domingo, 30 de setembro de 2007

Final da Copa do Mundo

(imagem: globo.com)

China. Domingo de manhã aqui. Nove horas da noite, lá. E lá é onde estão as nossas meninas de chuteira, prontas para vencer.
O duro é acompanhar a cobertura da Bandeirantes. Pouca narração, excesso de comentários, sotaque paulistano do interior, de "doeire" os ouvidos. "Mairta". Ninguém merece...
Blá-blá-blá demais. Ninguém faz isso no futebol dos homens... Uma falta de respeito! Pior que isso, só ouvir o Evaldo José na CBN. Tá difícil!
Mas vamos lá. "Hasta la victoria", Marta e Cia!!

sábado, 29 de setembro de 2007

Feliz Sábado!!

"Você não precisa buscar muito longe para ver um milagre. O que poderia ser mais sobrenatural do que uma lagarta se transformando numa borboleta, uma gema de ovo numa galinha, uma pequena semente numa árvore imensa?"

Olhe ao seu redor, procure um milagre que faça você acreditar na bênção que são o amor e a vida, e tenha um feliz sábado!

sexta-feira, 28 de setembro de 2007

Tudo de bom

E num mundo ideal,
seus dias seriam de sol e calor,
seu coração estaria repleto de amor,
e o final de semana seria especialmente feliz.
Se não vivemos nele, vamos ao menos fingir que ele existe, fazendo a nossa parte para que tudo isso aconteça.

Sei lá. De repente me deu uma vontade de vir aqui desejar todas essas coisas boas pra você.

Sobre sorrisos e a alegria que eles nos causam


Uma vez eu escrevi aqui sobre atender o telefone sorrindo, porque isso termina afetando positivamente quem está do outro lado da linha. E ontem à noite eu percebi que um sorriso nos lábios pode ser percebido até mesmo pelo msn.
S. conversou comigo por quinze ou vinte minutos, e seu sorriso podia ser sentido em cada palavra escrita!
Isso é, realmente, emocionante!


A entrevista do ano. Ou como respeitar as pessoas.

Vi no blog da Guiga. E, depois, no Atuleirus.
Você pode ver aqui.

quinta-feira, 27 de setembro de 2007

A primavera, em cada um

Primavera, por Florbela


Há uma primavera em cada vida: é preciso cantá-la assim florida, pois se Deus nos deu voz, foi para cantar! E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada que seja a minha noite uma alvorada, que me saiba perder...para me encontrar....

(Florbela Espanca)

quarta-feira, 26 de setembro de 2007

Hoje é dia de Ballack-meu-bem!

Saca a cara de alegria da criança, quando me viu!

Ele chegou ontem, como prometera. Então, ando meio sem tempo pra postar e pra visitar, você compreende...

O aniversário é hoje, mas a festinha rola no fim-de-semana, e sem o futebol, porque daria um grande problema pro maridinho alemão jogar bola no Brasil quando ainda está em fase de recuperação. De repente, até o contrato com o Real Madrid poderia ficar ameaçado. E tudo o que eu não quero, agora, é desistir da vidinha na Espanha.

Vai uma "cokinha", aí?

segunda-feira, 24 de setembro de 2007

Os irmãos Baldwin

A teoria é a seguinte: só existe um Baldwin. Isso mesmo. Um só. Os outros três são heterônimos ou pseudônimos. O original é o Alec. Os outros três são seu alterego. Tudo feito para burlar as autoridades americanas, para não desgastar sua imagem, além de poder ter, simultaneamente, quatro contratos de exclusividade. Tudo isso, pagando imposto de uma única pessoa física. Pode estar em cartaz em quatro diferentes filmes, sem se expor sempre com a mesma carinha. Logo, sua vida de artista tem quatro vezes mais chance de ser um sucesso de público e de crítica, e a cada Oscar tem quatro vezes mais chance de levar uma estatueta pra casa. Além disso, às vezes é preciso que o cabelo do ator fique desarrumado, no meio de uma cena de ação, como por exemplo em "Invasão de Privacidade". Alec, como você pode perceber, não admite um fio sequer desalinhado, e então, imediatamente, entra como William, e permite que o cabelo saia do lugar.

Você discorda? Tudo bem. Mas tem como provar que há mesmo quatro irmãos? Que Alec, Daniel, William e Stephen Baldwin existem, os quatro??
Então, prove.
Diga um filme em que aparecem pelo menos dois deles. Já viram dois Baldwin juntos numa cerimônia tipo "Oscar" ou "Emmy"?? A mulher do Alec, a Kim, todo mundo conhece. Mas alguém já viu a mulher dos outros? Foto dos quatro juntos não prova nada, desde que inventaram o Photoshop e com ele fizeram até a Hortência do basquete ficar bonitinha.
Eu admito estar errada. Mas você precisa me provar.

