segunda-feira, 29 de abril de 2013

American Idol

Gosto de acompanhar o programa. Vejo os episódios quando tenho tempo, porque não acompanho às sextas à noite; deixo gravando e, assim que tenho chance, grudo os olhinhos na tela e fico ali na torcida como se estivesse "ao vivo". Confesso que nenhum dos candidatos me deixou tão "obcecada" (pra usar a expressão que os jurados tanto amam!) quanto fiquei com o meu querido David Cook, na 7ª temporada, mas curti muito o Burnell - inclusive pela sua história - e admito que as meninas estão mandando muito bem. Lazaro é um guerreiro, e estou certa de que tem se mantido no programa muito mais pela sua luta e história pessoal com a gagueira, do que, exatamente, pela sua voz. Mas o programa é assim mesmo. São pessoas votando em pessoas e não apenas na capacidade vocal dos concorrentes. A Amber me lembra demais uma aluna minha; a Candice tem um tremendo de um vozeirão!; a Kree é a cara da Rose, aquela vizinha do Charlie em "Two and a Half Men" - não consigo parar de pensar nisso enquanto ela canta; e a Angie, tirando as caras e bocas, é perfeita, ainda mais quando toca piano!
Com todo o talento da galera, eu preciso confessar que é um espetáculo à parte a performance da Nicki Minaj! Além de me fazer rir com seus comentários (ela mesma se diverte com o que fala!), seu indisfarçável descaso com Mariah Carey se manifesta até na posição da cadeira quando os jurados opinam sobre as apresentações. Um show!
Enfim, chegando na reta final e em sua 12ª edição, American Idol tem fôlego pra muitas outras temporadas. E continua interessante, mesmo com a total ausência de química entre os jurados, nesta edição - ou até mesmo por isso.


P.S. A beleza do Keith Urban é outro es.pe.tá.cu.lo.

sábado, 27 de abril de 2013

Seja amável e cortês.
Expulse a melancolia.
Viva com alegria.
Espalhe disposição, ânimo e esperança.
Desperte o amor nos outros e aja com bondade.

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Melhor ser feio e poder viajar do que bonito e ter que voltar pra casa...

Esse é o cara!
Um dos três, aliás.


Pobrezinho... saiu dos Emirados Árabes para um evento na Arábia Saudita e foi, simplesmente, DEPORTADO. Só por ser "bonito demais"...
Veja a reportagem AQUI, pra ter certeza de que o assunto é sério. E veja as fotos AQUI, pra tirar suas dúvidas a respeito da boniteza do moço.

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Copiando...

Sabe aqueles textos que não carregam junto os créditos? Pois este é um desses. Resolvi postar assim mesmo, depois de ler no mural de um amigo, no Facebook, e encontrar ali duas ou três frases que me sacudiram. É que a gente tem a triste tendência de ir vivendo a vida sem a devida intensidade. E vai passando pelos dias como quem corre uma maratona. Mas isso não é viver bem...
Pode ser que nada disso lhe diga alguma coisa; mas pode ser que você acorde pra algum detalhe que está deixando passar... Seja lá como for, não encare isso como um texto de "autoajuda". É um puxão de orelha mesmo!

Jogue fora todos os números não essenciais para sua sobrevivência.
Isso inclui, idade, peso e altura.
Deixe o médico se preocupar com eles. 
Para isso ele é pago.
Frequente, de preferência, seus amigos alegres. 
Os de " baixo astral" puxam você para baixo.
Continue aprendendo...
Aprenda mais sobre computador, artesanato, jardinagem, qualquer coisa.
Não deixe seu cérebro desocupado.
Uma mente sem uso é a oficina do diabo. 
E o nome do diabo é Alzheimer.
Curta coisas simples. 
Ria muito e muito e alto. 
Ria até perder o fôlego. 
Lágrimas acontecem. 
Aguente, sofra e siga em frente.
A única pessoa que acompanha você a vida toda é você mesmo.
Esteja vivo, enquanto você viver!
Esteja sempre rodeado daquilo que você gosta: família, animais, lembranças, música, plantas, um hobby, o que for.
Seu lar é o seu refúgio.
Aproveite sua saúde. 
Se for boa, preserve-a.
Se está instável, melhore-a.
Se está abaixo desse nível, peça ajuda.
Não faça viagens de remorso.
Faça uma viagem ao Shopping, para cidade vizinha, para um país estrangeiro, mas não faça viagens ao passado.
Diga a quem você ama, que você realmente os ama, em todas as oportunidades.
E lembre-se sempre que: a vida não é medida pelo número de vezes que você respirou, mas pelos momentos em que você perdeu o fôlego: de tanto rir...
De surpresa...
De êxtase...
De felicidade...

quinta-feira, 11 de abril de 2013

"Porque quando me sinto fraco, então é que sou forte."

