sábado, 31 de março de 2007

Como folhas de outono nas águas do rio...


Sol de Outono, Outono, Outono
Sol dourado, dourado, dourado
Folhas que caem, que caem, que caem
Leva-as o vento, o vento, o vento.

Uma folhinha que dança, que dança
O vento forte que sopra, que sopra,
Uma gotinha que pinga, que pinga
na cabecinha, ping, ping, ping

Sol de Outono
FELIZ SÁBADO!!

sexta-feira, 30 de março de 2007

O que importa é...

Transtorno Obsessivo Compulsivo - TOC

Entro em casa e dou de cara com a mesinha de centro. Nela, há três livros queridos meus: uma agenda com notas da vida, letras, e reprodução de anotações de próprio punho de Vinicius de Moraes; um livro de poemas do mesmo Vinicius; e outra agenda, naqueles mesmos moldes, só que do Chico Buarque de Holanda.

Acontece que a menina que trabalhava aqui até o meio do ano passado limpava a mesa e arrumava os livros do jeito que ela queria. Eu chegava em casa, dava de cara com aquilo, e nem sequer tirava os sapatos, a bolsa, processos ainda na mão, eu ía direto lá, me abaixava, e arrumava do meu jeito. Eu nunca pedi que colocasse do meu jeito, mas também nunca deixei do jeito dela.
nota: ela não foi embora por conta disso, ok? rs*


Agora é a N.
Desde agosto.
Na primeira semana minha mãe disse pra ela:
- Olha, está vendo esses livros? Pois quando ela chega em casa, a primeira coisa que faz é arrumá-los desse jeito aqui, ó. - e mostrou.
Você acha que adiantou??

A propósito, você percebeu a diferença já na primeira seqüência de fotos ou foi preciso olhar a foto com zoom? Por favor, admita que foi só na segunda seqüência. Pelo bem das empregadas domésticas!

Cheguei a pensar que elas fazem isso pra me tirar do sério, ou que há algum psiquiatra fazendo alguma experimentação comigo sem que eu saiba. Cheguei a pensar que o cérebro delas não registra esse tipo de detalhe. Seria isso?? Foi a possibilidade mais forte. Mas eu concluí que elas me testam, mesmo. Só pode ser um teste. Um plano. Alguma tramóia, como diria o tio I. Devem ter feito até aposta. E to-dos-os-di-as eu preciso reorganizar meus livros - disposição e simetria.

Minha mãe já me disse e eu aceitei: é exigir demais delas. Concordei, e nem ouso pedir que N. faça do meu jeito. Minha mamãezinha já fez isso, no começo, lembra? Veio aqui só pra isso, imagine... E eu acho mesmo que ela, a N., não vai entender nada; não vai ver diferença. Não viu antes, vai ver agora??
E é aí que eu concluo que o problema não está nas meninas que trabalham aqui...
Isso é TOC. Só pode ser!!


"TOC é um transtorno de ansiedade caracterizado por pensamentos obsessivos. Estes pensamentos são idéias persistentes, impulsos ou imagens que ocorrem de forma invasiva na mente da pessoa, gerando muita ansiedade e angústia.

A pessoa portadora de TOC tenta ignorá-los ou eliminá-los através de ações que são intencionais e repetitivas. Geralmente reconhece que seu comportamento é excessivo ou que não há muita razão para fazê-lo.

As obsessões ou compulsões acarretam grande estresse, consomem tempo (mais de uma hora por dia) ou interferem bastante na rotina normal, no trabalho ou nas atividades sociais e relacionamentos interpessoais. "


Vamos!, comecem a me dar razões para eu acreditar que estou errada. Não é TOC. Não-é-toc!!!!
Afinal, não é exatamente uma ansiedade, nem a angústia de ver Chico e Vina olhando para a parede em vez de estarem olhando para quem está no sofá é assim tão imensa - ela dura 40 segundos: o tempo entre abrir a porta e me dirigir à mesinha; eu não tento ignorar essa minha necessidade de manter simetria e disposição correta. Não é excessivo. Eu acho bem normal querer a decoração da sua casa do seu jeito. Não fico estressada (ou fico?? acho que fico, naqueles 40 segundos...), mas em compensação, isso nunca tomou mais que 40 segundos do meu dia, que tem 24 horas! Isso também não interfere nos meus relacionamentos, não afeta minha rotina, meu trabalho, minhas atividades sociais (mas se vier visita eu sempre dou uma conferida pra ver se os olhos do Chico estarão voltados pro sofá, é verdade...).

