quinta-feira, 30 de julho de 2009

Salve-salve Mario Quintana


SEISCENTOS E SESSENTA E SEIS

A vida é uns deveres que nós trouxemos para fazer em casa.
Quando se vê, já são 6 horas: há tempo...
Quando se vê, já é 6ª feira...
Quando se vê, passaram 60 anos...
Agora, é tarde demais para ser reprovado...
E se me dessem - um dia - uma outra oportunidade,
eu nem olhava o relógio
seguia sempre, sempre em frente...

E iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas.



Mario Quintana in "Esconderijos do Tempo"
Mario Quintana, Poesia Completa, Ed. Nova Fronteira, pág. 479
Feliz Aniversário, querido Mario-Imortal-Quintana!

5 comentários:

Camila disse...

O Mário Quintana escreve e a gente lê a gente nos textos dele, não é?

Beijos, querida!

Du disse...

Adoro...

Beijos, boa tarde!

J@de disse...

Pois é, a gente vai fazendo o que dá tempo e aproveitando...
Maravilhoso Mário Quintana!!
Beijos!!

Mônica disse...

esse estará semprer vivo!

Luciana disse...

Lindo poema, bela escolha!

Beijos!