quarta-feira, 8 de julho de 2009

O imigrante

Tenho alguns amigos portugueses. Não são amigos virtuais, porque a amizade é real, o carinho é verdadeiro, e sinceramente gostamos uns dos outros. Mas já experimentei a sensação do pior dos preconceitos contra a mulher brasileira, aqui mesmo, nos comentários dos posts; coisas escritas por desconhecidos.

Tudo bem, vamos admitir que talvez tenha sido um grande mal entendido, talvez tenha sido uma coisa "inocente", talvez o outro nem tenha percebido a postura preconceituosa, mas o preconceito, geralmente, não abre espaços para o desfazimento de equívocos.

Numa outra vez, precisei passar a monitorar as repostas, pois vinham em comentários anônimos, em posts antigos e novos, com xingamentos descabidos e completamente despropositados, sem nenhuma vinculação a minha pessoa ou ao conteúdo do blog, mas unicamente pelo prazer de incomodar a todos...

Mas, veja bem, eu continuo no meu país, e jamais sofri isso "na pele", ao vivo e a cores, o que já é uma tremenda vantagem em relação às pessoas, mulheres, principalmente, que se mudam e sofrem toda a espécie preconceito.

O tema é tese de Mestrado de Letícia Barreto, uma paulistana, artista plástica, que expõe, na tela, a sua pesquisa. Vale a pena ler a reportagem e repensar nossa postura diante das diferenças, porque em maior ou menor medida, todos nós, em algum momento, fazemos também nossos conceitos prévios a respeito dos outros...

A abordagem da mestranda está sendo feita em Portugal, mas a realidade nos mostra que o preconceito alcança qualquer tipo de imigrante em qualquer lugar do mundo. Variam as nuances, talvez a intensidade, mas é preconceito, e seria melhor que nós trabalhássemos isso, como nacionais e como imigrantes, porque somos todos, na verdade, cidadãos do mundo.

15 comentários:

Custódia C.C. disse...

Esse é um tema forte. O preconceito não existe só em Portugal com o imigrante Brasileiro, mas sim em todo o Mundo com qualquer tipo de imigrante. E nós Portugueses sabemos bem o que isso é porque imigramos há muito, muito tempo.
A minha experiência com brasileiros residentes em Portugal tem sido óptima, mas conheço dois ou três casos de total incompatibilidade de integração.Quando a coisa corre mal é todo um novelo difícil de desenlear. Por outro lado o problema está nos extremos. Não somos todos bons (nós e os imigrantes) mas também não somos todos maus. Tudo depende do respeito e da tolerância de cada um. Como se diz por aí "a minha liberdade acaba onde começa a do outro!"
É bom saber que nós contribuímos para uma convivência saudável e tolerante :):)

Suzi disse...

Tem razão, Ccc. Faltou anotar isto, no post, e já vou fazer a correção. A abordagem da mestranda está sendo feita em Portugal, mas é realidade no mundo inteiro, com qualquer tipo de imigrante, independentemente da sua origem. Variam as nuances, mas o preconceito é sempre o mesmo.
Quanto às mulheres brasileiras, especificamente, o próprio país tem sua parcela de culpa, já que durante muitos e muitos anos divulgou as mulheres em trajes sumários como parte de sua beleza natural... Lamentável. tenta-se corrigir isso, agora, mas ainda vemos cartões postais nas bancas de jornal de Copacabana, p.ex., em que a praia encontra-se em segundo plano, porque o foco, na fotografia, são mesmo as mulheres de biquini. E neles se lê: "Lembrança do Rio de Janeiro" ou, meramente, "Rio de Janeiro".
:o\

Amigao disse...

Pois é, tema dificil este.
O preconceito com os de fora é muito grande em qualquer lugar.
São Paulo, por exemplo há preconceitos enormes com os nordestinos e nortistas.
Beijão,
Amanha é feriado por aqui.

Suzi disse...

Parece que vivemos num mundinho particular, esquecendo-nos que a diferença está aí e muitas vezes é na diversidade que encontramos alegria, soluções, motivos para sorrir, às vezes para chorar, mas nunca, nunca deveria, a diferença, ser motivo para ódios e divisões...

Aproveite o feriado, que bem poderia ser um feriadão e te trazer pro Rio, né? rsrsrsrs

Luís F. disse...