Afinal, é ou não é?
Deixe-me ir ali conferir (os livros).

quinta-feira, 29 de março de 2007

Jogo dos erros

Você é capaz de perceber alguma diferença entre as duas fotos?
Sim?
Não??






E agora, com a aproximação??




Responda, por favor: você notou ou não alguma diferença?
Porque essa idéia de que eu tenho TOC já está ficando muito evidente...

Imagina...

Cristo Redentor, o Coliseu, a Muralha da China, Machu Picchu, as Pirâmides do Egito, o Taj Mahal, a Torre Eiffel, a Estátua da Liberdade... Qual é a nova maravilha do mundo?
Você já sabe da eleição, de repente até já votou. Até a turma de Portugal já se mobilizou.
E então, surge a brilhante idéia daqueles que são "um modelo" para os cidadãos:

Câmara dos Deputados, em Brasília, tem urnas para votação.
"A idéia é atingir o Brasil por meio dos representantes da população que estão aqui no Congresso. Essa estação será um pólo multiplicador de votos."
Eles acham mesmo?

Urna no Congresso? Ai, ai, ai... Quem vai apurar??? O mesmo pessoal do painel eletrônico?? "Pólo multiplicador" de quê, mesmo? Sei...

Entre cunhadas e concunhadas


Quarta-feira.
De meio-dia e meia às duas da tarde,
um almoço leve, divertido, e regado a risos;
discussões curiosas sobre as diferenças entre as gentes;
um brinde ao nosso encontro, aos vistos, aos passaportes, ao Canadá, às próximas viagens, a Portugal...
E comemos muito bem, obrigada!



Às vezes sinto um aperto no coração quando penso que meu irmão, minha cunhada e meus sobrinhos estão imigrando e que a viagem já é em junho! E de repente tenho vontade que esse dia chegue logo, para que eles iniciem essa nova fase, que curtam novas amizades, novos horizontes, que explorem lugares não conhecidos, que o V. passeie muito de trem pela Europa, porque ele adora trens, que a L. seja aquela mocinha morena trilíngüe etc. etc. etc. Teremos todos tanto a aprender!

quarta-feira, 28 de março de 2007

Não é?

"Chegou bem, amorzinho?"

Isso não é muito fofo?

Outono no Rio

Outono no Rio
Ed Motta e Ronaldo Bastos

Me dê a mão / Vai amanhecer / Juntos pela madrugada / Luz, contra-luz / Sobre os Dois Irmãos / Pra mim

Há um lugar para ser feliz / Além de abril em Paris / Outono, outono no Rio

No seu olhar / Já se fez manhã / Vamos logo a Guanabara / Vai se fechar / Vou levar você / Pra mim

terça-feira, 27 de março de 2007

Pequena Miss Sunshine


Eu ri
e chorei;
e chorei de rir;
emoção e gargalhadas.
Tudo na medida certa.
Aquele abraço, no irmão; o diálogo, no hotel, com o "grandpa"; a cara de todos eles, na grande apresentação; o Policial... Tudo, tudo perfeito! Grande noite!

Sonhando ser forte

23 de março de 2007.
Sexta-feira.
Duas horas da tarde.
Pego o carro e atravesso toda a Presidente Vargas, com destino à Vila Isabel, terra de Noel, Nélida Piñon e Milton Temer. No caminho, penso que serei forte todo o tempo. Estou certa de que sou a pessoa certa para fazer o que era preciso ser feito. Estou segura de mim.

Trânsito tranqüilo, chego ao meu destino minutos depois. Estaciono o carro em uma rua próxima, prendo os cabelos num rabo-de-cavalo - penso que assim tenho mais mobilidade - ponho os óculos escuros, e caminho rápido, determinada.

Subo a pequena rua de paralelepípedos num impulso, e páro na Portaria, para as informações. Percebo que minha voz sai mais grave, mais pausada e mais baixa do que o comum. Não entendo. Não é proposital nem posso controlar. Gentil e educado, o segurança faz duas ou três perguntas e ainda com firmeza na voz, grave e pausada, eu consigo responder. Mas ele já se compadece de mim, não sei como. Toca nos meus ombros e me aponta o caminho para o elevador, num sorriso singelo de quem deseja o bem.

