terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Emoções


Durante estes primeiros três meses de 2011 vou estudar um pouco sobre as emoções. E nesta semana o tema é a ansiedade.
Eu acho que a preocupação é um dos maiores fardos que alguém pode carregar. E livrar-se da ansiedade talvez seja nossa maior necessidade. Eu realmente acredito que estar feliz e confiante é uma bênção. E aqui está uma outra verdade: eu sempre prefiro a felicidade e a confiança, no lugar da angústia e da preocupação.

É que a ansiedade tem a ver com as incertezas, com a dúvida, o não saber; ela afeta você emocionalmente e causa um estrago incrível no corpo inteiro! Começa na mente mas invade seu corpo todo; vai corroendo você todinho; você se sente debilitado fisicamente quando se deixa levar pelas preocupações; e fica a poucos passos de um abismo ridículo e profundo chamado depressão. Só pensa nisso, só fala nisso, só sofre. Ah, não! Tô fora!

Curiosamente, um mesmo fato, além das diversas leituras, permite diversas reações. Eu confesso que já não me apavoro, diante das situações que abalam minhas emoções. Admito, entretanto, que minha primeira reação é a taquicardia - o primeiro passo para a ansiedade tomar conta de mim. O coração acelera. Dou uma tremida. Arrepio, até. É aí que eu procuro as minhas opções. E, definitivamente, faço esforço, se for preciso, mas elimino a ansiedade. Digo cheia de convicção: "Chega! Sai fora!" Mais de dez minutos com coração acelerado eu não me permito. Respiro fundo. Três, quatro, dez vezes, se for preciso. Engulo seco, às vezes. Seco a lágrima, quando escorre. Estalo os dedos. Faço um alongamento. Oro. Não penso muito. Esqueço um pouco. Adio decisões, se for o caso. Não assino o papel, não compro, não vendo, não ajo de imediato. Dou um tempo. Dou ao outro o benefício da dúvida, se for o caso. Dou uma volta. Dou um pulo na sala, pego minha bomboniére e escolho um chocolate bem gostoso. Dou uma de forte. Lembro de Paulo... "então é que sou forte." Passo um batom bem vivo. O que importa é afastar a ansiedade e a preocupação. Desviar o foco. Mudar de assunto. Não deixar render. Não alimentar a angústia. Não se apegar às dúvidas. E se agarrar nas certezas.

Passadas algumas horas, meu corpo não me nega um sorriso. A mente, liberta da ansiedade e das preocupações, está pronta para trabalhar com independência. Você consegue pensar com liberdade. Que delícia! Percebe que perdeu pouco tempo da vida com a preocupação, desta última vez. E já está de novo com o pé na estrada, vivendo.


Quando a gente se afoga na preocupação e na ansiedade, perde energia, alegria, perde o viço, perde até a paz. É um preço muito alto. Não tenho bala na agulha pra isso...

E você? Como é que lida com as suas ansiedades?

3 comentários:

Custódia C.C. disse...

Suzi

Tu já disseste tudo.
Talvez seja coisa de Sagitário, mas também me agarro a tudo o que tenho à mão para que ela não se instale. E tenho sido bem sucedida até agora

Suzi disse...

É... talvez seja coisa de Sagitário. Dizem por aí que são otimistas incuráveis!
:))

JEANSECAMISETA disse...

“Pai! Não peço que tu os tires do mundo, mas que os livres do mal!”
Quando a gente entende isso, entende melhor ainda o que Paulo disse:
“O mundo está morto para mim e eu para o mundo!”
A única forma de se viver no mundo é tendo o mundo como uma categoria morta para nós.
“Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele”.
Te desejo PAZ.
Bjim