Final das contas, independentemente de ele ser um só ou serem quatro, bom mesmo é ser a Kim Basinger, você não acha?

domingo, 23 de setembro de 2007

Lá vem a primavera...

"A primavera chega todos os anos em Wisteria Lane, mas nem todos se lembram de parar para cheirar as flores. Alguns estão muito ocupados se preocupando com o futuro... Ou com erros cometidos no passado. Outros estão preocupados em não serem pegos. Ou então pensando em alguma maneira de pegar os outros. Ainda assim, sempre haverá alguns poucos que se lembrarão de reservar um momento e apreciar tudo que a Primavera lhes propiciou. Assim como sempre haverá aqueles que preferem sentar na escuridão, se lamentando por tudo aquilo que perderam."

sábado, 22 de setembro de 2007

As regras do jogo

A casa é minha. Está claro?
As portas e janelas ficam abertas, sim, eu sempre disse, mas não abuse. Pode entrar, mas não vá arrumando idéia de tentar desarrumar, trocar móveis de lugar, nada de fazer bagunça, escrever nas paredes, espalhar tapetes, sair abrindo a geladeira, achando que a casa é sua. Não. A casa é minha. E se o seu papo ou a sua visita me incomodar ou incomodar alguém que esteja na sala, eu vou pedir pra você sair. A casa é aberta, mas não convém entrar de máscaras nem bancar o bobo da corte. Isto aqui não é um baile à fantasia nem o reino do vale tudo. Se quer ficar quietinho, num canto, ouvindo as histórias, olhando o movimento, que fique. Mas se quer participar da conversa, meter seu bedelho, trate de dar as caras e ter um pouco de compostura na casa dos outros, ou vou pegar você pelo braço e colocar para fora. Na minha casa mando eu.
A boneca sabe muito bem perder a pose de princesa.

Feliz Sábado!!




Se cada flor tem o seu tempo,
Eu aceito florescer
No apropriado momento.
(Fernando Pessoa)

sexta-feira, 21 de setembro de 2007

Ela está chegando...

E sentarei à tua espera, Primavera.

E te receberei sorrindo, apurando o olfato, percebendo-te no tato, ouvindo o som dos teus pássaros.

E eu verei as borboletas e as tuas cores, provarei do mel que me darão as abelhas depois de sorverem o néctar das tuas flores.

E ao me dar conta de tudo isto, verei que enfim trouxeste-me a alegria, embalada nesse teu aroma doce e floral, perceberei que és vida, renovação. Recomeço. Paixão.


Cadeira do século 19 - "Rose armchair" - do Reino Unido,
exibida na mostra "Design contre design"
de 26.09.07 a 08.01.08
no Grand Palais
em Paris

Adeus, Mourinho


- Oi, Suzinha!
- Oi, amorzinho.
- Eu não te disse?? Ele não ficou.
- Mas saiu ou "foi saído"??
- A notícia foi divulgada como sendo uma "separação consensual", sabe como é? Um acordo. Mas foi na pressão. O contrato era até 2010, lembra?
- Eu acho que ele se queimou quando te barrou na Liga, Mike.
- Não acho. Isso foi só mais um detalhe. As coisas não estavam bem, aqui dentro...
- Bem, ele se foi, Madri que nos aguarde...
- E o Dunga que se prepare, porque o efeito dominó, Suzinha... Cai Mourinho, que vai pra Portugal, pro lugar do Felipão que cai, mas que vai pro Brasil pro lugar do Dunga, que cai... e volta pra floresta e vai treinar o time da Branca de Neve.

(risos)

- Ballack-meu-bem, não esquece de confirmar se o David vem pra tua festinha de aniversário, tá? Já está quase tudo pronto. E já encomendei a torta alemã, é claro.
- Deixa comigo. Amanhã confirmo o lance do Beckham. E eu chego na terça, tá? Faz feijão com carne seca??
- Claro. Tudo o que você pedir, baby.
- Óooooooo...

No dia da árvore

Um texto de Rubem Alves

Era o dia 1º de maio, dia do trabalho. Cidade vazia, céu muito azul. Subia com o meu carro em direção a Pocinhos do Rio Verde. Estranhei que houvesse tantas pessoas trabalhando no jardim da praça dos Expedicionários, ao fim da Rua Eduardo Lane. Não, não eram funcionários da prefeitura. Fiquei curioso. Parei. Desci do carro e perguntei. Um homem me respondeu, sorridente: “Somos da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Resolvemos aproveitar o dia para cuidar desse jardim...” Fui tomado por uma perplexidade alegre. Tive vontade de abraçar aquele homem. Eu, que não sou de Igreja, amei aqueles desconhecidos. Pode ser que nossas idéias teológicas não combinem. Mas, que importa? Concordamos em que jardinagem é um ritual litúrgico, uma forma de anunciar o Paraíso. Deus é jardineiro. Criou o universo para plantar nele um jardim. Pensei que há tantas comunidades religiosas em Campinas. Não seria bonito se cada uma delas tomasse um jardim público sob os seus cuidados?

