domingo, 6 de setembro de 2009

Chove, chuva.


Domingo chuvoso, no Rio de Janeiro.
Desde que voltei de viagem meus dias parecem ter poucas, muito poucas horas... Estou entrando na terceira semana de trabalho pós-férias e ainda não consegui zerar minha mesa. Já consigo ver as pessoas que estão do outro lado, mas a sensação de que o dia não tem mais 24 horas está ficando muito forte na minha cabecinha.

Se não venho aqui, não escrevo; e também não visito ninguém... E assim os dias vão passando; parece que tenho vivido apenas para o trabalho e chego a pensar que é o preço a ser pago, por ter tido férias tão fantásticas. Uma espécie de punição... Às vezes temos dificuldade de analisar as coisas separadamente. Uma coisa é a bênção de umas férias maravilhosas; outra, que não tem nada a ver com isso, é o acúmulo de trabalho, decorrente da falta de pessoal no setor. Mas a gente é tentado a sentir culpa. Estranho, isso.

Paralelamente, e porque sua vida não se resume a férias, período aquisitivo, período concessivo, e férias de novo, ainda existe a sua vida pessoal, as relações afetivas, o que também demanda tempo e dedicação. Então eu acho que, de certa forma, conseguir equilibrar tudo isso sem desencadear uma crise de "stress" é uma reverência, uma espécie de gratidão por todas as coisas legais que eu vi e vivi, pela "abstinência jurídica". Mas confesso que eu não estou sendo suficientemente grata, ou, digamos, talvez eu não esteja conseguindo equilibrar satisfatoriamente as coisas. Então...

Domingo de chuva, no Rio de Janeiro. Tarde sem graça e sem cor. Noite fria. Além da temperatura. Sempre que chove, uma parte de mim também chora...

4 comentários:

Estava Perdida no Mar disse...

Nossa, e eu q ainda to de férias e nem vou viajar pq vou usar o tempo para procurar um novo emprego.
Beijos
Q tudo se resolva ai na sua mesa

Suzi disse...

E que tudo se resolva aí pra você também, Perdidinha. Tudo vai dar certo, no final.
;o)

Custódia C.C. disse...

Não deixes que a chuva e a falta de tempo te inquietem!
Vai fazendo por prioridades. Sem dares por isso as coisas entram nos eixos e recuperas os teus ritmos. As férias são para saborear antes, durante e depois - ainda que o depois seja muito, muito preenchido :)

Lilica disse...

Pois é Suzi: vivemos uma fase de turbulência no trabalho né! Mas há de passar! Por enquanto aproveitemos os feriadinhos para tentar, ao menos, visitar os bloguinhos amigos e colocar o papo em dia.
Hoje aqui em Sampa o sol deu o ar da graça!
Beijos