Meus passos, já não mais tão largos, já não tão firmes, me levam ao 3º andar. Muitas portas. Respiro fundo, porque já um pouco aturdida, e abro uma delas. Com a mesma voz pausada e respiração forte, peço para falar e me apresento. Enquanto me anunciam, por telefone, fixo meus olhos no teto, na vã tentativa de desafiar com êxito a lei da gravidade. Inspiro e expiro lentamente, duas ou três vezes, na intenção de controlar a emoção e acalmar meu coração. Mas as lágrimas já escorrem dos meus olhos.

- Está tudo bem? - a bondosa atendente me pergunta, sem que eu consiga responder. Tive medo de não conseguir falar, e então nem experimentei as palavras.
A moça levanta-se depressa, e quase num abraço, daqueles que se oferece a quem padece, pergunta se eu quero um copo d'água. Respondo que sim com um breve movimento, ainda sem nada dizer, e ela me conduz, atenciosamente, à sala, servindo-me, em seguida, um copo com água.

Ali, sentada, tendo de me apresentar e dizer o porquê da minha presença, foi impossível conter as lágrimas. Chorei contida e profundamente. Mas havia um clima de ternura e aconchego, enquanto eu era atendida calma e delicadamente, o que me deu um relativo conforto.
Depois subi ao 4º andar, estendendo minha estada, ali, por mais alguns instantes. Infindáveis.

Não permaneci naquele lugar mais do que trinta minutos...
Tempo suficiente para confirmar que eu era mesmo a única pessoa que poderia cuidar de tudo isso, neste momento; mas, paralelamente... a certeza de que não há como ser forte quando se caminha pelos corredores daquele hospital, e se vê a cantina onde comprei o lanche para ela e para os seus pais, e a sala de quimioterapia, e a porta do consultório do Dr.Rodrigo, e a luta de tantas outras mulheres que buscam a cura para essa maldita doença.

Em meio às lágrimas, desci as escadas, caminhei novamente pelos paralelepípedos, olhei para cima, para a janela do corredor onde ficamos sentadas no dia daquela consulta, senti uma dor pungente, passei pelo segurança, agradeci; consternado, ele acenou, e eu segui.

A espera pelo sinal verde, a travessia da rua, o posto de gasolina e a lojinha onde comprei "Gatorade" pra ela, o percurso até o carro que, curiosamente, estava parado no mesmo lugar em que havíamos parado naquele 31 de janeiro, e só agora eu me dava conta disso, tudo fazia pesar minhas pernas, molhar os meus olhos, doer meu coração.

Meu amor por todos da sua família ainda me fará voltar lá esta semana e quantas vezes mais seja preciso, por mais que eu não seja forte como imaginei que pudesse ser. Porque, afinal, é imensamente cruel para o coração de pai e de mãe ter de reviver as últimas cenas do maior sofrimento da sua vida.

Estarei pronta. Como disse Paulo, na sua segunda carta aos Coríntios (cap.12, verso 10), "Porque quando sou fraco, então é que me faço forte."

Série TDB - E o grande vencedor é ele mesmo!!!

Du Moscovis.
Para os menos íntimos, Eduardo Moscovis.
O mais-mais-mais Tudo De Bom, na nossa opinião.
Quando uma imagem diz mais do que mil palavras, a gente usa três e economiza logo mais de três mil!




segunda-feira, 26 de março de 2007

Já votou??

Não tem graça não... Pode parar de rir...

Esta noite sonhei que entravam dois homens pela janela do meu quarto e levavam todos os meus sapatos. TO-DAS-as-cai-xas com meus sapatinhos e sandalinhas. E saíam pela janela mesmo.

Kyka casou

Mas é preciso muuuuito amor para trocar um jogo do Fla x Vas por uma cerimônia de casamento, especialmente se você não é o noivo ou a noiva...

Você sabe que eu tenho um problema com essa coisa de ir a casamentos. Mas desta vez juntava a amizade, a grande amizade, e o lance das músicas. Então fui. Na metade da música que encerrava a cerimônia, sai o terceiro gol do Vasco. Rimos, todos. Inevitável. Ainda mais por lembrar que, antes de tudo começar, o próprio Reverendo havia relembrado aquele comercial de um casamento onde um dos convidados estava ouvindo o jogo, no mp3, e de repente dava um grito de "Goooooooolll!!!!"
No casamento de ontem, o noivo era vascaíno, e a noiva, flamengo. O Vasco venceu no gramado. Mas no final da cerimônia a gente cantou foi mesmo o Hino do Mengão!!! Ê, torcida mais besta!


