encontradas espécies florísticas ameaçadas de extinção.
Localiza-se no quilômetro 6 da Avenida das Américas, na Barra da Tijuca."

No sítio do Instituto Iguaçu você também encontra uma descrição linda, do Parque, que, de longe, parece objeto de atenção do Poder Público. Mas se olhar mais de perto... sim, nem precisa ser tão perto. Basta passar um olhar de longe, de dentro do carro, do ônibus, do outro lado da rua. Você vai perceber que o descaso dos nossos Governantes não discrimina nenhuma espécie de vida.

Pense por uns poucos minutos nas árvores que o Governo Canadense aquece e protege, no seu rigoroso inverno. Você tem a imagem, na sua mente?
Agora pense nas árvores queimadas, secas e sedentas, no rigoroso verão brasileiro. Você tem a imagem? E alguém sabe dizer por que o nosso Governo não cuida disso??

...não me venha dizer que nos falta dinheiro!


Bem, eu tive vontade de escrever um post bacana sobre aquilo que eu estava vendo ali. Terminei chegando aqui e escrevendo essa amargura toda... Mas é que doeu muito. Muito mesmo.
O que eu vi hoje de manhã está acontecendo debaixo dos olhos da mesma Prefeitura que ali ao lado constroi a Cidade da Música, com seus quase 500 milhões de dinheiros, e que do outro lado "administra" o Hospital Lourenço Jorge, que não tem material, não tem médicos, em que pessoas morrem todo dia por falta de (ou mau) atendimento, omissão de socorro, blá, blá, blá... e que prometeu, menos de 24 horas depois do incêndio na Cidade do Samba, doar R$ 3.000.000,00 (isso! três milhões de reais) para "ajudar" a refazer o Carnaval dos irresponsáveis que não tinham seguro, numa área que é plástico e isopor puro!

Desculpem a amargura, mas a questão, realmente, não é falta de grana!

Happy Valentine's Day!!


Suponho que basta a imagem fofa!!

domingo, 6 de fevereiro de 2011