Há árvores maravilhosas em Campinas, árvores que merecem ser vistas. Três delas se encontram na praça defronte ao Hospital da Beneficência Portuguesa. Enormes. Não sei o que são, porque nunca vi iguais. Algum agrônomo ou paisagista poderá me dizer? Também na Fazenda Santa Elisa, no gramado central, há três lixias, as maiores que já vi, grandes como as mangueiras antigas. Seria interessante que houvesse mapas com caminhos de peregrinação pelas árvores: o caminho dos ipês floridos, o caminho das quaresmeiras floridas, o caminho das patas de vaca floridas... Pois não há as estações da paixão de Cristo que os devotos visitam de forma compungida? O caminho das árvores floridas talvez pudesse ser chamado de Estações do Cristo Ressuscitado, a ser trilhado com alegria. Olhar as árvores é uma forma de oração.

Triste é a praça do Castelo, sem árvores, deserta, vazia de pássaros e sombras. Terá sido projeto do Niemeyer? O Niemeyer detesta árvores. Ele ama as formas geométricas, perfeitas por sua beleza imóvel. A beleza imóvel é eterna. Não está sujeita às transformações do tempo. Uma vez construídas elas atravessam os séculos. Mas o preço que se paga pela eternidade das formas é que elas têm de estar mortas. A inspiração vem das pirâmides, que são monumentos mortuários. Já visitaram o Memorial da América Latina? Um horror. Os interiores têm a beleza imóvel dos sepulcros. Creio que, se ele pudesse, faria árvores de cimento. É preciso ressuscitar a praça morta do Castelo. Plantar árvores. Palmeiras, por amor aos céus. Calaburas, por amor aos pássaros. Magnólias, por amor ao perfume. Sombras. Bancos. Fontes...

Rubem Alves - Quarto de Badulaques XXIV


É preciso ressuscitar as praças, as ruas e avenidas,
o jardim da sua casa, as árvores da sua vida.
21 de setembro - Dia da árvore.
Plante. Cuide.
Saúde!

Foto de Sandra
Parc du Bois-de-Coulonge - Québec - Canada

quinta-feira, 20 de setembro de 2007

Citação

"Dez por cento da vida são as coisas que me acontecem, e os outros noventa por cento são as minhas reações a isso."

(Lou Holtz)

quarta-feira, 19 de setembro de 2007

Bienal do Livro

Estive lá no domingo.

*** A Siciliano e a Saraiva vendem muito mais barato pela internet, e não há filas monstruosas, por aqui, como há por lá. Um formigueiro.

*** Há livros para crianças, a partir de 2 reais.

*** Há livrinhos de 1 real. Mas só de misticismo. Dispensáveis. Completamente dispensáveis.

*** A Babi é mais bonita pessoalmente, do que na tv.

*** Lanches, agora virou mania: muito ruins.

*** Meu cunhado vai lançar um livro, no sábado. E participar de debate. Chique.

*** O livro "Poderosa - Diário de uma Garota que Tinha o Mundo na Mão", de SERGIO KLEIN, já com 3 volumes, é sucesso entre adolescentes. Dei de presente. Mas paguei caro, porque o Submarino vende cada um por 17 reais. Lá, custou 28 e tal, cada um.

*** "A Mosca Azul", do Frei Betto, está mais barato numa outra livraria, paulista (Códice), que na própria Rocco.

*** O "Café literário" e o "Botequim Filosófico" são duas paradas bastante recomendáveis. Veja a programação. Vá com tempo.



*** Estacionamento a 10 reais. Fico pensando no faturamento...

terça-feira, 18 de setembro de 2007

No "Engenhão"

Nesta quarta-feira tem Brasil x Argentina, no futebol. É das raras vezes que torço pelo concorrente (Botafogo). Não me venham com papo de "é o Brasil", quando jogam Vasco e qualquer outra equipe de um outro país. É o Vasco? Torço pro outro. Mesmo que o outro seja a Argentina. E nem vou dizer que "sinto muito".

Mas amanhã é diferente. O Botafogo é aquele timinho muitas vezes simpático. Não é besta e sem-noção como o Fluminense, que faz questão de estampar orgulhosamente a conquista do "Bicampeonato Brasileiro na série C: 1984 e 1999" - ahahahahaha!!! série C...; nem "se acha", como o Vasco. Perde pro América e pro Bangu, na disputa como "segundo time" dos cariocas, mas nem liga. Eles têm Dodô e estão felizes com isso. Então, deixa os caras.

