segunda-feira, 5 de novembro de 2007

Lusa - A matriz portuguesa * até 10 de fevereiro

Abertas as comemorações pelos duzentos anos da chegada da família real portuguesa ao Brasil, fui ver a exposição LUSA - A matriz portuguesa, ontem, no Centro Cultural Banco do Brasil. Jóias, mapas, objetos sagrados, objetos profanos, muitas esculturas, documentos, vídeos, sons, ocupam dois andares do CCBB. Obras vindas de museus de Portugal, de 38 renomadas e respeitadas instituições portuguesas.

A mostra é bem legal. Uma viagem às origens da "terra-mãe", evidenciando as diversas influências que construíram a identidade Portugal - a mais acentuada parte européia da construção da nossa identidade. Bem legal ver as marcas do cristianismo, do islamismo e do judaísmo retratadas na exposição. Particularmente, achei o máximo um papiro da Rainha Ester que estava exposto. Reler ali a história que ouvi desde criança, da bela e inteligente rainha, me deu uma certa emoção. Ver um documento que pertenceu a ela, ali, bem pertinho, depois de tanto tempo, preservado... Muito legal!

Outra coisa bastante interessante foi ver a restauração das peças de cerâmica, dos cântaros, dos pratos e vasos, azulejos; as jóias... Um tal de torques, que era um tipo de colar todo em ouro maciço, minuciosamente decorado, lindo mesmo, com detalhes em rosas de pétalas trabalhadas, e que era uma jóia belíssima e de simbologia. Guerreiros, inclusive, a usavam.

E há uma escultura de quase dois metros, em granito!, na qual se pode ver um desses guerreiros, de torques.






Não vou contar tudo, pra que você não perca a vontade de visitar. E quando estiver lá, dê uma olhada no menorá - candelabro - todo em ouro. Lindíssimo. Muito lindo.
Havia também uma foto do Vasco da Gama, mas eu não vou dar ibope pros vascaínos e não vou colocar aqui a foto do moço.

Enfim, era uma tarde chuvosa de domingo. Se eu tivesse deixado a preguiça me dominar não teria passeado pela cultura portuguesa e teria desperdiçado uma deliciosa oportunidade de almoçar ali, no mezanino, comentando as belezas vistas e perplexa por ler tantas palavras desconhecidas. Afinal, a dúvida permaneceu: falta-me cultura, para saber, de cara, o que é uma estela, por exemplo, a ponto de ter de concluir, pela obra, do que se trata, ou esse tipo de coisa só mesmo gente da área, como o Ross Geller, o paleontólogo de Friends, é que sabe, assim obviamente, do que se trata?? E um báculo?? Pois é... É um cajado. Eu deveria saber? Isso é óbvio??

Cheguei a pensar em voltar com lápis e papel na mão, para anotar as palavras novas, para depois aprender, em casa.
Vale a dica, pra quem tem o vocabulário tão restrito, como o meu.
E outra dica: se for almoçar no mezanino, esteja em muito boa e bela companhia, porque, embora o atendimento seja agradável, a comida não é lá essas coisas. Aliás, é bem fraquinha, mesmo, apesar das atraentes opções.

(Isto aí acima, à direita, é um báculo. Vai me dizer que você sabia, desde sempre!?)

16 comentários:

J@de disse...

Tá vendo o que dá ficar fazendo faxina em vez de ler jornal? Nem sabia, podia ter trazido o filhte ontem!! Mas tem tempo, vou ver!!
Muito interessante!!
Beijos!!

Suzi disse...

Mais três meses a sua espera, J@de.
E leva o caderninho.
;o)

Bj!

Ana D disse...

Vim atualizar a leitura. Muita poesia e cultura rs...Agradeço o bom gostyo deste blog ! rsrs..Me faz bem ! abraço !

Nessita! disse...

bah, bem que queria ver essa exposição!!! :D

Mônica disse...

tanta coisa boa pra ver.....vai pra lista, boneca...

* sinto q precisamos bater um papinho via Graham Bell, né? tratarei disso amanhã...

beijos

Luís F. disse...

Muito interessante... A nossa História é riquíssima!

legivel disse...

... cultura é aquilo que a gente lembra daquilo que vamos apreendendo e o que nos merece mais atenção... que é impossível pretender dominar muitas áreas a fundo. Minha nossa!? essa do báculo juro que não sabia, mas prefiro a designação de cajado.

Então a menina não dá vantagem aos vascaínos?! meu tio, que viveu (e faleceu) a maior parte da sua vida aí no Rio, era torcedor do Fla.

beijos deste lado do Atlântico.

Rui Caetano disse...

Mas qyue óptimas sugestões. Muita coisa para ver.

guiga disse...

Eu admito que não conhecia as palavras! lol
Eu adoro exposições, adoro aprender.
Se estivesse aí, com certeza iria ver! :)

Beijos *.*

Suzi disse...

Que bom que os ares daqui te fazem bem, Ana D.!!
Abraço!
;o)

Suzi disse...

Ô, Nessita, faz as malas e vem pra um final-de-semana!
;o)

Suzi disse...

Mumumu, sabe o post de hoje? Pois é... tanta coisa pra fazer... nem tempo de uma ligadinha. Mas precisamos mesmo nos falar. O sol já voltou, aqui. E aí?
;o)

Suzi disse...

E a nossa história, aqui, Luís F., é um pouco decorrência da história daí.
Bom ver isso tudo de pertinho.
Lembrei muito de vocês, sabia?

Suzi disse...

Legível, sabe que me sinto um pouco melhor, depois de ler que há mais gente que eu, que nunca havia ouvido falar em báculo?

________
Teu tio sabia das coisas, meu querido!
hehehehehe!!!

Suzi disse...

Olá, Rui!
Seja bem-vindo por aqui!

Exposições assim e a gente vai, por aqui, aprendendo um pouquinho mais das belezas e da cultura daí.
Muito legal!

Suzi disse...

Guiga, a exposição fica até dez de fevereiro de 2008. Que tal passar uns dias de verão no Rio e visitar a mostra? Eu prometo que vou junto!

;o)