K. e M., na troca das alianças

Kyka, que Deus abençoe você e seu maridex, valeu?

domingo, 25 de março de 2007

Filmes e pipocas

Recebi um e-mail, há pouco, me recomendando um filme australiano, com estréia marcada para sexta-feira, dia 30. "O Segredo". Quem me indica, diz que se eu só puder ver um único filme este ano devo assistir esse.

O "Espaço Rio Design", na Barra, que sempre foi um cinema alternativo e tranqüilo, sem aquelas filas gigantescas, com exibição de filmes franceses, espanhóis, não-hollywoodianos, não exibiu "Pequena Miss Sunshine"... Acabo de ligar para saber sobre "O Segredo" e só na quarta-feira eles podem dizer que sim ou que não. Os filmes atualmente em cartaz são: "A Pele", "Borat...", "Maria Antonieta" e "Scoop - o Grande Furo", além do "Curta Petrobras às Seis" - com exibições gratuitas. Afora o lance da Petrobras, caramba!, são tão comerciais!!

Parece que só nos resta o "Barra Point", como espaço-mais-ou-menos-alternativo. Ou encarar o trânsito terrível de Botafogo.

Enquanto tento ver "Pequena Miss Sunshine" e "O Segredo", vou comendo pipocas por aqui mesmo.

Série TDB - nova temporada

A série TDB teve quatro episódios, até hoje:
N.1
N.2
N.3
N.4

Antes da estréia da nova temporada, a produção do blogdasuzi vai reprisar o episódio mais votado, numa nova versão.
A votação está aberta e a reprise vai ao ar na próxima terça-feira.
Escolha o seu TDB preferido!

sábado, 24 de março de 2007

Suzi, Taia, Taio, Nina

Tardezinha de sábado, comecinho de noite.
A alegria bate à porta.
Aquelas bochechinhas rosadas chegavam, acompanhadas daquele rubro-negro praticamente italiano (piadinha interna, essa do "praticamente italiano").

Uma cassata de abacaxi feita às duas e tal da tarde e que não deu tempo de endurecer o suficiente, um Clight de tangerina, porque, afinal, não quero voltar aos 47kg, muitas histórias contadas, risos fáceis e abraços calorosos.

Por mim ficavam pra pizza e pra votação do BBB. Se bem que, se eu perdi o Bial falando "Rala, cowboy!", eu perdi o que de melhor já houve nesse tal de Big Brother em todos os tempos

Depois que eles saíram, a Nina latiu.
E lá se foram, a Taia e o Taio, sem dizer tchau pro au-au...
Então, meninos, lá vai a foto, pra vocês dois matarem a saudade!

E muito compenetrada, a menina escrevia, do seu jeito:


FELIZ SÁBADO!!

sexta-feira, 23 de março de 2007

O verde no meio do cinza

O bom de morar aqui é o tanto de verde que me cerca. Hoje resolvi observar - e fotografar - as ruas, no caminho de volta pra casa.

O trânsito geralmente nos distrai, ou talvez, melhor dizendo, não nos deixa distrair. O que sei é que atravessamos as ruas, dirigimos nosso carro, andamos por aí muito preocupados com sinais de trânsito, engarrafamentos, pedestres, motos e bicicletas, que mal temos tempo de ver o tanto de verde que vai margeando as estradas, na cidade.



Uma seqüência de fotos - de baixa qualidade, infelizmente, porque, pra variar, eu estava dirigindo.

O céu estava demasiadamente branco, hoje. Um dia nublado mas com muito brilho no céu, razão a mais para a baixa qualidade das fotos. Além disso, todas as fotos foram tiradas por trás do pára-brisa.



... mas dá para captar a idéia: há muito mais verde e beleza a nossa volta do que cinza no asfalto e nas paredes.



Experimente caminhar olhando para cima e você vai ver a copa das árvores, os tons diferentes de verde, vai encontrar flores e até ouvir pássaros. Acredite: você vai até ouvir o cantar dos pássaros...



Experimente. Seu sábado será mais feliz. E os dias de feira também.