Afora tudo isto, tenho alguns bons amigos que torcem pro alvinegro; e então, entre eles e os argentinos do River Plate, fico com o tal do "Put Fire".

Ir ao Engenhão pra ver jogo do Botafogo está fora de cogitação; mas torcer contra "los hermanos" da "Arrentina" vai ser facinho, facinho. Tão fácil como torço a favor quando são eles contra o Vasco.

E pra não dizer que não falei do "maior do mundo", vou te oferecer o prazer de dar uma passadinha na página do Mengão, na internet. Compara com os outros e confessa: qual é o único que faz o teu coração bater acelerado?? Qual é o "site" que, realmente, é lindo e emocionante logo de cara?

Vasco (cuidado! às vezes, a primeira imagem que aparece é a do "EuRRico Miranda"!)
Fluminense
Botafogo
Flamengo

E então??

What Are You Waiting For? by Lope De Vega

segunda-feira, 17 de setembro de 2007

As aventuras de sábado à noite

Mr. Brooks

E acontece, então, de você ir ver um filme que tem um ótimo argumento. E também um ator e tanto, chamado Kevin Costner. E outro também muito bom, William Hurt, e uma atriz bonitinha, a Demi Moore. E o filme começa mesmo muito bem. Tudo para ser um bom filme de suspense.

Mas, de repente, a única testemunha do crime vai chantagear o cara. E a chantagem, acredite, é de fazer desacreditar na possibilidade de aquilo continuar sendo um bom filme. No mínimo risível. Tudo bem, que poderia se tornar uma comédia. Mas não era a idéia, embora parecesse. Eles preferiram fazer o filme ficar ridículo, a partir daí, numa seqüência de coisas incrivelmente ridículas. Francamente! Que chantagem!

Não bastasse, cai a energia, na sala. Conseguem retomar o filme do exato ponto onde parou. Mais algumas cenas toscas, envolvendo as tramas paralelas e sem sentido algum, e a energia cai de novo. E agora, quando volta, não volta do mesmo lugar. Ficou um buraco. Pronto. Todo mundo começa a gritar: "volta! volta o filme, pô!" E a fita segue. M. grita: "o filme é horrível, mas eu quero ver tudo!" Todos riem. A fita segue. Mais gente pedindo: "Voooolta!!" E nada.

Nessa hora, M. olha pra mim e diz: "Vamos aproveitar pra ir embora? E a gente ainda devolve o ingresso e pega o dinheiro de volta. O filme é horrível, mesmo! Nem interessa o final." kkkkkkkkkkk Ótima idéia, eu achei. Porque perderíamos apenas uma hora e pouco da nossa vida e a grana do estacionamento.

M. se levanta, vai até o lanterninha, e a essa altura já está uma bagunça, o pessoal com rádio se comunicando com a cabine, a fita seguindo, e aí M. me grita lá da porta: "Suzi, vambora!"

Levanto, alguns outros indignados pelo caminho, desço as escadas e vou rind
o, lembrando de como a gente atrai essas situações inusitadas! Sempre foi assim, e eu tava com saudade disso, sabe? Minha cunhada dizia que lembrava de mim quando via Ally McBeal, e não era à toa.

Enfim, seguimos o rapaz que "ousou" sugerir revalidar nosso ingresso. Como fomos enfáticos, bastou dizer que queríamos o dinheiro de volta, e nem se discutiu. Dinheirinho devolvido, filme sem meio e sem final - mas também não tinha nem pé nem cabeça! - fomos embora mais satisfeitos do que se tivéssemos visto o filme inteiro; mas eu fiquei decepcionada com M., porque achei que ele iria pedir a devolução da grana do estacionamento Vip e da pipoca com guaraná também!


____________________
Demi Moore está inconvincente. Fraca, mesmo.
Kevin Costner está muito bem.
William Hurt, como o "amiguinho imaginário" do KC, está muito, muito bem.
De resto, é tudo resto.
Poupe seu tempo e dinheiro. Vai por mim!

Aos amigos lusitanos

Golo irregular trama "passarinhos".

Alguém das terras d'além mar pode traduzir essa manchete de um jornal português para mim??
O que o gol irregular causou, afinal??

All I ask of you

Amanhecer ao som de uma ópera.

Raoul:
No more talk
Of darkness,
Forget these
Wide-eyed fears.
I'm here,
Nothing can harm you -
My words will
Warm and calm you.
Let me be
Your freedom,
Let daylight
Dry -your tears.
I'm here,
With you, beside you,
To guard you
And to guide you . . .

