terça-feira, 30 de junho de 2009

O segredo da longevidade


Um médico estava fazendo sua caminhada matinal quando viu essa velhinha fofa sentada no degrau de sua varanda fumando um cigarro. Curioso, ele foi até ela e perguntou:

- "Não pude deixar de notar como a senhora parece feliz! Qual o seu segredo?"
- "Eu fumo 10 cigarros por dia" ela respondeu. - "Antes de ir pra cama eu fumo um grande baseado. Fora isso, eu bebo uma garrafa de Jack Daniels toda semana e só como besteiras. Nos finais de semana, tomo pílulas, faço sexo e nao faço nenhum exercício fisico."


O médico, espantando:

- "Isso é extraordinário! Quantos anos a senhora tem?"
- "Trinta e quatro", ela respondeu.

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Domingo frio

Domingo.
Um dia sem calor. Frio. Um dia cinzento, embora alguns poucos raios de sol buscassem invadir a sala e aquecer a manhã. Manhã estranhamente silenciosa. Sossego desassossegante. Desaponto.

Final do NBB na Arena Multiuso. Eu queria estar lá. Não fui. Tudo bem. Não fui, mas tudo bem. Final disputadíssima e o resultado não poderia ser melhor: meu Mengão campeão brasileiro, outra vez.

Enquanto isso, Papai Joel empata o jogo com a Espanha aos 47 e tals do segundo tempo. Gritei como se fosse o Flamengo. Pena que a experiência dos espanhois lhes garantiu a medalha de bronze. Não mereciam. A África do Sul esbanjou. Mas não deu pra levar. Perdemos todos.

E aí, a final da Copa das Confederações...
Os EEUU vieram cheios de graça. Quem olhava, não dizia que aquela equipe se classificou pela tremenda combinação de resultados. A verdadeira zebra da África.
Para a alegria do Dunga, temos Luís Fabiano, Kaká e Lúcio.
Não tem jeito. Os números trabalham favoravelmente ao anão da Branca de Neve, e vai ser ele mesmo o técnico da seleção, na Copa do Mundo. É engolir e (se con)torcer.

Pra terminar, Maracanã.
O clássico FLA X FLU.
Também queria estar lá. Não deu. Não fui. Tudo bem. Não deu, não fui, mas tudo bem.
Os tricolores saíram felizes por conseguir "segurar o zero a zero". Tem mais é que ficar feliz, mesmo, aquela turma. Mas o Rio de Janeiro merecia uma segunda vitória do Flamengo, neste domingo, pra esquentar o clima, colorir a cidade de vez.



Fim de noite. Aquela senhorinha querida, de 79 anos, com a qual conversei no sábado, acreditando que me ouvia, mesmo completamente entubada, ligada a cinco aparelhos... não resistiu, e se despediu deste mundo na noite fria deste domingo. Acompanhei sua transferência do posto Médico para o Hospital, no sábado, combinei que ainda almoçaríamos juntas, mas ela se foi.
O que me impressionou, naquela tarde, no corredor do hospital, foi ouvir sua irmã contar que antes de se internar, ela havia dito:
- "Chegou a minha hora; não se preocupem. O meu trato com Deus era até julho."
Pois é. Ela antecipou alguns dias, mas aquilo me deixou impressionada. Como alguém tem tanta segurança de combinar alguma coisa com Deus e saber que Ele concordou?


Domingo frio. Quebra qualquer corrente...

domingo, 28 de junho de 2009

Às vezes sinto-me na urgência de não ter pressa.

sábado, 27 de junho de 2009

Feliz Sábado!!

A vida pode ser vivida ao som de uma orquestra ou de britadeiras. O inferno ou o céu, não se engane, é aqui.
Por mais que o mundo esteja louco, é tudo uma questão de escolha.
Enquanto eles estão parados, enlouquecidos com o barulho das máquinas, eu posso dançar, como se fosse bailarina.

Lembra daquele sujeito, que Chico Buarque cantou?
"...Sentou pra descansar como se fosse sábado
Comeu feijão com arroz como se fosse um príncipe
...Dançou e gargalhou como se ouvisse música..."