*Plante uma boa semente / Numa terra condizente, que a semente dá / Pegue, regue bem a planta / Que nem praga não adianta / Ela vai vingar / Planta é como o sentimento / Tem o seu momento / Tem o seu lugar

Regue bem seu sentimento / Porque rega no momento / Não pode faltar / Gente também é semente / Tem que estar contente / Tem que respirar

Plante uma cidade toda / Ponha gente em seu contorno / E a vida a rodar / Dia-a-dia é corrosivo / E de tudo que está vivo / Se deve cuidar / Planta sem sol e o vento / Dentro do cimento é bom nem pensar

Regue bem seu sentimento / Porque rega no momento / Não pode faltar / Gente também é semente / Tem que estar contente / Tem que respirar



Feliz Sábado!!

Bom domingo!!
Boa segunda!
Uma terça feliz!
Quarta-feira de alegria!
Uma quinta divertida!
Boa sexta de preparação para um outro...


...Sábado feliz!!!!





* Vinicius de Moraes e Toquinho - "Planta Baixa"

Abstração, formulação de hipóteses, soluções...

Tomando como ponto de partida um texto do M.Gehringer, vamos falar sobre abstração, agora pela manhã.

Abstrato - É muito comum a gente ouvir pessoas empregando palavras com as quais não estão lá muito familiarizadas, para descrever situações corriqueiras. E o resultado é quase sempre uma derrapada verbal do tipo "distrair um dente", "assustar um cheque", ou "tem que ter um chamarisco para o cliente". Quem ouvisse a frase "abstrair um dinheiro do banco" provavelmente a colocaria nessa mesma categoria, mas ela é correta: "abstrair", do latim abstrahere, significa "sacar" ou "puxar para fora" (o mesmo sentido de "sacar uma arma").

A pintura "abstrata" - isto é, "abstraída" - surgiu quando alguns artistas resolveram escapar das amarras da pintura clássica e pintar, não um objeto, mas a maneira como eles percebiam esse objeto. Em empresas, uma boa "sacada" (sinônimo de "abstração") é aquela que foge ao lugar-comum das decisões rotineiras. Já "capacidade de abstração" é uma expressão diretamente relacionada ao intelecto. Pessoas - ou povos inteiros - com baixa capacidade de abstração têm dificuldade para entender o que não está dito claramente. Por exemplo, uma bula de remédio indicando um comprimido três vezes ao dia. Elas levam algum tempo pensando em como vão tomar o mesmo comprimido três vezes, até sacar que são três comprimidos.

Lembro que quando estudei a teoria de desenvolvimento, de Jean Piaget, aprendi que são quatro, as fases de transição: Períodos Sensório-motor (0 – 2 anos); Pré-operatório ( 2 – 7/8 anos); Operatório-concreto ( 8 – 11 anos); Operatório-formal (8 – 14 anos). Lembro perfeitamente de ter estudado que nem toda pessoa, mesmo ultrapassando os 14 anos, consegue chegar à fase da abstração reflexionante. Uma fase em que se é capaz de pensar com lógica, formular hipóteses e procurar soluções, sem que precise depender mais só da observação da realidade.

Esse é o ponto.

quinta-feira, 22 de março de 2007

Bom dia!!

** Dia Mundial da Água. Hoje. Economize água. Sempre. Mas não deixe de tomar banho, tá?

** Mengão já garantiu, matematicamente, sua vaga na próxima fase da Libertadores. O Souza é movido a vaia??

** Nas Cataratas do Iguaçu Maria Bethânia e o Balé do Teatro Guaíra vão apresentar um espetáculo sobre a água.

** Romário não marcou nenhum contra o Gama. Mas bateu uma na trave.

** Disse que às vezes sinto falta de estar apaixonada. E-mail recebido: "se apaixone por mim!"

** Dia Mundial da Água. É sério. O Brasil tem o maior rio do mundo, as maiores reservas hídricas, tem mais de 13% da água do planeta Terra e tals, mas é preciso economizar. Ter consciência. Uso racional. Chega de usar água tratada para lavar carros, molhar plantas. Feche o chuveiro enquanto se ensaboa. Feche a torneira enquanto escova os dentes. Abra os olhos.

quarta-feira, 21 de março de 2007

Dietas e balanças

De repente, amanheci na segunda-feira decidida a começar uma dieta, na terça. Teve festa no trabalho, havia bolo e salgadinhos. O regime ficou pra quarta. Mas acontece que ontem à noite eu me pesei e já havia perdido o quilo que eu queria emagrecer. A balança já voltou a marcar 46kg. Só de pensar em dieta eu já emagreço.
Moooorra de inveja!!



este post só não vale pra Mônica,
que ainda é melhor do que eu, nessa coisa de dieta

O que tinha de ser

Você não precisa estar apaixonado(a) para amar Vinicius de Moraes.
Só precisa ter sentimento. Só precisa ter coração.
Porque se a poesia do Vinicius não é a sua música, hoje,
será amanhã, se não foi ontem.