Christine:
Say you love me
Every
Waking moment,
Turn my head
With talk of summertime . . .
Say you need me
With you,
Now and always . . .
Promise me that all
You say is true -
That's all i ask
Of you . . .

Raoul:
Let me be
Your shelter,
Let me
Be your light.
You're safe:
No-one will find you
Your fears are
Far behind you . . .

Christine:
All i want
Is freedom,
A world with
No more night . . .
And you
Always beside me
To hold me
And to hide me . . .

Raoul:
Then say you'll share with
Me one
Love, one lifetime . . .
Iet me lead you
From your solitude . . .
Say you need me
With you
Here, beside you . . .
Anywhere you go,
Let me go too -
Christine,
That's all i ask
Of you . . .

Christine:
Say you'll share with
Me one
Love, one lifetime . . .
Say the word
And i will follow you . . .

Juntos:
Share each day with
Me, each
Night, each morning . . .

Christine:
Say you love me . . .

Raoul:
You know i do . . .

Juntos:
Love me -
That's all i ask
Of you . . .

Anywhere you go
Let me go too . . .
Love me -
That's all i ask
Of you . .

PHANTOM:
I gave you my music . . .
made your song take wing . . .
and now, how you've repaid me:
denied me and betrayed me . . .
He was bound to love you
when he heard you sing . . .

Christine ...
Christine ...

RAOUL/CHRISTINE:
Say you'll share with me one love, one lifetime . . .
say the word and I will follow you . . .

Share each day with me, each night, each morning . . .

PHANTOM:
You will curse the day
you did not do
all that the Phantom asked
of you . . .!

Go! !

domingo, 16 de setembro de 2007

sábado, 15 de setembro de 2007

Feliz Sábado!!

Se você amar alguém,
será leal para com ele,
custe o que custar.
Sempre acreditará nele,
sempre esperará o melhor dele,
e sempre se manterá em sua defesa.

(I Coríntios 13:07)


sexta-feira, 14 de setembro de 2007

"Pedro de Lara é coisa nossa..."

"É melhor doer na carne do que arder na consciência".
(Pedro de Lara)

Ele era esquisito, engraçado, chato, praticamente um filósofo, divertido, implicante, rabugento e querido...
Morreu.
De novo, esse câncer maldito.


Descobri ontem à tardinha, pelo blog do Beto.
Às vezes não reclamo nada de perder o noticiário...

Ainda sobre as sacolinhas ecologicamente corretas

Outro dia falei aqui das bolsas de lona, para as compras, você se lembra? Pois é. Queria saber onde vendia e imediatamente me prometeram de presente. Como diria meu sobrinho H., "importadíssimas".
Amei, é claro! Amei muito. Porque além de ser um presente muito, muito útil, virá cheio de carinho, e dentro da sacola, muito amor e muita, muita saudade.

Pois bem. No último domingo, na revista da TV, uma seção inteira para falar do mesmo assunto. Foram duas páginas incluindo diversos outros produtos ecologicamente corretos. Os preços, digamos, "abusivamente abusivos". Dentre eles, bolsa feminina, de lona de caminhão. Por quatrocentos e tal, quase quinhentos reais. Não esqueçam, amigos de fora do Brasil: neste país, o salário mínimo é de R$ 380,00, ok?

Esta semana, vendo tv (jornal da Rede TV ou da Record, não me lembro exatamente), rolou u'a matéria sobre o mesmo tema. Mostraram vários modelos, também os carrinhos de feira, entrevistaram donas-de-casa... Não tocaram no assunto do preço, mas divulgaram a idéia, pelo menos.

No mesmo dia 12, lendo o Blog da Chris, acho um post sobre o mesmo tema (ela andou lendo o blog da suzi???? hehehehe). Por lá, o pessoal também andou reclamando dos preços daqui do Brasil, e houve até quem colocasse em dúvida a possibilidade de em algum lugar do mundo se vender as belas sacolinhas por 1 dólar americano, lançando a suspeita de haver exploração de mão-de-obra. Aliás, ela foi além e disse com todas as letras: "com certeza, há exploração de mão-de-obra"!! É claro que a moça que escreveu isso tem sua própria loja, vende as bolsinhas importadas, de griffe, e aproveitou para fazer o seu comercial desacreditando os preços no mercado estrangeiro e aludindo às taxas e impostos, ao preço do frete e à existência de "roubo" na Polícia Federal" (acredite, ela usou essa expressão), para justificar o preço que cobra pelas sacolinhas que vende e que varia de R$ 110,00 a 187,00. Nem vou colocar um link pra você conferir, aqui, pra não dar mais ibope pra isso. Mas pode acreditar que esses são os preços das sacolinhas, na loja da moça.