Pois é, e parafraseando Chico, eu lhe digo:
não morra na contramão atrapalhando o sábado.

Dê seu jeito. Tenha um sábado feliz!

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Eles se foram... E nós, como vamos?

A morte sempre nos surpreende e nos assusta. E a vida está sempre por um fio.
A notícia de que Farrah Fawcett havia recebido a extrema-unção na última quarta-feira me chocou; mais tarde leio que ela se foi. Mais ou menos à mesma hora informam que Michael Jackson teria ido para o hospital. Pouco tempo depois, a notícia de sua morte.

A morte do MJ chama muito mais a atenção das gentes. Comove mais? Não sei. Mas como MJ era mais "ídolo", mais show, mais bizarro, mais global, mais universal que a Chris, de "As Panteras" (nas nossas brincadeiras de infância representadas por mim, Ritinha e Virgínia), o destaque não é o mesmo. Isso é natural. Mas se você observar direitinho, ambas as mortes nos fazem pensar...

Farrah morreu vítima de um câncer. Uma espécie de câncer que muita gente nem tem ideia que exista. Um câncer no ânus, que alcançou seu fígado. Morreu aos 62 anos, o que se pode considerar jovem, para a média de vida atual. Perdeu a luta para uma doença que até hoje não se sabe como escolhe suas vítimas. E embora haja grupos de risco, eu e você podemos ser "escolhidos" mesmo que tenhamos uma vida saudável e tals. Isso me faz pensar que a vida é agora. Que eu não posso deixar de viver, muito menos posso deixar de viver bem. Ser amável, ser presente, fazer a diferença. Porque a gente nunca sabe o que virá. E deve ser muito bom descansar em paz, na certeza de ter vivido com dignidade e amoravelmente, nesta vida.

M.Jackson viveu uma vida de sucesso e conturbada. Mudou a moda, criou estilo, ensinou a dançar, mas lá dentro provavelmente não era feliz... Digo isso porque demonstrava uma incansável insatisfação com as regras, com a realidade, com a própria vida.
Estava em reclusão havia tempos e agora se preparava para novamente encarar o mundo.
Isso me faz pensar que não temos todo o tempo do mundo...

Não costumamos nos envolver com os problemas pessoais de nossos "ídolos". Às vezes achamos que eles, sequer, os têm. E então não costumamos pensar que a alegria que estampam, a bizarrice que espelham, os tipos que compõem, podem significar uma angústia cruel, e decidimos achar que são apenas marketing, ou fase, ou qualquer coisa que não nos diga respeito. É por isso que com tristeza eles se vão, muitas vezes, e, de certo modo, nós também.

A morte sempre nos faz (re)pensar.
Talvez devesse nos fazer agir.

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Chove, chuva...

O dia amanheceu lindo. Céu azul, sol, uma beleza de cores!
Você almoça em sua própria mesa de trabalho e depois olha a rua, pela janela.
Não há cor. Chove. Quase não se vê Niterói, do outro lado da ponte.
O final de semana se aproxima e um ar gélido toma conta da cidade. Um ar de melancolia. Um convite aos livros, edredons e carinhos.

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Quintana na quarta

Eu devia postar esses versos amanhã, que é quinta, para um jogo de palavras bobo mas engraçadinho... "Quintana na quinta" soaria muito bem; mas como não se pode mandar na sentimentalidade, hoje é quarta e ele vem. Porque é o poeta de todo dia.

É "Canção de Inverno", que tem tudo a ver com a festa de ontem...

"Pinhão quentinho!
Quentinho o pinhão!"
(E tu bem juntinho
Do meu coração...)
Mario Quintana in "Poemas para a infância" - Poesia Completa, p. 950

terça-feira, 23 de junho de 2009

Festa na roça. Ops! No trabalho!