O QUE TINHA DE SER
(Vinicius e Tom)

Porque foste na vida
A última esperança
Encontrar-te me fez criança
Porque já eras meu
Sem eu saber sequer
Porque és o meu homem
E eu tua mulher

Porque tu me chegaste
Sem me dizer que vinhas
E tuas mãos foram minhas com calma
Porque foste em minh'alma
Como um amanhecer
Porque foste o que tinha de ser

terça-feira, 20 de março de 2007

Boas-vindas ao outono, às 21h07min

Uma terça-feira qualquer do ano. Não exatamente... É a terça-feira que dá adeus ao verão e recebe o outono, a mais harmoniosa das estações. Eu acho. No outono não há excessos - nem de calor nem de frio, nem de cor nem de apatia. No outono há um frescor, um barulho e uma alegria diferentes. No outono a gente se senta debaixo das árvores pra ver as folhas caírem, e é gostoso pensar. Despretensiosamente, pensar.
Eu acho que o coração pede uma pausa, no outono. Menos movimento, mais paciência; menos vibração e mais intensidade; um pouco menos de confluência, um pouco mais de calma; menos artimanhas, mais manhas...

O trânsito nem estava ruim, hoje, na volta do trabalho. Eu escolhi uma rádio carioca, pouco ouvida, para fechar minha tarde. Rádio Roquete Pinto, uma emissora do governo do estado. O programa era algo do tipo "as melhores melodias de todos os tempos". Música clássica. Parece que eu senti o verão indo embora e o prenúncio do outono... Aquela música foi tomando conta de mim e de repente as lágrimas estavam escorrendo pela minha face. Que estação é essa, que mexe comigo??
...e de repente senti falta das coisas e das gentes que eu não tenho ou não tenho mais. Eu me senti péssima e maravilhosamente bem ao mesmo tempo. Muito mais péssima do que maravilhosamente bem. Um misto dessas duas coisas, num equilíbrio meio desequilibrado. Não sei o que é isso... Mas enquanto eu dirigia, minhas idéias nasciam, cresciam, voavam... Senti uma dor, lembrando de dores que já senti antes. Perguntei "por quê?" Respondi, eu mesma. Permaneci sem entender. E lágrimas continuavam caindo, lenta e inabalavelmente.
E continuam.


Alguém confirma??



É isso mesmo?
George Clooney e Reese Witherspoon?
Ah, não!!

Se não fosse o maridinho alemão, eu diria que esse menino precisa me conhecer...

segunda-feira, 19 de março de 2007

Classificados


No céu ou no campo, o azul sabe me dar alegria!

É uma visão maravilhosa, depois de um dia de intenso trabalho!

Seis horas da tarde... ou da noite...

... e não mudou muita coisa, na pilha de papel e de processos.
Ainda estou aqui. E é só o começo da semana!

Depois da vida boa no sábado e no domingo...

...lá vem a segunda-feira.


sábado, 17 de março de 2007

O tempo passa...

Um ano depois...


"...saudades de você / é somente o que eu sinto..."


sexta-feira, 16 de março de 2007

Fresquinha...


Cheiro de terra molhada!!!!
Pensei: vem chuva.
E veio.

Enigmas

Não se pode tocar no assunto que ele volta...

Quinta-feira, 22h.
Eu na rua.
Mensagem no celular.
Eu leio.
Eu respondo.
Ele lê.
Ele responde.
Eu... silêncio.


- Preciso falar com você, Suzi.
- Algum problema, é isso?
- Não. Acho que não. Só preciso saber se ainda é cedo.

Silêncio.

quinta-feira, 15 de março de 2007

Veríssimo

Há algum tempo eu postei, por partes, este divertido poema.
E aí, quando eu me deparo com a burrice dos outros, como hoje, eu sempre lembro dos versos do Veríssimo...