Muitos portugueses (e não são assim tão poucos) que emigram sofrem do mesmo problema. Como dizes, acontece com quase todos os que procuram trabalho e melhores condições de vida longe do seu país. Infelizmente é assim. A situação dos brasileiros em Portugal é mais evidente porque existe um grande fluxo de entradas muito por causa da língua comum. Alguns ficam e outros procuram a sorte noutros países da Europa. Trabalhei com muitos brasileiros e tenho, ainda, alguns colegas brasileiros. Nunca tive qualquer problema pessoal com eles. Uns são melhores que outros, mas isso acontece também com os portugueses, os espanhóis os franceses, etc., etc. …

Suzi disse...

Os portugueses, aqui, também sofrem com o preconceito; em muitas situações, têm igualdade de direitos aos brasileiros natos, e isso também desperta uma certa animosidade... Na verdade, acho mesmo que tudo gira em torno da consciência e da conscientização de que somos cidadãos do mundo. Seria bom que estudos assim nos fizessem refletir e nos ajudassem a melhorar nossa pátria: o mundo.

Éverton Vidal disse...

Beleza Suzi. Vou olhar.

Carlota Joaquina disse...

E quando os brasileiros dizem que as mulheres portuguesas têm bigode?

Eu preferia que me achassem esbelta, formosa, cheia de curvas, e boazona como chamam ás suas compatriotas (mil vezes)...

Achar que isso é desmerecedor e rebaixa a imagem da mulher Brasileira no mundo é pura TOLICE.

Eu sou cidadã do mundo,cada vez mais, e não entro nessas palermices, nessas jogadas de patriotismos exacerbados, foi assim, usando as palavras de uma boa amiga alemã, que o Hitler chegou onde chegou...
Deixem-se lá disso, divirtam-se o máximo que conseguirem, sejam tolerantes e amigos, seja do preto, do verde ou do amarelo, todos têm algo a ensinar e nós a aprender.
E vivam as mulheres Brasileiras que conseguem superar em fama os homens...
Eu sou mulher, e jamais teria vergonha de o ser, se achassem as mulheres do meu país boazonas, terei que admitir que mulheres de bigodaça, é mesmo muito mais desagradável. não acha?

Suzi disse...

Olá, Éverton!!
Saudade!

Suzi disse...

Oi, Carlota,
tens razão. Mas esse lance de bigode é "zoação", como se diz por aqui; e a fama de "boazuda" chega a ser lisonjeira, mesmo. Se compararmos sob esse enfoque, eu te dou total razão.

O que nos incomoda, no entanto, é a ideia de que somos todas "profissionais do sexo", "prostitutas", e talvez porque nós mesmos, brasileiros, tenhamos explorado mais o desenho do corpo das mulheres e o turismo sexual do que qualquer outra coisa, na divulgação do país...

Uma coisa é ser feminina, sensual, atraente, "boazuda", como dizes. Outra, diferente, é ser vista, ao se dizer brasileira, como "mulher fácil", como se diz aqui. "Mulher fácil de vida difícil"...

No "orkut" tem uma comunidade, inclusive, muito interessante: "Sou legal, não tô te dando mole" (que, traduzindo, quer dizer: Eu sou apenas uma pessoa simpática, divertida, bacana; eu não estou com segundas intenções contigo.) LOL
Logo, dá pra perceber que até aqui nos confundem!!!!

Gostei de te receber aqui. Volta sempre. A casa está sempre de portas abertas.
Grande abraço.

Carlota Joaquina disse...

Viva Suzi,

Nesse " orkut" que pelo que sei é uma espécie de facebook, deve aparecer de tudo, não?
Até violador ou pedófilo?
Na verdade, nós nunca sabemos quem está do outro lado.Certo?
Então porque tanta importância?
Eu e mais meia dúzia de amigos o que privilegiamos mesmo é o sentido de humor, mas existem também por aqui, esse tipo de mulheres que dizem aquela coisa do " eu não costumo fazer, eu não costumo ler, ou ver isto, eu sou muito caseirinha, querida e não costumo falar ou encontrar-me, com desconhecidos "...é mentira, PURA MENTIRA. Isso é " coisa " para impressionar, ninguem liga...

Certa vez eu conheci um " retalhinho " do brasil, garanto-lhe que o que guardei na memória foi muito mais que " boazudas "...retive a ALEGRIA e o ACOLHIMENTO e isso me bastou.