E vamos combinar que é disso que eu falava, nos comentários daquele post: até com a sustentabilidade ecológica o povo quer faturar!!!!


quinta-feira, 13 de setembro de 2007

Inacreditável

É incrível como setembro, por si só, já me faz feliz!!

Alguém faz e me chama pra lanchar, de tarde?

Bolo de Milho Verde em Conserva

Ingredientes

-1 lata de milho verde em conserva com a água
-1 garrafa de leite de coco (200ml)
-1/2 xícara de (chá) de flocos de milho
-02 ovos (inteiros)
-2 colheres (sopa) de margarina
-1 xícara (chá) de açúcar
-1 colher (sopa) de queijo ralado
-1 colher (sopa) de fermento

Modo de Preparo

Bater todos os ingredientes no liquidificador por 2 minutos.
Colocar para assar em forma untada

  • Tempo de Preparo: 40 min
  • Preço: R$10,00
  • Rendimento: 10 porções

quarta-feira, 12 de setembro de 2007

Histórias de amor - LIV

coração vassalo
ainda hei de abraçá-lo
novamente
hei de beijá-lo

Papo via skype

- E aí, prima, cadê as fotos da formatura?

- Ah! Vou te mandar.

- Isso! Manda.

- Mas antes vou mandar uma foto do Lynndom Jhonson na hidroginástica.

(...) silêncio

- Como??

- O Lynndom Jhonson, prima. Sim, se escreve assim, ó: L-Y-N-N-D-O-M J-H-O-N-S-O-N. Pois é. Ele, fazendo hidroginástica.

- Ah, tá. - sem entender nadica de nada.

E então ela me manda a foto do rapaz:



Moral da história: a família inteira não bate bem...

terça-feira, 11 de setembro de 2007

A importância do "velho"

"Que lindas são as coisas antigas que se tornaram opacas e amarelecidas porque sobre elas passou a vida, porque crescemos e vivemos tocando-as, fixando na retina as suas formas, fazendo-as participar dos nossos segredos, da primeira carta de amor, do primeiro beijo, dos sonhos de felicidade. Foram sonhos que nos fizeram cerrar os olhos para abri-los depois em frente à velha cômoda, à mesa antiquada ou à poltrona desbotada que, durante várias décadas, nos farão recordar a esperança perdida ou realizada, a alegria e o sofrimento nascidos junto àqueles velhos móveis e objetos.

Nada há, por mais belo, elegante ou moderno, que nos dê esta sensação de mútua e muda compreensão, de solidariedade mesmo, que os móveis e objetos antigos sabem nos transmitir.

Que tremenda traição cometemos quando substituímos alguma dessas coisas por outra nova e luzidia, que levará ainda vários anos até adquirir a alma que lhe transmitiremos!"

Clarice in Correio Feminino

segunda-feira, 10 de setembro de 2007

Vontade de fazer as malas


...e fugir deste lugar, baby.
Pra onde?
"Qualquer outro lugar comum, outro lugar qualquer... qualquer outro lugar ao sol, outro lugar ao sul, céu azul, céu azul..."

domingo, 9 de setembro de 2007

Mauro Alves podia não ser o Maurão

E aí que o Amigão é amigo de uns amigos meus, é amigo dos meus irmãos, e a gente vai fazendo uma corrente de amigos, por esse mundão afora.
Vai que eu passo agora pelo blog dele e leio uns posts (atrasada) e dou de cara com um lamento pela morte de um amigo. Mauro Alves. Não reconheci, pelo nome e sobrenome, mas já sentia a dor dele, pela perda, porque eu também já perdi amigos pra morte e sei como é duro e triste, e pesaroso e lastimável. E de repente, no meio da leitura, saltam as letras: MAURÃO. Uma dor, de repente ainda maior, toma conta do meu coração. Seria "o" Maurão? Aquele boa-praça, o cara divertido, educadíssimo, enfermeiro, que fazia aniversário pertinho de mim, lá pelo dia 2 ou 3 de dezembro?? Eu sempre confundia com o aniversário de um outro amigo, o Saul... Mas o Maurão me ligava no meu aniversário (já há algum tempo não ligava mais) e tirava sempre a minha dúvida, embora fosse tarde. Ele ria e aceitava os parabéns atrasados, mesmo assim. Não. Não podia ser o Maurão. Era outro Mauro, com certeza. Mas o Amigão falava em Unasp. E eu sei que temos amigos em comum. E pensei sem querer pensar: é ele. Dois minutos depois o Amigão me confirma. E eu não quero acreditar. Não. Não o Maurão.