Deus Nos Livre - Luis Fernando Veríssimo

Deus nos livre da doença, da miséria,
do escapamento radioativo e das pessoas que
cutucam e dizem "Hein? Hein?".
Deus nos livre do pós-modernismo e da fome.
Deus nos livre de todos os "ismos".
Em especial do botulismo.
Deus nos livre da censura.
E da morte prematura.
Deus nos livre da multidão.
Deus nos livre da solidão.
E Deus nos livre, peremptoriamente, de jamais
usar a palavra "peremptoriamente".
Deus nos livre do lirismo e da coriza nasal.
Deus nos livre da paixão desenfreada e da grama artificial.
Deus nos livre da volta dos festivais da canção.
E do nosso coração.
Deus nos livre dos bêbados que confidenciam.
Deus nos livre das mulheres que miam.
Deus nos livre de um dia acordar de ressaca,
sair da cama e descobrir que estamos
no palco do Teatro Municipal lotado.
Deus nos livre do requerimento em três vias,
do protocolo, das fotografias 3x4,
da ficha de chamada, da espera na fila e
de descobrir que não é aqui,
é no outro guichê.
Deus nos livre do outro guichê.
Deus nos livre da autoridade competente,
que com a incompetente ainda há diálogo.
Deus nos livre da burrice dos outros,
que a nossa até que é simpática.
Deus nos livre da terceira idade.
E da falsa humildade.
Deus nos livre da ira, da soberba, da gula,
da luxúria, da avareza, da inveja, da preguiça e
desta mania de limpar o ouvido
com uma tampa de caneta Bic.
Deus nos livre da dissolução dos costumes.
E da terrível faca de dois gumes.
Deus nos livre dos que querem o nosso mal.
Deus nos livre dos que só querem o nosso bem.
Deus nos livre dos que querem o nosso.
Deus nos livre do despertador, da seborréia,
das pessoas que nunca piscam e das que citam Fukuyama.
Deus nos livre do mar de lama.
Deus nos livre da tragédia.
E da alta classe média.
Deus nos livre dos futurólogos.
Deus nos livre do futuro!
Deus nos livre do libelo.
E de todos os Collor de Mello.
Deus nos livre da superstição.
E de tanta assombração.
Deus nos livre de colidir com um meteoro e
dos que pedem que Deus nos livre.
Deus nos livre das bravatas.
Deus nos livre das gravatas.
E, meu Deus, dos plutocratas.

Do livro: POESIA NUMA HORA DESSAS?!

Ao Mestre com carinho

Foi na Sessão do Tribunal Pleno de hoje que o "salve, salve, Exmo. Juiz Otavio Calvet" foi promovido a Juiz Titular do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região, assumindo a titularidade da MM 2ª Vara do Trabalho de Volta Redonda, no estado do Rio de Janeiro. A cerimônia de posse, que se dará nos próximos dias, é outro evento imperdível!

Não existe coisa mais bacana do que você ver alguém brilhar, alcançar o sucesso por puro merecimento, e ser destaque por todos os lugares em que passa porque é, simplesmente, genial.
Orgulho de ser amiga de Sua Excelência!

quarta-feira, 14 de março de 2007

Ê, torcida besta!

E lá está a torcida, na casa do adversário, e gritando olé!!
Esse grito de oooooolé, ooooolé, ooooooooooooooooolé, olé, oooolé... é abusado! Coisa de torcida besta, mesmo.

E agora assumimos a liderança do nosso grupo.
Quarta-feira tem o jogo de volta. Na nossa casa.
"O Maraca é nosso, ahaaaa, uhuuuu!!!" será nosso grito.

Flamengo 1 x 0 Paraná
Taça Libertadores

Mr. Bush



Mr. Bush só foi a São Paulo;
mas o Rio também o recebeu efusivamente!


foto editada com um pouco mais de nitidez


detalhe pro guardinha que me cumprimentava, enquanto eu tirava a foto, de dentro do carro...

Você sabe que eu não trato de política, aqui.
Mas eu gosto de arte...
... e de simpatia!

Sortez !

Hoje eu fotografei a fachada do Consulado dos Estados Unidos.
E sabem por que, né?
Não?
Aguardem as fotos.

Bom dia!

"Há dias que eu não sei o que me passa / Eu abro o meu Neruda e apago o sol / Misturo poesia com cachaça / E acabo discutindo futebol..."