Um ambiente de trabalho saudável, divertido e amistoso é ingrediente fundamental para que se possa dizer "eu tenho um bom emprego". Seu salário pode não ser o ideal, mas o velho "ganha-se pouco mas se diverte" nos garante satisfação.
Hoje temos uma festa, aqui.
Aniversariantes do mês. Uma festa temática. O frio pede. Será uma "festa caipira". Há bandeirinhas, canjica, milho, arroz doce, cuscuz, paçoca, pé-de-moleque, angu com carne seca, coquetel de frutas, pinhão, bolo de aipim, bolo de milharina, casamento na roça, com noiva, noivo, padre e delegado... tudo!
O ambiente é tão bom, que até aniversário de quem já mudou de setor e não trabalha mais com a gente vai ser comemorado. E a aniversariante vem, é claro!



(a noiva, que, infelizmente - porque o Amigão só deu a ideia em cima da hora - não teve despedida de solteira...)

segunda-feira, 22 de junho de 2009

O Rio, pela manhã

Pois é... O inverno chegou ontem. Dizem os especialistas que vem de leve, este ano. Cá entre nós, eu duvido. Ainda estávamos no outono e ele já cantava no vento, já mandava lavar as ruas com a chuva, já nos assustava. Como é que alguém que prepara assim a sua chegada depois quer me fazer crer que vem sem muita empáfia?

Pois hoje o Rio amanheceu assim...

(foto: reprodução TV Globo)


E eu, assim, ó...



Agora existe um sol bonito, lá fora, e dentro de casa permanece o frio. Parece estranho que a rua esteja mais aconchegante que seu próprio lar, mas é fácil de compreender quando se percebe que ao seu redor só existem casacos, edredons e processos, enquanto "há tanta vida lá fora..."
É segunda-feira. Aqui dentro, a vida de trabalho recomeça, e isso, por si só, é uma fria!

sábado, 20 de junho de 2009

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Quando a imagem diz mais que qualquer palavra

Bernardinho - Brasil x Finlândia - Liga Mundial de Vôlei


Gattuso - Itália x Egito - Copa das Confederações.

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Patativa

"Eu acho melhor falar errado dizendo a coisa certa
do que falar certo dizendo a coisa errada."

quarta-feira, 17 de junho de 2009

terça-feira, 16 de junho de 2009

Preciso mesmo ir trabalhar??


Definitivamente, eu não nasci para o frio...
Eu, hein! Parece até que o inverno está chegando!
Trabalhar, até vá lá. Mas, vamos combinar... No frio???

E aí, chefia?

Um chefe, daqueles beeeeem chatos, considerando que seus subordinados já não respeitavam mais sua liderança, resolveu colocar a seguinte placa na porta da sua sala:


"AQUI QUEM MANDA SOU EU"



Ao voltar de uma reunião, encontrou, ao lado da placa, o seguinte bilhete:

"SUA MULHER LIGOU E DISSE
QUE É PARA O SENHOR LEVAR
A PLACA DELA DE VOLTA."

segunda-feira, 15 de junho de 2009

domingo, 14 de junho de 2009

Por email

Mineiro é aquele cara que tem fama de ingênuo e desconfiado. Fala um português bem particular (bem mineiro, digamos) e pode ser o protagonista de piadas ótimas.
E aí eu recebi por email, esses dias, uma sequência de piadinhas de mineiro. Bobeirinhas, que fazem a gente rir um "cadin", uai!


O EMPRESÁRIO E O MINEIRIM!
Num certo dia, um empresário viajava pelo interior de Minas.
Ao ver um peão tocando umas vacas, parou para lhe fazer algumas perguntas:
- Acha que você poderia me passar umas informações?
- Claro, sô!
- As vacas dão muito leite?
- Qual que o senhor quer saber: as maiáda ou as marrom?
- Pode ser as malhadas.
- Dá uns 12 litro por dia!
- E as marrons?
- Tamém uns 12 litro por dia!
O empresário pensou um pouco e logo tornou a perguntar:
- Elas comem o quê?
- Qual? As maiáda ou as marrom?
- Sei lá, pode ser as marrons!
- As marrom come pasto e sal.
- Hum! E as malhadas?
- Tamém come pasto e sal!
O empresário, sem conseguir esconder a irritação:
- Escuta aqui, meu amigo! Por quê toda vez que eu te pergunto alguma coisa sobre as vacas você me diz se quero saber das malhadas ou das marrons, sendo que é tudo a mesma resposta?
E o matuto responde:
- É que as maiáda são minha!
- E as marrons?
- Tamém!