Embora todos os anos, invariavelmente, eu me lembrasse do seu aniversário, há tempos havíamos perdido o contato. E agora fico aqui, como o Amigão, lastimando o tamanho do mundo e a nossa mania de deixar para outro dia as coisas que não se deviam adiar...

Marque o almoço, viaje para um encontro, dê o abraço apertado e demorado, passe a mão no telefone, escreva um e-mail, mande uma carta, deixe um bilhete, deixe recado, mande lembranças, vá buscá-las, mas por favor, não se perca dos seus amigos.

Tudo certo, no final



sábado, 8 de setembro de 2007

Feliz Sábado!!


"Viva a sua fé; e quando tudo falhar, ela o fará viver."

sexta-feira, 7 de setembro de 2007

Vinte e poucos, trinta e tals

Sem respirar:
"Vamos deixar as coisas acontecerem..." Isso é bom e fácil de ouvir quando você tem vinte e poucos anos. Mas você consegue ter a exata noção de como o tempo já passou, quando uma frase como essa dói, nos seus ouvidos. Aos trinta e tals você já não se conforma em deixar rolar pra ver onde vai dar. Você quer compromisso, você quer atitude. Você deseja. Sem expectativas. Mas deseja. O príncipe no cavalo branco já pode vir a pé e vestido de sapo, mas é preciso existir encanto, é preciso "chegar junto" trazendo na bagagem um certo "know-how". Porque aos trinta e tals você não é mais a jovem de vinte e poucos que não exigia compromisso porque também não queria se comprometer, afinal, era cedo demais. Aos trinta e tals, longe de ser tarde demais para qualquer coisa, e exatamente por ter essa noção, você precisa de compromisso, envolvimento. Aos trinta e tals você nem sequer é do tempo do "ficar"; isso começou quando você já não era mais adolescente, e entrar na moda, agora, é, no mínimo, constrangedor. Aos trinta e tals você não canta mais "nem por você nem por ninguém eu me desfaço dos meus planos"... você já não tem vinte e poucos anos... A mulher de trinta já se sabe campeã. Já se reconhece vencedora. Saiu pro mercado de trabalho e conquistou seu espaço. É bem-sucedida profissionalmente. Ela se sustenta. Tem duas faculdades, pós-graduação, ou Mestrado, MBA... Tem sua casa, seu carro, faz suas próprias aplicações financeiras, viaja pelo Brasil e pro exterior, não depende financeiramente de ninguém e até ajuda quem precisa de apoio, desde que não se perceba explorada. A mulher de trinta não precisa de arrimo, ela se vira sozinha; mas quer proteção, precisa ser mimada; porque basta a competição no mercado de trabalho, a dureza dos prazos que tem para cumprir, a postura de forte e inabalável que precisa assumir no dia-a-dia da empresa, a polivalência de combinar a dona-de-casa com a executiva, entre papéis A4 e listinhas de supermercado. A mulher de trinta não precisa de bajulação do mundo nem de ninguém. Percebe fácil um aproveitador - no mundo dos negócios e no seu universo particular. E então ela é um sucesso em tudo o que faz. E poderia viver bem assim. Realizada. Mas quer mais. Aos trinta e tals ela não se contenta em ter. Ela quer ser. Quer ser o norte de alguém. Quer saber que o é, e ouvir do próprio alguém. Ela quer atenção. Quando está triste, quer a mão nos seus cabelos e ouvir que tudo vai passar. Quer ser fundamental para alguém. Quer ser feliz no amor. Para sempre. Enquanto dure. E que dure muito, muito, muito tempo. Tanto quanto eternamente. E ela tem urgência, no amor. Para que ele comece a ser eterno o quanto antes. Ela quer compromisso. E tudo o que ela não quer é meramente "deixar acontecer".

quinta-feira, 6 de setembro de 2007

Que triste...


E essa doença maldita arrancou mais umas notas musicais afinadíssimas da nossa vida...

Luciano Pavarotti | 1935-2007

Excerto do episódio-piloto de uma série que não vingou

E então, encontramo-nos, nós três: eu, a vida e o tempo. E ainda discutimos, todas as noites, porque eu quero explicações.



quarta-feira, 5 de setembro de 2007

terça-feira, 4 de setembro de 2007

Alguém me explica?


Mentir, fingir, pra mim só é e será possível
Sob holofotes num cenário como ator
E pra você mentir, fingir é impossível
É construir a sombra onde há luz de amor
Eu acredito e sempre acreditei na vida
De uma maneira muito forte, muito intensa
É que é difícil a gente ouvir do nosso próprio coração
Que ele só pulsa, bate, chora, mas não pensa

Estou tentando resolver esse problema
Onde uma cena cresce mais que seu ator
Se estava escrito que haveria outra pessoa
Rio e canoa sabem mais que o pescador

A vida sempre pega a gente numa curva
É feito chuva em plena tarde de verão
Dependerá de nós as cores, tons, matizes
Pr'esse arco-íris transformar o coração

Estou tentando resolver esse problema
Onde uma cena cresce mais que seu ator
Se estava escrito que haveria outra pessoa
Rio e canoa sabem mais que o pescador.