No respeitante ás profissionais do sexo, para mim não tem isso de prostituição ou mulher oferecida, que confesso, respeito absolutamente da mesma forma que outras mulheres (as certinhas)...até porque repare, você acha que não existe muitas vezes prostituição dentro de uma relação (normal)de casais?
Até penso que as respeito mais, já imaginou o que é ir para a cama diariamente com um homem que não se gosta? Não deve ser fácil não é? depois os motivos só a elas pertencem, afinal não são donas do próprio corpo?

Voltando ao Brasil, repare por analogismo, então quando vamos á Holanda, vamos ao País das " mocas " (droga), ou vamos pensar nas tulipas e outras espécies fantásticas?
O Brasil tem um povo alegre, bem disposto, que consegue rir mesmo quando a vida não lhes dá motivos para isso, e isso sim é soberbamente INVEJÁVEL.

Voltando ao bigode, o que é essa coisa de "zoação"? acredite também por favor que nem todo o mulherio aqui tem bigodaça, eu e as minhas amigas temos os buçozitos bem aparadinhos, nada desses prolongamentos filiformes, mas não sei como serão as modas amanhã, quem sabe.

Não é simpático pensar que temos compatriotas, assim ao jeito do BORAT, mas que podemos fazer? esperar que venham cá todos os Brasileiros para nos conhecer?

Já que abriste a porta da tua " casa " deixa-me dizer-te, sem preconceito (não sei se conheces Portugal), não deves embarcar em teses e " diz que disse ", e permite-me um ensinamento, posso?

-Não leves a vida tão a sério!

Se eu fosse Brasileira e acredita com sinceridade, não desprezaria, e se me chamassem " boazuda ", levantaria o nariz, empinava o meu esqueleto, e seguiria firme na calçada, como se desfilasse na passerelle, mas se isso me perturbasse aplicaria o sempre útil ditado popular " ...os cães ladram, mas a caravana passa..."

com simpatia
Carlota Joaquina

Suzi disse...

Que bom que voltaste, Carlota! Que bom!
Mais uma vez concordo contigo em muito, muito mesmo, do que dizes.
Vamos às traduções (LOL):

O orkut é mesmo um espaço louco mas interessante. Pra teres ideia de como a coisa tomou proporções inimagináveis, empresas chegam a consultar o perfil do candidato, no orkut, como parte do processo seletivo; e são empresas sérias, muitas vezes. Depois que a informação vazou, o recurso já não tem sido mais tão utilizado, porque, sabendo, as pessoas passaram a manipular as informações, também.
Como as pessoas vão se vinculando a essa ou aquela "comunidade", a gente tem uma ideia (ainda que não precisa) de quem é o outro (mais uma vez, sem que se esqueça dos "fakes" e tal - nunca sabemos realmente quem está do outro lado).
A comunidade do "sou legal, não tô te dando mole" é daquelas do tipo divertidas, mesmo. Tal qual aquelas do tipo "para de falar e beija logo", "liberdade para os anões de jardim", "Chico Buarque. Eu beijaria", e coisas assim...

Eu, particularmente, não dou "tanta importância". Este post foi escrito em razão de ter lido a matéria, na "Globo.com" que é minha página de abertura no IE. Resolvi comentar, até pelos lances que haviam acontecido aqui no blog, um tempo atrás. Um deles, como eu até mencionei, provavelmente fruto de um tremendo mal entendido (da minha parte) e outros em que todos entendiam muito bem... rsrsrsrsrs

Se acompanhares o blog verás que bom humor não me tem faltado, e que não levo a vida assim "tão a sério", como terminaste por imaginar ao ler este post. De "escrivinhações" são mais de três anos, e da leitura se pode perceber um pouco do meu modo de encarar a vida e as coisas. De todo modo, é sempre apropriado um conselho desse tipo, pra que nunca se perca de vista que a vida é bela de mais e longa de menos, pra que se perca tempo e energia com pequenezas.

p.s.
depois lê esse post, do qual me lembrei quando li o último parágrafo do teu comentário.
"...é a comunidade solidária" (LOL)

Abraços!
:o)

Suzi disse...

p.s.2
AINDA não conheço Portugal.
Ainda.

Carlota Joaquina disse...

E a zoação o que significa?

Suzi disse...

ops! esqueci da "zoação".
bem... é do verbo "zoar" (LOL).

zoação é uma gíria carioca para dizer que se está brincando com alguém, fazendo brincadeira, piada. "zoar" significa brincar, curtir, divertir-se.