"Porque quando me sinto fraco, então é que sou forte."

No último domingo, dia 07, passei por uma experiência extremamente desagradável, mas não incomum no Rio de Janeiro e nas grandes metrópolis.
Durante a tarde cheguei a postar numa rede social: "Um domingo qualquer" - porque até ali o dia estava sendo até bastante sem graça. Mas eu não sabia que teria emoções tão grandes, antes que a segunda-feira chegasse.

Depois de uma noite tranquila, abençoada, festiva, teatral, gastronômica, e de muita alegria, com meus amigos e irmãos de fé, fui deixar uma família em casa, para que eles não precisassem ir caminhando às nove e meia da noite.

Após deixá-los na porta de casa, sem perceber que estava sendo seguida por dois indivíduos em u'a motocicleta, fui rendida na esquina da rua seguinte, e perdi meu carro, minha bolsa, carteira, documentos, cartão de crédito, iPad, e alguns livros.

Simulando estar armado, um deles me ameaçou, e por alguns minutos nos confrontamos: eu pedia que ele tivesse calma, avisei que estava nervosa com a situação e ele não sabia como dirigir um carro "hidramático" (" - é hidramático, é hidramático?" ele perguntava. "- como eu ligo esse carro, como é que eu faço pra andar???).

Já me sentindo impotente, fraca, diante dos fatos, eu desisti e ele finalmente fez o carro andar. Eu já estava fora, já havia lançado longe o celular (sem que ele percebesse), e vendo o carro ir embora, fiz alguns contatos por telefone; as pessoas vieram ao meu encontro, cuidar de mim, (e como veio gente!! pessoas que estavam comigo 20min antes e que saíram de novo de sua casa para me encontrar); e ainda recebi o apoio de moradores da rua, que ligaram para o 190.

"...quando estou fraco, então é que sou forte", dizia S.Paulo.
Pois eu repito suas palavras.

Apesar do trauma, do crime, da angústia de ver-me fraca, não sofri violência física, não fui levada dentro do carro, não houve o chamado "sequestro relâmpago", não vi nenhuma arma, não machucaram meu corpo... Senti-me forte e protegida.

As forças do mal que tinham ído "pra pista", revoltadas com o domingo maravilhoso que eu tivera, só levaram meus bens materiais. Deus é mais e cuidou paternalmente de mim. Na luta do mal com o bem, esse último sempre prevalece.

Obrigada, meus amigos!
Obrigada, meus caros desconhecidos da rua!
Obrigada, meu Deus!!

Deus não pode impedir alguém de fazer o mal, se esse alguém não quiser. Mas Ele pode agir para evitar que o mal a que todos nós estamos sujeitos não nos faça um estrago demasiadamente forte, do tamanho que não possamos suportar.

quarta-feira, 3 de abril de 2013

Paulo Freire

Quando você é professor, não importa que se afaste do exercício da profissão, você continua sendo um educador, ser professor continua sendo sua paixão, e você vai sempre se emocionar com as coisas ligadas à educação. Foi o que me aconteceu hoje cedo, quando li sobre os 50 anos da primeira turma de alfabetização de adultos de Paulo Freire. 300 adultos se formaram nesse curso de alfabetização em 40 horas. Sim! 40 horas para alfabetizar um adulto. Que desafio! E que sucesso!! 

"Patrono da Educação Brasileira" (Lei n. 12.612/12), Paulo Freire nasceu em Recife/PE e foi alfabetizado por sua própria mãe, aprendendo a escrever com pequenos galhos de árvore no quintal de casa; sofreu com as necessidades de uma família pobre, e formou-se educador e filósofo.

Acusado de subversão pelos militares, ficou 16 anos exilado, mas voltou. Depois dos 5 primeiros anos de exílio no Chile, escreveu, no outono de 1968, a "Pegadogia do Oprimido", uma obra que até hoje é referência para a educação e para a filosofia. Paulo Freire foi uma tremenda influência para os educadores de muitas partes do mundo, mas especialmente do Brasil e da África e suas obras foram traduzidas para muitos idiomas. Lecionou em Harvard, ganhou dezenas de títulos de Doutor Honoris Causa, recebeu prêmios da ONU e da OEA... enfim, um grande admirável homem, que abraçou a educação valorizando o ser humano, tratando da liberdade, falando em opressores e oprimidos, humanização e desumanização, e destacou-se por seu trabalho na área da educação popular, ligando a escolarização à formação da consciência política.
Falar de Paulo Freire me faz ter saudades das salas de aula...

Comemoremos hoje os 50 anos da Revolução Freiriana!!