(Rio e Canoa - Fábio Júnior)


Gosto um bocado dessa música, do Fabinho. Mas alguém me explica essa parte do "se estava escrito que haveria outra pessoa..."? E por que é que o rio e a canoa sabem mais que o pescador?? É só pra rimar 'canoa' com 'pessoa' e 'ator' com 'pescador'??


segunda-feira, 3 de setembro de 2007

Classificados


Quero comprar uma bolsa de lona, grandona, tipo sacola, sabe? Pra quando ir às compras não carregar mais sacos de plástico, das lojas. Estou cansada de acumular lixo, jogar lixo no lixo, separar lixo e saber que não adianta fazer coleta seletiva em casa porque a Comlurb não faz coleta seletiva na rua. Governo tá nem aí. Tô cansada. Lixo, lixo, lixo. Saco! Que saco, de lixo!


Bolsa de lona. Sabe onde vende?


domingo, 2 de setembro de 2007

WB

É simplesmente hilária a campanha da Warner, que passa nos intervalos das séries.

"Estás vendo a Warner Channel", com os atores de séries como "Without a Trace", "Studio 60 on the Sunset Strip", "Old Christine"... falando (tentando falar) em espanhol.

O melhor? Matthew Perry, quando anunciam: "Agora vamos tentar em Português."
kkkkkkkkk

Tente ver.

Dúvidas ou confiança

Outro dia eu li ou escutei, não me lembro, uma história mais ou menos assim:
Era uma vez u'a mulher que morava lá bem lá... longe, longe, interior do interior de Minas Gerais. A casa dela ficava no pé do morro e ela era muito triste por morar naquele lugar, não porque fosse longe, mas porque todas as vezes que chovia descia uma enxurrada tremenda e sujava o quintal inteiro. Isso a deixava muito chateada, insatisfeita, irritada. Uma trabalheira, uma sujeirada. Aí, numa noite, ela foi a uma igreja. E a mensagem daquela noite foi justamente sobre o versículo 23 do capítulo 11 do livro de Marcos. Nossa! O coração daquela mulher se encheu de esperança. Minha Bíblia, aqui, diz o seguinte, em Marcos 11:23:
"...porque em verdade vos afirmo que se alguém disser a este monte: 'Ergue-te e lança-te no mar', e não duvidar no seu coração, mas crer que se fará o que diz, assim será com ele."

Então, em sua mente, aquela mulher se encheu de esperança. Ao chegar em casa, foi logo dormir. Mas acordou bem cedinho, de madrugada ainda, e pé ante pé foi até o quintal; lá, de camisola, cabelos desgrenhados, ainda com sono, ajoelhou-se diante do monte e orou, pedindo que o monte fosse removido; que ele se levantasse e se atirasse ao mar.

Quando acabou de orar, abriu os olhos e... o monte estava no mesmo lugar!! Ainda espantada, ela disse: "Também... pudera! Eu não acredito nisso! Sabia que não ía funcionar!"


Taí a lição. Pode parecer engraçado, à primeira vista. Mas parece que é isso o que a gente faz. Não crê. Pede por pedir. A gente duvida, no coração.

Já é tempo de perceber que o importante é que lá dentro, no fundo do nosso ser, precisamos ter confiança. Nós não precisamos de dúvidas. Precisamos da fé. Acredite!



E boa semana!!

Hoje é dia de festa!!


"Um vencedor, antes de tudo, é sonhador..."

Celebre a vida, meu irmão, a família que você formou, comemore as bênçãos de Deus, as vitórias. Vibre pelos sonhos sonhados e pelas realizações, comova-se pelas vidas tocadas com a música que você faz, e agradeça a Deus por se manter simples e humilde, embora seja tão fora do comum, do ordinário. Você é o melhor irmão que Deus poderia ter me dado! Você é, definitivamente, um vencedor; e todos nós, que caminhamos com você, terminamos nos sentindo assim também. Deus lhe dê (ainda mais) sabedoria. E sempre. Um beijo.

sábado, 1 de setembro de 2007

Bem-vindo, setembro!
Feliz sábado!


Fotos tiradas por Suzi - sexta à tarde, esperando setembro, na varanda.
Passarim quis pousar e pousou; e só saiu de lá quando a borboleta amarela passou. Eu também iria atrás dela, se soubesse voar.