INDO PARA A PESCARIA...
Os dois mineiros se encontram no ponto de ônibus em Cocalinho para uma pescaria.
- Então cumpade, tá animado? pergunta o primeiro.
- Eu tô, home!
- Ô cumpade, pro mode quê tá levano esses dois embornal?
- É que tô levano uma pingazinha, cumpade.
- Pinga, cumpade? Nóis num tinha acertado que num ia bebê mais?!
- Cumpade, é que pode aparece uma cobra e pica a gente. Aí nóis desinfeta com a pinga e toma uns gole que é pra mode num sinti a dô.
- É... e na outra sacola, o que qui tá levano?
- É a cobra, cumpade. Pode num tê lá...


MINEIRIM COMPRANDO PASSAGEM
O mineirin vai a uma estação ferroviária para comprar um bilhete.
- Quero uma passage para o Esbui - solicita ao atendente.
- Não entendi; o senhor pode repetir?
- Quero uma passage para o Esbui!
- Sinto muito, senhor, não temos passagem para o Esbui.
Aborrecido, o caipira se afasta do guichê, se aproxima do amigo que o estava aguardando e lamenta:
- Olha, Esbui, o homem falou que prá ocê não tem passagem não!


A PESQUISADORA E O MINEIRIN
Uma pesquisadora do IBGE bate à porta de um sitiozinho perdido no interior de Minas.
- Essa terra dá mandioca?
- Não, senhora. - responde o roceiro.
- Dá batata?
- Também não, senhora!
- Dá feijão?
- Nunca deu!
- Arroz?
- De jeito nenhum!
- Milho?
- Nem brincando!
- Quer dizer que por aqui não adianta plantar nada?
- Ah! ... Se plantar é diferente...


MINEIRICE
Dois cumpadre de Beraba tavam bem sossegadim fumando seus respectivo cigarrim de paia e proseano.
Conversa vai, conversa vem, eis que a certa altura um deles pergunta pro outro:
- Cumpadre, u quê quiocê acha desse negóço de nudez?
No que o outro respondeu:
- Acho bão, sô!
O outro ficou assim, pensativo, meditativo...e perguntou de novo:
- Ocê acha bão purcaus diquê, cumpadre?
E o outro:
- Uai! É mió nudês do que nunosso, né mesmo?


UAI SÔ
Um mineirinho bom de cama, passando por New York, pega uma americana e parte para os finalmentes.
Durante a relação, a americana fica louca e começa a gritar:
- Once more, once more, once more...
E o mineirinho responde desesperado:
- Beozonte, Beozonte, Beozonte...

sábado, 13 de junho de 2009

Feliz Sábado!!


Ei, você aí, FELIZ SÁBADO!!!

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Pelo Dia dos Namorados


A namorada
Manoel de Barros

Havia um muro alto entre nossas casas.
Difícil de mandar recado para ela.
Não havia e-mail.
O pai era uma onça.
A gente amarrava o bilhete numa pedra presa por
um cordão
E pinchava a pedra no quintal da casa dela.
Se a namorada respondesse pela mesma pedra
Era uma glória!
Mas por vezes o bilhete enganchava nos galhos da goiabeira
E então era agonia.
No tempo do onça era assim.

Manoel de Barros in "Tratado geral das grandezas do ínfimo",
Editora Record - Rio de Janeiro, 2001, pág. 17

Imagem DAQUI

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Adivinhe quem é!



Não procure no google nem nos sítios de notícias.
Apenas tente reconhecer essa senhora.
Dê seu palpite nos comentários.
Amanhã eu conto quem é.

Bom feriado!!

Carpe diem!

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Mestres e aprendizes

Curiosamente, somos grandes mestres quando apresentamos alternativas para a resolução dos problemas dos nossos amigos, e pequenos aprendizes quando se trata dos nossos próprios conflitos.

Mas a beleza disso é que enquanto se ensina, também se aprende. E a experiência do outro é um laboratório para nós mesmos.

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Penumbra


A penumbra é terrível porque é como se você vivesse num trecho entre o dia e a noite; é quando você se encontra num ponto de transição da luz para a sombra. E ali, talvez você quisesse que seus olhos não vissem nada; mas eles veem: contornos, vestígios, sombras, figuras sem forma, que assustam, atemorizam, às vezes até enfraquecem a vida.

Trata-se de uma área escura, mas não exatamente um negrume total. E chega a agonizar, estar na penumbra. Você luta para discernir aquilo que seus olhos veem; quer identificar as formas; quer luz. Uma vida vivida na penumbra é capaz de enlouquecer uma pessoa. Imagine... durante anos e anos... parado naquela zona de transição. Só vultos, silhuetas, nenhuma definição... Não dá.

Você pode até pensar na penumbra para o começo de uma noite de amor, pensar na penumbra como um momento que antecede a descoberta, o prenúncio daquilo que logo você vai ver, em plenitude, porque haverá luz, definição. Mas pense numa vida inteira na penumbra, sem nunca conseguir chegar à visão absoluta, à imagem completa, à visão clara e exata daquilo que só via em parte. Não dá...

Atravesse. Passe da margem. Procure a luz.

Desde criança aprendi sobre "ser a luz do mundo"; também ouvi sobre o "Sol da Justiça", a "estrela da alva", sobre ser quente ou frio, não morno. Definição. A penumbra não é o equilíbrio entre a luz e as sombras; é muito menos. É aquela incômoda faixa intermediária... apenas uma zona de passagem, um ponto de transição. Não se pode permanecer numa área de passagem; é preciso atravessar, chegar ao outro lado. E então, será preciso recomeçar.

Este é um novo dia pra você e pra mim.
Amanheceu, embora haja tantos na penumbra. Não é suficiente sair da escuridão. É preciso ultrapassar a penumbra. Chegar à luz. Ver com plenitude. Completamente.

Traga alguém para a luz, quem sabe você mesmo.
E tenha um bom dia! Mas bom dia mesmo!

sábado, 6 de junho de 2009

Feliz Sábado!!

Hoje é o dia que o Senhor nos deu!
Regozijemo-nos e alegremo-nos nele!
Feliz Sábado!!

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Daqui a pouco ela está chegando...


Não... Não só a mala. A mala, a minha primuska e tudo o mais.
É que a alegria, quando vem, vem sempre acompanhada.

Sejam bem-vindos!!!

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Avante!

Às vezes você precisa dar DEZ passos pra trás, para seguir em frente...
Pode ser difícil recuar, quando se quer ir adiante... mas já percebeu que nenhum automóvel é fabricado sem a marcha-ré?

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Tragédia


Confesso que ando me recusando a acreditar, mas agora as evidências já são enormes demais para continuar negando...
Na manhã da última segunda-feira amanheci ainda sorrindo pela estreia do Adriano no Flamengo, pela vitória do meu time... Sentei-me aqui, nesta mesma cadeira, para começar mais um dia de trabalho e abri a página do noticiário. Ao me deparar com a manchete, dando conta do "desaparecimento" de uma aeronave durante a noite/madrugada, uma sensação estranha tomou conta de mim. Uma agonia que não sei descrever.

Não tenho parentes nem amigos (ao menos que saiba, até agora) que tivessem embarcado naquele voo, mas não é preciso conhecer alguém para sentir a dor da tragédia... Pouco comentei sobre o acidente. Na minha mente, cada vez que surgia a imagem de pessoas lutando para sobreviver no meio de um oceano, na madrugada, em águas geladas, cada vez que eu pensava em hipotermia, em literalmente morrer de frio, eu trocava o filme e sonhava com um sequestro, para imaginar o menos. Não sei traduzir em palavras os sentimentos, as sensações. Só sei que o tempo inteiro eu queria pensar num sequestro... Melhor viver um trauma do que não viver mais a vida.
Os destroços, a poltrona, todas as evidências, e eu desejando que fossem restos de qualquer outro acidente anterior, na história.

Mas não dá mais pra pensar assim...

A Aeronáutica já confirmou, os destroços são mesmo do avião da Air France. A região onde foram encontrados, uma das mais hostis do oceano, correntes marítimas fortíssimas.

Acabou o sonho.